segunda-feira, 30 de setembro de 2013

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 1 da Revista da Editora Betel - 4º Trimestre


Davi, um homem segundo o coração de Deus
06 de outubro de 2013

TEXTO ÁUREO
“Porém agora não subsistirá o teu reino; já tem buscado o Senhor para si um homem segundo o seu coração, e já lhe tem ordenado o Senhor, que seja capitão sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou”. ISm 13.14

VERDADE APLICADA
As escolhas feitas por Deus são sempre soberanas e seguras, devemos estar sempre prontos e sensíveis à Sua voz.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
ISm 15.35 - E nunca mais viu Samuel a Saul até ao dia da sua morte; porque Samuel teve dó de Saul. E o Senhor se arrependeu de haver posto a Saul rei sobre Israel.
ISm 16.1- Então disse o Senhor a Samuel: Até quando terás dó de Saul, havendo-o eu rejeitado, para que não reine sobre Israel? Enche um chifre de azeite, e vem, enviar-te-ei a Jessé o belemita; porque dentre os seus filhos me tenho provido de um rei.
ISm 16.7 - Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.
ISm 16.12 - Então mandou chamá-lo e fê-lo entrar (e era ruivo e formoso de semblante e de boa presença); e disse o Senhor: Levanta-te, e unge-o, porque é este mesmo.

INTRODUÇÃO
Neste trimestre, estaremos falando sobre a vida do rei Davi; um homem segundo o coração de Deus, o qual, de sua linhagem, nasceu o Messias, Jesus Cristo. Davi, o grande herói de Israel, é também o salmista inspirado que nos ensina, através de sua prática pastoral, como Deus nos protege, honra-nos, e cuida de cada um de nós. Um homem que, desde a adolescência, aprendeu como amar ao Senhor e tê-lO em primeiro lugar em seu coração.

1. Davi, um homem segundo o coração de Deus
Davi surgiu no cenário de Israel, como um herói, mas a Bíblia o descreve muitas vezes, como vilão, assassino e péssimo pai. Sua vida nos ensina grandes lições, principalmente, a de olhar para grandes heróis e não os ver como deuses, e sim, homens, pessoas que falham, que se humilham e que após se humilharem são capazes de amadurecer vivendo nas mais difíceis intempéries da vida. Davi foi extraordinário em muitos aspectos de sua vida, mas isso não significa que nunca desagradou a Deus. Todavia, o que mais nos surpreende é a capacidade que ele tivera de reconhecer o quanto havia errado. Vejamos quem era e sua história.

1.1. Davi, um ninguém que ninguém notou
Heróis não surgem por conta do acaso e não nascem do dia para a noite, eles existem, mas surgem apenas nos momentos de grande necessidade. A história não começa com Davi, mas com o povo se negando a ter Deus como seu Rei e desejando ser governado humanamente como as demais nações. Saul é o escolhido, é ungido, mas fracassa, porque pensava sempre em sua posição, em como ficaria diante das pessoas, e nunca foi capaz de sacrificar seu egoísmo para agradar a Deus (ISm 15.30). Após o desgaste com Saul, Deus olha para aquele pequeno adolescente que apascentava ovelhas, observa suas qualidades, e, surpreendendo até sua família, faz de Davi o rei de Israel. Tanto Jessé quanto seus filhos foram santificados, mas Deus escolheu exatamente o que nem pela consagração passou (ISm 16.5). Realmente, Deus não vê como vê o homem (ISm 16.7).

1.2. Levanta-te e unge o, porque é este mesmo (ISm 16.12).
A consagração de Davi foi uma das mais inesperadas que conhecemos. Nem ele mesmo sabia o que estava acontecendo quando foi chamado (ISm 16.10,11). Como falta, em nossos dias, um acontecimento como esse, onde o Senhor pode nos dizer: “unge que é este mesmo”! Aprendemos que Deus nem sempre escolhe indivíduos brilhantes de aparência elegante e bem sucedidos para levar adiante seus projetos e realizar sua obra. Às vezes, Ele escolhe o mais humilde, ou até mesmo o anônimo entre seus irmãos, como fez com Davi. Algo importante aconteceu naquele dia. Enquanto o Espírito de Deus se apoderou de Davi na casa de Jessé, do outro lado, o Espírito de Deus abandonou Saul, que passou a ter sua vida atormentada por um espírito mau (ISm 16.12-14).

1.3. Davi, um homem segundo o coração de Deus
“Já tem buscado o Senhor para si um homem segundo o seu coração” (ISm 13.14). Através dos tempos, esse termo se tornou muito peculiar para as pessoas, elas acham que, sendo Davi um homem segundo o coração de Deus, ele fosse invulnerável, totalmente santo, ou isento de pecados. O termo foi dado em comparação àquele que o povo de Israel havia escolhido. O povo queria um rei, esse era o desejo de seus corações. Deus lhes deu Saul, para que suas escolhas humanas fossem satisfeitas. Mas Saul não se enquadroue perdeu a oportunidade de se tornar um grande homem na história. Por esse motivo, Deus levanta Davi, que é segundo seu coração (sua escolha e vontade para o povo) o único rei de Israel que jamais foi idólatra, que organizou o sacerdócio e que, além de ser um adorador, conduziu a nação a adorar ao único Deus. Por isso, louvemos a Deus por dizer: “Unge-o, porque é este mesmo” (ISm 16.12).

2. Davi, um homem de integridade
O que será que Deus observou em Davi quando disse: “É esse?”. Na verdade, Deus não está procurando homens perfeitos, porque eles não existem. Não há um justo sequer. Deus procura pessoas íntegras. A palavra integridade é “thaman” no hebraico, e significa: completo, inteiro, que vive com simplicidade, sadio, sólido, forte. Integro é o que somos quando não há alguém olhando, significa ser completamente honesto. Não significa uma pessoa que causa boa impressão, mas que é completa, sem máscaras.

2.1. Davi, um homem íntegro
No Salmo de número 15, Davi usa o termo “integridade” fazendo alusão ao perfil de um verdadeiro cidadão dos céus, ele faz a pergunta e também a responde dizendo: “Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo? Quem há de morar no teu santo monte? O que vive com integridade” (SI 15.1.2 RA). Na Grécia antiga, os artistas e os escultores talhavam suas esculturas em madeira e, às vezes, por falta de atenção, ou acidentalmente, eles erravam na maneira de talhar. E para disfarçar o erro, e não perder a peça, eles amaquiavam com cera, para esconder o defeito. A peça ficava linda para quem não entendia a fundo, mas o bom negociante, ao chegar diante do artífice dizia: “quero uma peça, mas a quero sem cera”. Outro fato importante é que uma peça com cera não podia ficar exposta ao sol, pois derretia e apresentava o que era realmente. Já imaginou se o sol da justiça começar a aquecer certas peças que temos hoje na igreja? Ser íntegro, é exatamente não estar comprometido quando o sol da justiça começar a aquecer.

2.2. Davi, um homem forjado na solidão
Quando vemos pessoas que de repente despontam na história ficamos a nos perguntar: “de onde vem, de que família é, e como chegaram a tal posição?”. Isso é muito comum. Mas difícil é compreender o que tais pessoas sofreram, quais foram seus estágios probatórios, como Deus lhes falou ao coração, e como lhes trouxe á tona. Davi era um jovem solitário, e a solidão foi um dos sentimentos usados por Deus para torná-lo apto quando chegasse ao trono. Deus usa a obscuridade para transformar meninos em grandes homens. Ele os leva para desertos, para construir caráter, onde aprendem a aceitar o silêncio, e se qualificam para conviver com os aplausos. Davi viveu na monotonia de um pasto, cuidando do pouco. Deus o preparou na escuridão,treinando-o com leões e ursos, para depois vencer gigantes e se tornar rei.

2.3. Davi, um herói secreto
O verdadeiro teste de nossa vocação não reside em como iremos nos apresentar diante daqueles que nos observam; mas, como cuidadosamente executamos nossas responsabilidades quando não estamos sendo observados por ninguém. São nas pequenas coisas e nos lugares solitários que provamos ser capazes de grandes coisas. Quando Davi se apresenta para Saul, apresenta um histórico impressionante para um adolescente, ele diz que já havia vencido um leão e um urso (ISm 17. 34-36). O verdadeiro gigante, com certeza, não era Golias.

3. Davi, um homem escolhido por Deus
Mais tarde, com mais experiência diante daquele que o trasladou do pasto para o palácio, e do palácio para a história, Davi relata como funciona o olhar divino. Ele diz: “Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia” (SI 139.16). Ele nos ensina que Deus jamais nos vê como nos vemos hoje, mas como seremos amanhã, e se nos escolhe, é porque tem uma finalidade, um alvo, e um objetivo, tanto para nossas vidas, quanto para aqueles que nos rodeiam.

3.1. Um rei preocupado com o pasto
Acreditamos que Davi jamais teve, em sua vida, a perspectiva de que um dia se tornaria herói nacional, um músico do palácio, o comandante de um grande exército, e o rei de sua nação. Seria muito bom se víssemos além do óbvio, das informações negativas, da inteligência, se víssemos além das lentes. O maior dom que Deus deu ao homem não foram os olhos, mas a visão. Foi disso que Samuel precisou quando chegou à casa de Jessé. Ele precisava encontrar o homem que Deus queria. Samuel sentiu que ele ainda não havia chegado e, com a ajuda de Deus, esperou até que entrasse (ISm 16.12.13). O homem certo, escolhido por Deus, age sempre de forma inusitada. Após a unção, Davi não foi a uma loja comprar uma coroa de ouro para exibir, não foi a uma gráfica confeccionar cartões de visita, não fez uma festa e estendeu um banner com a frase: “eu sou o rei de Israel”, não. Ele simplesmente voltou para o pasto para cuidar de suas ovelhas. Isso nos ensina porque Deus o escolheu.

3.2. Um rei com coração de pastor
Não foi fácil tirar Davi do meio de suas ovelhas. O fato de Samuel o ter ungido não alterou sua vida, nem o fez buscar entre as pessoas um tratamento diferenciado, porque havia recebido uma unção. Davi sempre foi rei com um coração de pastor. É triste quando nos deparamos com pessoas avessas ao que era Davi, isto é, “pastores com o coração de rei”. Davi sabia o que lhe havia acontecido na casa de seu pai, mas foi necessário praticamente arrancá-lo das ovelhas para que publicamente despontasse. Deus enviou sobre Saul um espírito atormentador, um meio pelo qual conduziria Davi a vida no palácio e a visão real que deveria desenvolver. Mesmo sendo músico do rei, continuava cuidando das ovelhas do pai. Mais tarde, tornou-se um grande rei, mas, na verdade, jamais deixou de ser pastor (SI 78. 70-72).

3.3. Esteja pronto a ouvir a voz de Deus
Existem vários motivos que nos conduzem a confiar em Deus. Deus sempre tem soluções; estranhas e simples ao mesmo tempo. Desde sempre, por trás do cenário visível, antes mesmo de tudo criar, Deus já conhecia o dia de hoje, esta semana e cada um de nós. Ele sabia exatamente o que deveria fazer e o que é melhor para cada um de nós. Quando falhamos, Ele não falha. Quando mudamos, Ele permanece o mesmo. Até mesmo quando nossas vidas são alteradas pelo inesperado, nada O surpreende, nada nEle se altera. Deus sempre sabe o que faz.

Conclusão
Deus está observando a nossa cidade, a nossa vizinhança, e procurando pessoas a quem possa dizer: “Unge-o: é este mesmo”. Ele quer dizer para cada um de nós o que disse para Davi. Você é meu, quero usá-lo, porque você tem sido fiel nas pequenas coisas que coloquei sobre sua vida. Lembremo-nos: Davi nem sabia o que lhe aguardava. Deus é Deus de grandes surpresas.

2 comentários:

  1. Parabéns pelo trabalho. Seu blog sempre mim ajuda. Este mês por exemplo por problemas não explicados, ficamos sem revistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa irmão que pena mas pode usar o CLUBE DA TEOLOGIA, se tiver alguma sugestão para melhorar esse espaço, pode mandar. paz.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.