quinta-feira, 13 de agosto de 2015

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 7 - Revista da CPAD - ADULTOS


AULA EM 16 DE AGOSTO DE 2015 – LIÇÃO 7
(Revista: CPAD)

Tema: Eu Sei em Quem Tenho Crido

Texto Áureo: 2 Timóteo 1.12
  
INTRODUÇÃO
- Querido(a) professor(a), nesta lição recomendo que você afirme para a classe que os ensinos aqui não são somente para os pastores, mas sim para todos que exercem ou que exercerão alguma liderança, seja departamento, mesa de oração ou como professor em uma classe de EBD.
- “foi escrita enquanto Paulo se encontrava preso”, foi pouco antes de Paulo ser morto por ordem do imperador Nero.
- “mas seu espírito e sua fé estavam perfeitamente livres”, aqui podemos acrescentar que uma pessoa pode sofrer dois tipos de prisão, a prisão física e a prisão espiritual. Algumas pessoas estão fisicamente encarceradas nos presídios, delegacias ou em cativeiros, essa é a prisão física, enquanto outras estão presas nas garras do medo, do pecado, da opressão e dos vícios, essa é a prisão espiritual. Sendo assim existem pessoas presas fisicamente, mas não espiritual e outras estão presas espiritualmente, mas não estão fisicamente.
- “Esta foi a última vez que ele esteve na prisão”, Paulo esteve preso diversas vezes, mas somente duas vezes ele foi preso por autoridades romanas, e essa foi a ultima.
__________________________________________
I - ORAÇÕES E AÇÃO DE GRAÇAS (1.3-5)

1. “Ao amado filho” (v.2).
- “o líder precisa ter afeição, amor”, esse é um ensinamento que muitos líderes precisam aprender. Existem líderes de departamento que não se importam com os cooperadores de sua liderança. Também há pastores na mesma situação.
- “e saber demonstrá-los por aqueles que estão ao seu lado”, significa colocar em prática, para a pessoa se sentir amada, isso fará bem à pessoa e ao ministério.
- “por todos os que estão empenhados na obra do Senhor”, é a oração intercessora por todos os santos, precisamos ter essa prática de oração, pois todos tem a tendência de orar por si e pelos de sua casa e se esquecem da casa de Deus e de seus filhos. Como exemplo, podemos perceber que muitos não oram pelos ministros que estão no campo missionário.

2. A sensibilidade de Paulo.
- “As lágrimas nos mostram”, as lágrimas falam alto até mesmo para Deus, veja esse versículo:
“Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” Salmos 51:17 E muitos outros casos nos mostram como Deus se move diante das lágrimas, como o caso do rei Ezequias por exemplo.
- “parecem cada vez mais superficiais”, quer dizer que não alcança a profundidade, ou seja, a intimidade. Nos tempos pós-modernos as amizades estão virando contatos, a afeição se traduz em curtidas e a intimidade se demonstra em compartilhamentos. Restam as perguntas: De onde viemos? O que somos? E para onde vamos? 

3. A fé de Timóteo (v.5).
- “Seu discipulado começou no lar”, Talvez ele tenha crescido no evangelho, seria o chamado crente de berço, sabemos que Deus pode usar quem Ele quer, mas sabemos também que a maioria dos grandes ministros da atualidade começaram em um lar cristão, onde receberam a doutrina e frequentaram assiduamente a Escola Dominical.
- “Não se sabe se ele se converteu ao evangelho”, parece estar se referindo a Timóteo, pois é dito se ele se converteu ou se era crente de berço.
- “A educação familiar de Timóteo serve de exemplo”, nesse subtópico está sendo afirmado que essa educação familiar deu a Timóteo uma forte base de fé, que proporcionou a ele ser o obreiro que era.
_______________________________________
II - A CONVICÇÃO EM DEUS (vv.6-14)

1. Dons espirituais (v.6).
- “O que Paulo desejava afirmar a Timóteo”, professor(a), concentre-se nessa pergunta, é interessante perguntar aos alunos antes de continuar, peça para eles abaixarem a revista e tentar responder, e continue: “quando disse: “despertes o dom de Deus, que existe em ti”?” Deixe os alunos responderem e compare com a resposta que o comentarista dá.
O comentarista apresenta uma resposta que parece simplória demais, veja: “Paulo estava encorajando Timóteo a perseverar em seu ministério”, Paulo poderia também estar orientando Timóteo a colocar em prático os dons espirituais, ou então a adquirir maturidade para a obra ministerial. Valorize a respostas dos alunos.
- “imposição de mãos sempre foi um gesto de grande valor”, se refere ao ato de consagrar obreiros, que era feito com imposição de mãos At 6.6, e foi dessa forma que Timóteo foi consagrado.
- “É uma prática solene”, prática que faz parte de protocolo de solenidade, como é o caso da consagração de obreiros.
                 
2. “Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação” (v.7).
- “Timóteo estava enfrentando uma grande oposição”, professor(a), deixe os alunos a par de que essas oposições hoje vem daqueles que não acreditam que o líder foi designado por Deus, ou que invejam essa liderança ou que estão enciumados por conta da afeição que outros dispensam ao líder de sucesso.
- “Um líder precisa ser corajoso”, a coragem de um líder é demonstrada na capacidade de enfrentar dificuldades e assumir riscos pela obra de Deus. Um líder de departamento ou uma irmã de mesa de oração que não tem essa coragem de assumir algum risco pelo bem de seu departamento, não conseguirá fazê-lo crescer.
- “O medo paralisa”, na verdade o crente precisa ter temor, pois isso demonstra respeito, mas se surgir o medo, então a coragem poderá ser demonstrada, pois coragem se mostra diante do medo. O corajoso é aquele que age mesmo diante do medo.
- “Conte com a ajuda do Espírito Santo”, é exatamente o Espírito Santo que nos capacita com seus dons espirituais para a obra. Estando revestidos da armadura do Espírito Ef 6 podemos ter mais coragem para os desafios da liderança.

3. Apóstolo dos gentios (v.11).
- “Tem você também consciência da sua vocação e chamado?” essa pergunta deve ser feita à classe para cada um responder para si. Diga aos alunos que não sabem sua chamada, que isso se descobre mais cedo ou mais tarde na caminhada.
- “conservando “o modelo das sãs palavras””, Paulo exorta Timóteo a não se apartar da sua base doutrinária. Mantendo aquilo que aprendeu. Um problema muito comum atualmente é o obreiro começar bem, com suas fortes convicções e começar a fazer concessões em suas ideologias.
da.
__________________________________
III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) 

1. O fortalecimento na graça (v.1).
- “ser forte, principalmente no aspecto espiritual”, ser forte pode compreender pelo menos três aspectos: físico, psicológico e espiritual. O aspecto físico corresponde à força física, o psicológico diz respeito à capacidade de aguentar as pressões psicológicas, a força no aspecto espiritual significa resistir as investidas de Satanás e o trabalho dele contra a igreja.
- “enfrentava desafios além de suas forças”, fale aos alunos que para enfrentar os desafios espirituais além das nossas forças, requer uma unção espiritual específica para a liderança. Assim todo líder deve fazer manutenção de sua vida espiritual.
- “fortificar-se “na graça que há em Cristo Jesus””, para o líder se fortalecer espiritualmente deve buscar a graça de Cristo e isso só se consegue com oração, jejum e consagração.
- “na força do seu poder”, ao que parece a ideia é que ninguém se julgue forte o bastante para deixar de buscar o poder de Deus em sua vida. Hoje há muitos crentes que não oram e não se consagram, porque as acham muito fortes ou por preguiça mesmo.

2. Soldado de Cristo (v.3).
- “um misto de alegrias e tristezas”, é o mesmo que dizer que ela tem altos e baixos, tem momentos bons e ruins, o bom líder deve saber lidar com os momentos bons e ruins. O crente imaturo ainda não aprendeu a lidar com algum desses momentos e alguns não sabem lidar com nenhum. O líder precisa ser maduro para estar firme nas alegrias e nas tristezas.
- “aceitam tomar a cruz (Mt 16.24), renunciando a si mesmos”, a única forma de tomar a cruz é renunciando a si mesmo, pois o crente que não renuncia a si mesmo, não poderá lutar pelo Reino de Deus. Chegará um momento em que estará lutando por si só e deixando o Reino de lado.
- “que o servo de Deus se fortalece e acumula experiências”, Deus não quer que Seus filhos sejam acomodados, preguiçosos e sem capacidade, por isso para que eles aprendam a ser lutadores é necessário estarem em treinamento, e as batalhas são os melhores ambientes para esse ensinamento.

3. O lavrador (v.6).
- “Depois, precisa regar, adubar”, deixe claro aos alunos que se trata de uma metáfora do Reino de Deus, onde a semente é a Palavra de Deus e a terra são os corações que receberão a mensagem.
- “Muitos querem colher sem esforço ou onde não plantaram”, pode ser usado como exemplo aqueles líderes que não vão no mundo buscar almas, mas se esforçam em anunciar aos crentes, a fim de levar ovelhas de outros líderes para a sua igreja ou grupo.
- “Dono da “lavoura””, o Dono da lavoura represento o Senhor que recompensa seus servos, por isso aparece com letra maiúscula.
- “quem primeiro deve gozar dos frutos”, nessa parte da metáfora parece se referir ao sustento dos obreiros, pois sabemos Paulo já havia deixado claro que o obreiro faz jus ao seu salário. 1 Tm 5.18
_____________________________________
CONCLUSÃO
- “não perdeu sua esperança e fé”, porém sua esperança e fé não era ser liberto da prisão e sim alcançar a coroa da vitória e deixar um bom legado para Timóteo.
- “Seja você também um intercessor e incentivador”, o Reino de Deus precisa de líderes que sejam incentivadores e não desanimadores. Há líderes que ajudam a colocar os liderados mais para baixo do que estão.

Marcos André – professor

Boa Aula!

- Esse esboço é gratuito, porém se alguém desejar ofertar para essa obra, fique a vontade, é só clicar aqui!
- Se alguém quiser acrescentar algo interessante ao esboço, mande para licks1996@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.