segunda-feira, 31 de agosto de 2015

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 10 - Revista da CPAD - JOVENS


A Ascensão Econômica
6 de Setembro de 2015

TEXTO DO DIA
“E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza, porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui”(Lc 12.15).

SÍNTESE
A ética e a moral cristãs são tão essenciais quanto a justiça social.


TEXTO BÍBLICO

1 Timóteo 6.7-10
7 — Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele.
8 — Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.
9 — Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.
10 — Porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.

INTRODUÇÃO
Na breve lição de hoje, refletiremos acerca das mudanças políticas que vêm alterando a organização familiar e social. A implementação de novas políticas com a ascensão de governos que nunca haviam chegado ao poder surpreende, causando impacto econômico positivo. Entretanto, ao mesmo tempo em que proporcionam melhorias na qualidade de vida dos cidadãos, esses mesmos regimes introduzem políticas de minorias bastante perigosas. Até que ponto o populismo não está “dando com uma mão” para “tirar com dez outras”, fazendo com que até mesmo a moralidade seja extinta?

I. A JUSTIÇA SOCIAL E O PROFETISMO

1. O cuidado divino com a justiça social.
Desde a Queda, devido às consequências do pecado, a desonestidade e a ganância fazem parte das relações humanas. Pessoas acham-se no direito de oprimir as outras. Assim, quando da promulgação da Lei, é possível observar o cuidado divino com os menos favorecidos (Êx 22.25-27; 23.6; Lv 19.10; 23.22), diferentemente de outros códigos legislativos do mundo antigo que pouco se importavam com a situação das pessoas.

2. Justiça divina não é paternalismo.
A despeito do amor de Deus pelos órfãos, viúvas e pobres, o Senhor não age de forma paternalista, favorecendo um em detrimento do outro, pois Ele é justo (Êx 23.1-3; Lv 19.15). A Lei é tão precisa que chega a orientar o legislador a não aceitar presentes, de uma ou de outra parte, para que tenha isenção e não seja levado a favorecer alguém no processo de julgamento (Êx 23.8).

3. O ministério profético e a justiça social.
Quando no período dos reis os judeus, de forma deliberada e em demonstração de rebeldia, passaram a negligenciar o que a Lei prescrevia sobre a questão social (Êx 23.10,11; Dt 24.14-22) — sobretudo, do jubileu que incluía, entre outras coisas, a obrigatoriedade de libertar os os escravos e liquidar as contas e/ou empréstimos dos endividados (Lv 25.1-55) —, o Senhor então levantava os profetas para condenar essa postura (Jr 34.8-22).
Na realidade, é impossível não notar que o profetismo, como movimento, nasce justamente por causa da injustiça social e da falta de defesa dos menos favorecidos, pois se o próprio Deus que libertara Israel era esquecido, que dirá aqueles que, sem posse alguma, ficavam à mercê da sensibilidade dos seus irmãos no cumprimento da Lei (Is 3.12-15; 58.1-14; Dn 4.27; Am 2.6-12). O Senhor, porém, não permitiu que tal descaso ficasse impune (Sl 9.1-20; 12.5; Zc 7.5-14).

Pense!
Mudando-se o modo de a humanidade relacionar-se com Deus, isto é, havendo a graça substituído a Lei, existe ainda a necessidade de se cuidar do necessitado?

Ponto Importante
A leitura de Isaías 58.1-14 mostra claramente que Deus não se importa com ritualismo desprovido de prática.

II. A POLÍTICA ECONÔMICA

1. O governo e a justiça social.
Em qualquer civilização, existem os liderados e os que lideram (Rm 13.1-7). Um dos principais deveres dos governantes é justamente assegurar o cumprimento da ordem e do direito. Em qualquer sociedade, a dependência dos governos por parte dos menos favorecidos é uma realidade. Não havendo justiça social, as classes populares certamente serão as mais prejudicadas. No mundo antigo, cria-se que o apoio aos pobres era uma das condições para o êxito de qualquer governante (Pv 29.14). Um exemplo claro dessa verdade pode ser visto no “conselho” dado por Daniel a Nabucodonosor: “Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e desfaze os teus pecados pela justiça e as tuas iniquidades, usando de misericórdia para com os pobres, e talvez se prolongue a tua tranquilidade” (Dn 4.27).

2. O governo e as classes populares.
Quando partidos, cujas propostas de governo incluem políticas sociais voltadas ao menos favorecidos, ascendem ao poder, teoricamente acontecem melhorias que beneficiam os pobres. Estes, mesmo não realizando todos os seus sonhos, ao conseguir um pouco mais de recursos — seja através de programas sociais, seja com a geração de empregos —, veem-se como devedores dos governantes e assim passam a concordar com todas as ações do governo.

3. O perigo do populismo.
Se imediatamente o assistencialismo melhora a situação dos pobres, em longo prazo, ele em nada contribui para a efetiva ascensão social destes. Em países emergentes, o populismo proporciona a perpetuação de tais governos no poder, acabando por instaurar um despotismo em lugar da democracia. Isso porque a ajuda que deveria proporcionar as condições de as pessoas adquirirem autonomia econômica, transforma-se em moeda de troca, gerando dependência e, consequentemente, manutenção da pobreza ao mesmo tempo em que garante a perpetuação do governo.

Pense!
Em sua opinião, se o assistencialismo não fosse a política utilizada para atender as classes populares, qual seria a melhor forma de se cuidar dos menos favorecidos?

Ponto Importante
Na perspectiva do Evangelho, a justiça social precisa ser uma realidade em nosso meio.

III. O PERIGO DO CASAMENTO DA IGREJA COM O ESTADO

1. O artifício romano para obter o apoio dos líderes religiosos.
O chamado “Templo de Herodes” é a melhor explicação para o “bom relacionamento” entre os governadores romanos e os sacerdotes dos tempos de Jesus. De alguma forma, eles recebiam apoio do governo para manter o povo submisso ao jugo romano, pois, quando da acusação de Jesus Cristo, vemos claramente que havia entre eles uma ligação que transcendia a obediência estritamente civil (Lc 23.2; Jo 19.12,15).

2. A era Constantino.
Em 313, o imperador romano Constantino, depois de se tornar “cristão” de forma inusitada, decretou, no chamado Edito de Milão, a liberdade de culto, terminando por oficializar o cristianismo como uma religião estatal. Foi assim que se deu o espúrio e danoso casamento da Igreja com o Estado. Tanto é verdade que o primeiro Concílio da Igreja, ocorrido em 325, foi convocado por ele.

3. O cuidado da Igreja atual.
Tais lições da história devem servir-nos como alerta para os nossos dias. Antes, assim como a Igreja do primeiro século, éramos ignorados; hoje, devido ao número de evangélicos, os poderosos cada vez mais se aproximam de nós. Que a nossa relação com os políticos seja ética e que jamais venhamos a negociar com eles os nossos valores supremos (2Tm 2.4). Que o Senhor nos ajude a sempre agirmos assim.

Pense!
O que você acha do “casamento” da Igreja com o Estado?

Ponto Importante
Se o Estado, e a Igreja, cada qual em seus respectivos âmbitos, cumprir o seu papel, é possível haver justiça social.

CONCLUSÃO
Não há dúvida de que a função do governo é proporcionar melhores condições para a população ter assegurada a sua qualidade de vida. Não obstante, isso não pode acontecer como sistema de troca de voto para que projetos imorais sepultem os bons valores. Que possamos ser vigilantes para que isso não venha acontecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.