terça-feira, 13 de maio de 2014

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 7 - Revista da Editora Betel



Combatendo a Depressão, o Mal do Século
18 de maio de 2014


TEXTO AUREO
“Tira a minha alma da prisão, para que louve o teu nome; os justos me rodearão, pois me fizeste bem”. SI 142.7

VERDADE APLICADA
A depressão pode ser caracterizada por um sentimento de vazio existencial e abandono da parte de Deus.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

SI 51.1 - Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.
SI 51.5 - Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.
SI 51.14 - Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará altamente a tu a justiça.

INTRODUÇÃO
Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a depressão é considerada a enfermidade da atualidade. Hoje mais de 350 milhões de pessoas sofrem desse mal, dentre as quais, cerca de 66% são mulheres. Tal enfermidade pode ser desencadeada por diversos fatores; entre eles, pode estar uma situação de constrangimento diante de uma condição pecaminosa. O indivíduo que tem fé firmada em Deus quando percebe que cometeu um pecado, pode desenvolver a depressão.

1. Depressão, o que é isso
A depressão é conhecida como estado mental mórbido, que se caracteriza por lassidão, frequentemente é acompanhado por ansiedade mais ou menos acentuada. É considerada uma forma mínima de melancolia (psicose caracterizada por depressão intensa). Os sentimentos de depressão podem ser disfarçados por outros males, tais como sonolência, anorexia, insônia, perda de peso, cansaço contínuo, baixa autoestima e outros (lRs 19.4).

1.1. Depressão patológica
Na chamada depressão patológica, o sujeito se mostra muito pouco comunicativo apresentando uma condição com aspecto extremamente melancólico. Passa a declarar para si mesmo e para os outros que a vida é triste e perde toda motivação (Jó 3.3; Jr 20.14). A medida em que avança, a depressão pode causar ainda um retardamento no processo do pensamento, esse avanço pode levar o indivíduo a permanecer horas, sentado com uma expressão de apatia e tristeza.

1.2. Depressão Neurótica ou Psicótica
Quando identificada e confirmada o quadro de depressão, é importante observar o indivíduo, para verificar, se ele está em pleno gozo de suas faculdades mentais. Faz-se necessário saber se a sua realidade está intacta, caso esteja, podemos dizer que o mesmo está sofrendo do que a ciência chama de depressão neurótica. E, após uma avaliação, caso detectado que a interpretação da realidade esteja distorcida, é sinal de que o indivíduo está sofrendo da chamada depressão psicótica. Existe uma dificuldade em se distinguir entre as duas pelo fato de as pessoas que sofrem com a depressão serem pouco comunicativas, optando muitas vezes pelo isolamento e, com isso, não revelam os seus verdadeiros sentimentos.

1.3. Outros tipos de depressão
Os estudiosos do assunto descrevem alguns tipos de depressão. Depressão pós-parto: provoca um estado de pânico e leva a mãe a crer que não tem condições de tomar conta da criança recém-nascida; é reconhecida como uma enfermidade funcional que ocorre em virtude dos problemas da maternidade. Depressão analítica: ocorre em crianças, mais precisamente nos primeiros meses de vida do bebê (6 a 18 meses). Deve-se a uma separação repentina e prolongada da mãe. Ao perceber o ocorrido, a criança desenvolve sintomas como: perda de apetite, retraimento, insônia, entre outros semelhantes aos observados em um adulto com diagnóstico de depressão. Esse tipo de depressão na criança pode também ser observado caso ela tenha suprimida a atenção da mãe.

2. A depressão de Davi
De acordo com Palavra de Deus, Davi foi um homem segundo o coração de Deus (At 13.22). Dentre muitas de suas características, podemos destacar seu temor a Deus e sua condição de dependência constante dEle. Seu caráter era proativo, destemido e inteligente. Todas essas qualidades faziam dele o rei ideal para o povo de Israel. Contudo elas não foram suficientes para impedir a sua queda (1 Cr 21.1-17; 2Sm 11.1-4). A atitude impensada de Davi o levou a um buraco entre a solidão e o sentimento de total afastamento da presença de Deus, causando assim sintomas semelhantes a um quadro de depressão (SI 51).

2.1. O resultado do pecado
Quando Davi estava prestes a cometer o pecado contra Urias (2Sm 12.9), em momento algum, imaginou no que suas ações insanas resultariam, “Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim” (SI 42.7). Sua fixação em obter o que desejava o cegou de tal maneira que não se permitiu medir as consequências de seus atos, “Puseste-me no abismo mais profundo, em trevas e nas profundezas” (SI 88.6). Davi se viu só amargando seus próprios pensamentos.

2.2. O pecado cega
Em sua busca pelo prazer, o rei Davi esqueceu-se de seu principal projeto, que era a construção do Templo do Senhor. O pecado tem como principal circunstância obscurecer a visão espiritual do homem de Deus. Com a perda da visão, o indivíduo irá também perder a comunhão com o Eterno, o que o levará a um sentimento de abandono por parte do Criador. Ao se sentir abandonado, após pecar, um dos sintomas desenvolvido no indivíduo é a vontade de morrer.

2.3. O reconhecimento do pecado
O encontro com o profeta Natã foi determinante na vida de Davi. Numa linguagem contemporânea, podemos afirmar que “a ficha caiu” para o rei. Ter seus atos revelados e descortinados pelo profeta, fez com que Davi pensasse em tudo o que havia feito e reconhecendo seu grande erro. O que o levou a mergulhar em uma profunda escuridão existencial. A partir daí, passou a enfrentar uma crise emocional com sintomas diagnosticados como de depressão.

3. O arrependimento
Ao escrever o salmo 51, o rei Davi expressa claramente seu grau de arrependimento, diante da descoberta de seus atos desastrosos. Ele clama pela misericórdia e pede que suas transgressões sejam apagadas (SI 51.1).

3.1. A tristeza diante do pecado
Em sua oração, Davi está extremamente abatido. Ele demonstra um sentimento de tristeza profunda, ao olhar para Bate-Seba e perceber o mal praticado por ele. A visualização de seu pecado não o deixava tranquilo, e isso o deprimia cada vez mais. Observando a situação de Davi, é possível perceber que o inimigo tenta de todas as formas levar o homem a pecar. Ao obter êxito em seu intento, usa isso como uma arma poderosa para destruí-lo (SI 116.3). O adversário tem prazer em deixar o pecador sempre diante de seu erro.

3.2. Restaurado do pecado
O fato de Davi ter experimentado uma intensa comunhão com Deus deu a ele a condição de conhecê-lo. Os versos de 6 a 10 do salmo 51 dão a nítida noção do que Davi esperava do Senhor, pois sabia que Jeová amava a verdade e era capaz de fazer o homem conhecer essa verdade, fornecendo-lhe a Sua sabedoria. Deus podia tornar o que era imundo em puro e transformar a tristeza em alegria (Sl 51.7-8; Jr 31.13). Esse fato ocorrido na vida de Davi faz com o homem perceba que Deus, não apenas, é capaz de perdoar e restaurar um coração sujo e manchado pelo pecado bem como transformá-lo em um totalmente puro. Levando o homem a ter de volta um espírito reto diante Dele.

3.3. Anelo pela comunhão com Deus
Diante de Deus Davi, apresenta ter conhecimento de sua genética pecaminosa (SI 51.5), contudo, isso não foi o suficiente para fazê-lo desistir de tentar voltar à comunhão com o Senhor. Temos tido conhecimento de muitos que têm pecado e não reconhecem o seu erro, no entanto, podemos observar em Davi o desejo de usar a sua experiência para mostrar o tamanho do sofrimento pelo qual passou (SI 51.13).

CONCLUSÃO
A depressão tem sido chamada por muito cientistas como a doença da atualidade, e muitos servos
de Deus têm passado por momentos difíceis acometidos por este mal. Cabe a nós Igreja do Senhor buscar identificar a causa do mal, se espiritual ou emocional e conduzir a pessoa ao melhor caminho na busca pela cura, lembremos sempre que o Senhor é suficiente em nos dar a solução de todos os problemas. “Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor” (Sl 51.15). Contudo é importante lembrar que Ele pode usar também profissionais especializados, pois a ciência também é obra de suas mãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.