quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio para a Lição 10 - Revista da Editora Betel


AULA EM 06 DE DEZEMBRO DE 2015 – LIÇÃO 10
(Revista: Editora Betel)

Tema: Jesus Renova as Esperanças de João Batista

Texto Áureo: Isaias 59.19
  
INTRODUÇÃO
- Querido(a) professor(a), nesta lição apresente João Batista como um modelo de servo de Deus para todos os crentes hoje.
- “incredulidade, pela dúvida e pelo medo”, esses elementos caracterizam a ausência de fé, a fé impulsiona o crente a fazer coisas sobrenaturais.
- “todos nós podemos oscilar”, oscilar significa variar, quer dizer que não existe ninguém perfeito, ninguém acima das fraquezas espirituais, todos estamos sujeitos a passar momentos de dúvidas. É possível que a realidade de João Batista naquele momento tenha colaborado para que ele fraquejasse na sua fé.
__________________________________________
1. João Batista, preparador de caminhos
- “verdade pregada por João o levou para a prisão”, João apontou o erro gritante de Herodes que se casou com a mulher de seu irmão Lc 3.19,20. Todos sabiam das perversões de Herodes, mas ninguém tinha coragem de falar.

1.1. João Batista, um profeta anunciado.
- “missão de preparar o caminho do Senhor”, João começa a pregar uma mensagem que seria o cerne do Evangelho, o arrependimento e a salvação da alma através do Messias.
- “para depois sair de cena”, ele não deveria competir em popularidade com o Senhor Jesus, se é que fosse possível.
- “viveu e morreu somente para esse fim”, essa é na verdade, a missão de todo crente, anunciar a Jesus e permitir que Ele esteja no local de destaque sempre, porém sabemos há muitos que embora não declarem, estão se promovendo mais do que a Jesus.
- “responsabilidade profética”, a de anunciar o Salvador, note que João não opera sinais, não cura e não faz profecias de grande vulto. Ele tinha uma missão impar, anunciar a vinda do Messias para aqueles que o veriam.

1.2. A mensagem profética de João.
- “Durante quatrocentos anos, a voz profética esteve interrompida”, se refere ao período conhecido como interbíblico. Foi o período em que o Senhor não falou pela boca dos profetas, ou seja, não foi enviado nenhum profeta da parte de Deus.
- “era dura e denunciava intrepidamente o mal”, João pregava arrependimento e para isso precisava denunciar o pecado do povo e das autoridades. Ele não pregava para atrair multidões, mas para purificá-la e prepará-la para receber o dono da mensagem.

1.3. A humildade de João Batista.
- “Ele anunciava alguém maior que ele”, quer dizer que ele estava consciente que teria de sair de cena para que Jesus se tonasse o foco.
- “uma grande reputação”, reputação é a imagem que as pessoas fazem de nós. Sabemos que a reputação de João era conhecida pelo fato de o povo ir até ele no deserto.
- “não era digno sequer de desatar as sandálias”, com essa afirmação João estava declarando ao povo que não era mais um profeta que ele estava anunciando, mas alguém acima de qualquer profeta que já existiu.
- “um sinal indicador do caminho para Deus”, João era o que todo crente deve ser, aquele que mostra onde esta o caminho para o Pai.
_____________________________________________
2. A prisão de João Batista
- “para ter a certeza de que não lutou em vão”, note que João não perdeu a fé e nem a esperança em Deus, ele apenas teve dúvida se aquele Jesus de fato era o Cristo.

2.1. A incrédula pergunta de João.
- “que tira os pecados do mundo”, naquele momento João estava declarando abertamente que Jesus era o cordeiro prometido, o Messias profetizado por Isaias.
- “não batizar o Messias errado”, convém lembrar que não havia um batismo especial para o Messias, o próprio João declara que não precisaria batizar o Messias, muito pelo contrário ele é que necessitava de ser batizado pelo Mestre. O sinal era apenas para que João conhecesse o Messias e nada mais.
- “profunda escuridão que se apossava da alma de João”, qualquer crente que não vigiar, pode acabar com dúvidas em sua mente, por isso precisamos estar sempre com a nossa vida devocional em dia, orando e meditando na Palavra.

2.2. A poderosa resposta de Jesus.
- “não forneceu resposta direta”, Jesus não tentou comprovar por meio de argumentos. Esse estilo deve ser imitado pelos crentes, não precisamos provar por meio de argumentos que somos servos de Deus de verdade, devemos mostrar os frutos.
- “informa-lo acerca de tudo”, Jesus sabia que João Batista conhecia as profecias acerca Dele e por isso o convidou a observar os fatos.
- “A resposta de Jesus foi sobrenatural”, quer dizer que Jesus apresentou coisas sobrenaturais como resposta.

2.3. Heranças do pecado adâmico.
- “O Medo pode gerar dúvida”, professor(a), não sei se há suporte para essa afirmação, pois o que parece mais lógico é que a dúvida gera o medo.
- “certeza de que não havia apresentado ao mundo um homem errado”, isso porque foi João quem indicou o salvador do mundo.
- Uma outra tese interessante para a dúvida de João, foi a de que ele talvez estivesse esperando um ministério e de maior vulto do que o que ele estava ouvindo da prisão. Por isso Jesus teria respondido daquela forma, apresentando grandes milagres e maravilhas. NA VERDADE CARO PROFESSOR(A), ESTA TESE PARECE TER BEM MAIS LÓGICA DO QUE A AFIRMAÇÃO APRESENTADA DE QUE JOÃO TENHA DUVIDADO POR MEDO OU RECEIO DA MORTE.  
________________________________________
3. Renovando nossas convicções
- “para que o inimigo bombardeie a mente com pensamentos”, o inimigo não tem acesso ao cérebro de alguém para colocar os pensamentos lá, mas ele pode sugestionar por meio de palavras ditas pelo incautos e aquele que se deixam levar pelas coisas de Satanás. 

3.1. Lutando contra a esperança.
- “abalar os alicerces de nossas vidas”, esses alicerces são as certezas que temos na nossa vida espiritual.
- “plantar uma semente de dúvida”, note que era exatamente isso que ele estava tentando fazer com Jesus no deserto em Mt 4, estava lançando dúvidas sobre a divindade de Jesus com o desafio: “se tu és o Filho de Deus...”
- “ele não respeita pessoas ou lugares santos”, quer dizer que pode haver tentação satânica até mesmo dentro das igrejas.

3.2. O cumprimento de uma missão.
- “poderá envolver sofrimento e morte”, no caso quanto maior for o impacto dessa missão, maior será o preço a ser pago. Alguns sofreram e foram restaurados como Jó e outros sofreram e depois morreram como Isaias.
- “pode ser uma missão suicida”, missão onde se está disposto a morrer para cumprir o seu objetivo.

3.3. Um Deus que nos conhece.
- “ficar prostrados pensando que tudo acabou”, esse é um quadro de depressão onde a pessoa perde as esperanças e se entregam ao desânimo e medo. Esse tipo de depressão acomete alguns crentes que tem perdido a sua fé.
- “compra uma mercadoria sem saber seu conteúdo”, uma linguagem um pouco estranha, mas é tirada do texto de 1 Co 7.23 que diz: “Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens”
- “nos coloquemos de pé e caminhemos em Sua direção”, isso representa a maturidade cristã, onde o crente não alimenta dúvidas apenas caminha na direção do alvo que é Cristo.
_____________________________________
CONCLUSÃO
- “João recorreu ao fabricante”, se referindo ao fato de ele mandar seus discípulos procurarem a Jesus.
- “reclamou sua garantia”, a garantia de ser ele o Filho de Deus.
- Faça o resumo e passe os pontos mais importantes.

Marcos André – professor

Boa Aula!

3 comentários:

  1. Seu conteúdo tem alimentado muitas almas, Deus continue usando você.
    Muito obrigado!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém Matheus, obrigado por esse reconhecimento quero poder ajudar sempre.
      Graça e paz e saúde para sua casa.

      Excluir
  2. João pediu aos discípulos ir ate Jesus não porque tinha duvida a respeito dele(mt 3.13,14,15 e jo 1.32 a 37),mas porque os seus discípulos(de joão,que ainda o seguiam) precisavam saber que deveriam ser discípulos de Cristo.

    Marivaldo

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.