quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

ESCOLA DOMINICAL - Esboços e Subsídios da Lição 10 - Revista da Editora Betel



AULA EM 07 DE DEZEMBRO DE 2014 – LIÇÃO 10
(Revista: EDITORA BETEL)

Eliseu e o Milagre do Machado Flutuante
Texto Áureo: Jó 37.5
 _________________________________________
 INTRODUÇÃO
- Professor(a), nesta lição passe os ensinamentos do caráter cristão esboçados nessa lição, foque a atenção no comportamento dos jovens profetas como exemplo de crentes.
- “um milagre muito simples”, esse milagre pode ser classificado como uma operação de maravilhas.
- “lições espirituais”, sempre temos muito a aprender com o agir de Deus, as passagens em que Deus operou no Antigo Testamento sempre nos ensinam muito, por isso os pregadores sempre usam essas passagens para comunicarem algo atual para a igreja. 
_______________________________________________
1.  A importância da presença de Deus
- “Elias havia estabelecido uma escola de”, essa escola na verdade foi estabelecida por Samuel, e teve seu apogeu no tempo de Elias e Eliseu. O objetivo parecia ser unir os profetas e estabelecer uma liderança entre eles para prepará-los para o ofício profético.

1.1.  O desejo de crescer
- “pequeno para a quantidade de alunos”, nos tempos de Elias a perseguição de Jezabel reduziu a quantidade de profetas no Reino do Norte, mas no tempo de Eliseu o número de profetas cresceu muito, pois a fama de Eliseu era maior que a de Elias. Observa-se aqui uma preocupação com o crescimento da obra, em como eles abrigariam novos alunos. Se uma igreja começa a crescer ela deve se preocupar com esse aspecto.
- “fosse ao Jordão com eles, pois cortariam madeira”, até hoje as árvores são mais fortes próximas às margens dos rios e ribeiros da palestina.
- “mas porque era emprestado”, naquele tempo poucos trabalhavam o ferro em Israel, por isso um machado era caríssimo.
- “agir assim também na hora de nossos desesperos”, no desespero alguns crentes tomam atitudes impensadas, e a ultima coisa que se lembram é de orar.

1.2.  A presença do profeta e sua importância
- “assegurarem-se que Eliseu iria com eles”, isso lembra Moisés que se recusava a caminhar sem a presença de Deus no meio do povo. Êxodo 33.15
- “iria contar com a presença Divina”, os jovens profetas demonstraram uma qualidade cristã, pois ficaram tranquilos em saber que um homem de Deus estava no meio deles. Atualmente encontramos muitos irmãos e irmãs que se apegam em amizades com os ímpios e se sentem bem a vontade com a presença deles.
- “Deus tem o sobrenatural”, quer dizer que Deus tem o poder sobre o sobrenatural. Haverá momentos na caminha que precisaremos desse agir sobrenatural de Deus.

1.3. A atitude que precedeu o milagre
- “que não manifesta o sobrenatural em nada difere das demais religiões”, não sei se é possível concordar totalmente com isso, porque João Batista não fez nenhum milagre entre nós, mas arrastou uma multidão para o deserto com a mensagem de arrependimento.
- “criando meios de produzir um milagre”, quer dizer que eles não viram o profeta Eliseu como uma possibilidade de presenciar milagres. Alguns correm atrás de igrejas onde a os dons são transmitidos como se fossem espetáculo.
- “Deus não se move dentro da lógica”, alguns irmão tentam colocar regras para Deus, acreditam que se entregar tanto de dízimo receberão mais vitórias do que o que entregou menos.

__________________________________________
1.        Recuperando o que se perdeu
- “um cabo sem a haste do machado?”, aqui o comentarista está propondo uma tipologia espiritual para aplicação da lição que esse milagre traz.
- A haste aqui seria a unção espiritual e o cabo seriamos nós. A haste de ferro é a parte que corta, que não é nossa, foi emprestada por Deus.

1.1.  Onde caiu?
- “lembrar onde tudo começou a dar errado”, foi nesse momento que perdemos a nossa unção espiritual, as coisas não começaram a dar errado na hora em que perdemos, só vamos perceber o mal depois.
- “onde lhe demos legalidade”, dar legalidade ao inimigo é permitir que ele entre legalmente em nossa vida, como se déssemos o direito de ele invadir nossa vida. O pecado é a legalidade, quando pecamos conscientemente o Espírito se afasta de nós, é aí que o inimigo passa a ter o direito legal de agir.
- “Dificilmente não sabemos onde caiu”, é o mesmo que dizer: “dificilmente não sabemos onde demos a legalidade ao Diabo”. Todos sabem qual área deve ser tratada.

2.2. Reconhecer o valor é fundamental para a busca
- “Ele valia sua liberdade”, o ferro era tão caro que o jovem teria que trabalhar como servo ara pagar a dívida. Assim acontece com aqueles que perdem a unção espiritual, se tornam escravos do pecado e presa de Satanás.
- “era uma ferramenta valiosa”, a unção espiritual é o que há de mais valioso para um servo de Deus, sem ela ele é como um cabo sem a haste, não serve para nada.
- “ela sabia o seu valor”, claro que a parábola da dracma está falando do amor de Deus, mas a analogia pode ser aplicada aqui, pois o comentarista está falando de reconhecer o valor da unção perdida. Se os crentes reconhecessem o valor do dom espiritual, zelariam mais por ele.

2.3. Estende a tua mão
- “apenas que sejamos sinceros”, nunca existirá conserto se não confessarmos com sinceridade os nossos erros à Deus.
- “foi a madeira cortada e lançada no mar da humanidade”, o profeta introduz no milagre uma madeira. A madeira é instrumento pelo qual o milagre foi feito. A cruz é o instrumento que Deus usou para nos fazer flutuar do mar de pecados.

3. As lições de um machado flutuante

3.1. Corpo sem cabeça
- “ele não tinha residência espiritual”, Cristo veio a esse mundo, mas ele voltaria para o pai, apenas o Espírito Santo teria lugar para habitar. Pode-se usar a ilustração da pomba de Noé Gênesis 8.8. Nas três vezes que Noé soltou a pomba representa a visitação da Triunidade Santa na Terra. Na primeira vez representa o Pai, que veio à Terra, mas não pisou nela, na segunda vez representa Jesus que veio andou aqui e subiu ao céu e na terceira vez representa o Espírito Santo que veio e ficou.
- “perdeu também o governo da humanidade”, Adão perdeu a sua autoridade, quando aceitamos o pescado em nossa vida a primeira coisa que perdemos é a nossa autoridade no mundo espiritual.

3.2. O trabalho humano
- “ele estendeu a sua mão e o tomou”, aqui mostra uma ação do servo de Eliseu, e mostra a ação de Deus. O Senhor quebrou regras da física para fazer o ferro flutuar, poderia fazê-lo levitar até a mão do rapaz, mas a ordem foi para que ele o apanhasse. O mais difícil Deus faz e o mais fácil, que é buscar o que se perdeu fica com o ser humano.
- “não fará por nós, aquilo que nós mesmos devemos fazer”, Deus não quer cuidar de uma monte de servos preguiçosos e relaxados. Por isso Ele deixa trabalho para a gente fazer.

3.3. O precioso resgate
- “era muito profundo em relação aos nossos”, após milhares de anos ele sofreu o assoreamento, enchendo o fundo de sedimentos e fazendo o rio ficar mais raso.
- “muito profundas e escuras”, fora a correnteza que sempre foi muito forte no Jordão.
- “elevar seus afetos”, torná-lo sensível às coisas de Deus.

CONCLUSÃO,
- “Cristo já fez a Sua parte”, é a parte milagrosa, o mais difícil. Jesus fez o que ninguém pode fazer e nós fazemos o que podemos, buscar o que perdemos.
- “que nos foi outorgada”, outorgar é conceder como benefício. Assim a salvação nos foi concedida por Cristo.

Boa aula!

Marcos André – editor

2 comentários:

  1. Há alguns dias atras fui procurado por um professor que estava preocupado com esta lição, parece- me que ele não compreendeu muito bem as comparações que o comentarista usou. Embora este texto bíblico ofereça subsidio para se falar de moral e ética, o comentarista preferiu optar pelo estudo da linguagem figurada, quem conhece as pregações do Pr. Samuel Ferreira sabe que ele gosta muito de usar este recurso, nem a madeira nem o machado, não pode ser comparado como um tipo humano de Jesus, o que o comentarista não fez, ele apenas fez uso da analogia. Mesmo que o texto ofereça outras lições, como já falei antes, todavia eu sugiro aos professores a se ater no que a lição está propondo. Um forte abraço. irmão Evaldo em Catalão-GO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ontem foi um dia corrido irmão Evaldo, muito bom esse teu comentário. Os professores devem dar prioridade ao objetivo da lição, as vezes eles querem passar muito conteúdo, mas se atrapalham nas analogias. Como você disse eles devem seguir o proposto pela revista.

      Paz varão valoroso

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.