terça-feira, 28 de maio de 2013

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 9 - Revista Editora Betel


AULA EM 2 DE JUNHO DE 2013 – LIÇÃO 9
(Revista: EDITORA BETEL)

Tema: “ORIENTAÇÕES BÍBLICAS CONTRA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA”
  
Texto Áureo: Salmos 9.9
  
INTRODUÇÃO
- Professor(a), nesta lição você abordará um assunto atual que levanta ainda algumas dúvidas.
- “de forma pacífica”, se refere aos casais que estão no banco, que não fazem parte do ministério da igreja, podem estar nessa situação de violência e não denunciam por do pode ser capaz de fazer o conjugue violento.
- “o homem forte que oprime”, mas esse mesmo problema ocorre com muitos obreiros, principalmente esposas de obreiros que não denunciam seus maridos para a liderança da igreja.

            1. A IGREJA PODE AJUDAR OUVINDO O CLAMOR DO OPRIMIDO
- “escutar o grito”, algumas situações só são levadas a sério depois que ocorre uma desgraça. Houveram casos recentes na mídia em que a mulher foi assassinada e ao ser investigada a situação descobriu-se que a mulher havia denunciado diversas vezes, mas pouco havia sido feito.
- “prover a ajuda”, a situação deve ser analisada de forma particular, se o marido é extremamente violento então a lei dos homens deve ser aplicada. Se for obreiro da igreja, talvez um ultimato do pastor possa ajudar, porém se ele se tornar irredutível e continuar com atitudes violentas, então a liderança mesmo deve procurar orientar a denúncia ao serviço de proteção à mulher. 

1.1. A necessidade de as pessoas serem ouvidas
- “temem o opressor”, alguns maridos ameaçam as esposas, é necessário dar a elas a certeza de que serão amparadas. Se o marido opressor verificar que a mulher está sozinha sem ninguém para auxiliá-la, então ele se sentirá a vontade para prosseguir com as agressões.
- “julgam-se indignas”, muitos crentes dão palavras que oprimem, dizendo que a pessoa pode estar em pecado, ou que recebeu alguma comida enfeitiçada ou ainda não está orando. Esse tipo de palavra coloca a culpa sobre a pessoa agredida e inibe a pessoa de falar do problema.
- “uma vergonha”, a liderança deve agir com ética. Alguns líderes contam os problemas alheios para outros obreiros, causando vergonha.

1.2. Atitudes contra a violência doméstica
- “prestar ajuda”, não adianta só a liderança ficar na posição de ajuda que dependendo do grau de violência a pessoa pode ser orientada a acionar a Justiça.
- “potencialmente perigoso”, quando o agressor é descontrolado e agride periodicamente, inclusive com ameaças.
- “é sábio informar”, isso para que o agressor saiba que a esposa não está só e que a polícia pode ser acionada a qualquer momento. Geralmente quando o agressor fica sabendo do envolvimento da polícia, fica manso como um gatinho.
- “atitudes legais”, consiste em acionar a Justiça para que o agressor responda perante a lei. Quando a agredida procura a delegacia de mulheres o agressor é enquadrado na lei Maria da Penha. Convém lembrar que essa lei é válida também para violência doméstica contra o marido.


1.3. A liderança e a igreja devem se posicionar
- “da posição da igreja”, significa que a igreja local não deve se omitir, com desculpas de que não se envolve em questões públicas.
- “refletir a opinião de Deus”, a opinião da igreja é a mesma opinião de Deus em um contexto social diferente. Como exemplo, vemos que Jesus é contra a violência, pois todos queriam apedrejar aquela mulher que foi pega em adultério João 8.7, mas Jesus lhes disse que somente aquele que nunca pecou tinha o direito de apedrejá-la, nem o marido traído tem o direito de agir com violência contra a esposa.
________________________________________
2. O VALOR DA ESPERANÇA PARA OS QUE SOFREM VIOLÊNCIA
- “ouça uma mensagem de esperança”, isso porque a pessoa está debilitada psicologicamente, serve para evitar que ela tome alguma atitude errada ou precipitada.
- “mas toda a congregação”, quando os demais irmãos virem a atitude da liderança em relação a um fato desse, logo aparecerá outro caso de alguém que não teve coragem de denunciar antes. Além do mais será um bom testemunho para os não crentes.  

2.1. Deus se lembra do oprimido
- “que é o braço de Deus”, o braço recebe comando da mente e nossa cabeça é Jesus, por isso agiremos conforme a Sua vontade.
- “está a mão maléfica”, o inimigo tenta desestabilizar a igreja, tentando tirar sua credibilidade.

2.2. O Senhor Jesus e o sofrimento humano
- “emoções”, esse tipo de dor psicológica pode causar a depressão e a síndrome do pânico.
- “perturba suas necessidades”, esse tipo de dor pode levar a pessoa a descontrolar suas necessidades fisiológicas, alguns não desejam comer, outros não conseguem parar de comer diante do nervosismo.

2.3. A esperança para os que sofrem
- “representa-se por uma âncora”, para se entender essa compara é preciso ler a referência proposta de Hebreus 6.17-19, depois você pode explicar que enquanto houver esperança na imutabilidade dos conselhos de Deus, haverá firmeza em aguardar as promessas. Dessa a esperança funcionará como âncora.
- “para continuar vivendo”, as taxas de suicídio tem aumentado a medida que vai aumentando a desesperança. Quando alguém perde as esperanças ela está propensa ao suicídio.     
____________________________________
3. AS FERRAMENTAS PARA DESARMAR O AGRESSOR
- “mas o agressor”, nem todos os casos de agressão física são para serem resolvidos na polícia. Há situações em que o agressor se arrepende e necessita de um acompanhamento espiritual ou psicológico.

3.1. A igreja como porta voz dos oprimidos
- “lidera o ranking mundial”, não causa admiração essa posição do nosso país. Pois aqui a mulher é muito desvalorizada, pelas músicas funk onde a mulher é colocada como objeto sexual. Nas novelas a mulher é vista como adúltera, ou barraqueira.
- “trajados de cristão”, muitos crentes estão na igreja, mas não são crentes de fato. Devemos observar seus frutos para poder conhecer que tipo de árvore são.

3.2. A violência dome agora é crime
- “há muito a conquistar” , o maior problema do sistema legal brasileiro é a aplicação da dei. Muitos agressores ficam impunes devido a falta de um trabalho sério de acolhimento à vítima.
- “afirmou a subsecretária”, você pode acrescentar essas referências: 1 Timóteo 5.8 afirmou Paulo. Mateus 5.22 Afirmou Jesus.

3.3. Não se deixar dominar pelo sentimento de revanche
 - “procurar a reconciliação”, nesse caso a igreja deve orientar o casal, tudo para evitar o divórcio. Em alguns casos a agressão ocorreu em um momento de nervosismo e deve ser tratado buscando o perdão para o arrependido.
- “está de fato transformado”, muitos irmãos pensam que para que o perdão seja verdadeiro, tudo deve voltar a ser como antes. Mas sabemos que mesmo que alguém perdoe uma traição ou uma ofensa, a confiança levará ainda um tempo para ser reestabelecida.
___________________________
CONCLUSÃO
- “não deve ser subestimada”, Algumas pessoas dizem que Deus faz coisas impossíveis, mas não acreditam que alguém que bate na esposa pode ser transformado.
- “deva responder pelos seus atos”, como consequência do pecado todo agressor deve receber o pago. Alguns perdem a família, outros perdem a liberdade, outros perdem os dois.
- Prepare seu resumo e leia todas as referências separando aquelas que você irar ler na aula.
- Se prepare pare as para as perguntas dos alunos.

Boa aula!

Marcos André – professor





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.