sábado, 16 de janeiro de 2016

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 3 - Revista da Central Gospel


AULA EM___DE______DE 2016 – LIÇÃO 3
(Revista: Central Gospel - nº 45)

Tema: JÓ – DRAMA POÉTICO DE SOFRIMENTO E FÉ

Texto Áureo: Jó 1.22
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), nesta lição apresente a poesia do livro de Jó, não deixe de analisar o propósito do livro no tópico 1.4, parece que ficou um pouco vago, mas nós apresentamos um propósito interessante aqui no nosso esboço.
- “aproximam-se do Senhor”, os que se aproximam de Deus alcançam sucesso, superam suas adversidades e dão a volta por cima, uns demoram mais outros menos, mas sempre há vitória para os que estão perto de Deus.
- “a perder a esperança”, é no momento da perda da esperança que ocorrem os suicídios, porém muitos dos que se afastam de Deus se entregam aos vícios. – “mas saiu do outro lado do vale de aflição”, a história de Jó é o exemplo de superação pela mão do Senhor.
_______________________________________________
1. CONTEXTO DO LIVRO DE JÓ
- “registro do livro de Jó não é histórico”, algo que não ocorreu de verdade, apenas uma composição literária fictícia.
- “filosófico-religiosa”, que trás ideias filosóficas num contexto religioso.
- “o antigo Oriente”, a região Ásia oriental na época dos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó.
- “pano de fundo”, é o contexto onde está inserida a obra. O período patriarcal é o pano de fundo do livro de Jó.

1.1. Local em que foi escrito
- “forte natureza aramaica”, o Aramaico é uma língua bem mais antiga que o Hebraico, era a língua falada pela família de Abraão.
- “centro aramaico de erudição”, seria uma espécie de centro de estudos ou alguma cidade onde se reunia os sábios.
- “exame geográfico”, seria a análise de fatos e expressões dentro do livro de Jó comparando com escritos de outras épocas e regiões para saber o local de onde surgiu a obra.

1.2. Autoria
- “não nos permite asseverar que Jô a tenha redigido”, o texto está narrado em terceira pessoa, começa a narrativa assim: “Havia um homem na terra de UZ...” abre em terceira pessoa, como se alguém contasse a história.
- “afirmar que Moisés escreveu”, essa afirmação é devida ao fato de Moisés ser um dos poucos hebreus (senão o único) a dominar a escrita em seu tempo.

1.3. Data
- “amplos limites”, isso porque as palavras dentro do texto não fazem referência a fatos conhecidos, como o cativeiro por exemplo.
- “aspectos do livro”, como as falas dos amigos de Jó, a forma de comunicar.
- “segundo milênio”, se refere ao período mencionado de 2000 a 1000 a.C.

1.4. Propósito
- “diálogos poéticos”, devido ele ter sido escrito em hebraico o texto não parece ter um teor poético, com os recursos da poesia que conhecemos, como a rima, jogo de palavras e trocadilhos. Quando é feita a tradução de uma poesia não se pode manter os recursos poéticos.
- “cita-o junto a Noé”, no caso a citação é de Deus escrita por Ezequiel em seu livro. Se Deus cita Jó juntamente com outros personagens reais então ele também foi real.
- “experiência do sofrimento humano”, pelo que é falado no versículo 5 de Jó 42, podemos entender que o livro de Jó mostra como é possível aprofundar mais a intimidade com Deus, ainda que sejamos servos fieis do Senhor.
 ________________________________                
2. ESTILO E ESTRUTURA DO LIVRO DE JÓ
- “um organização incomum”, esse livro apresenta uma narração histórica de abertura, série de debates, palavras do Senhor e conclusão.

2.1. Estilo
- “colóquios poéticos”, são conversações em forma de poesia.
- “formato descritivo”, quer dizer que os diálogos são descritivos da situação de Jó. Isso porque há maior interesse dos amigos de Jó em apresentar os motivos e não ajudar o amigo com as palavras. Por outro lado Jó procura apresentar sua defesa e seu lamento.
- “toque ácido de ironia”, percebe-se pelas palavras dos amigos de Jó. Até mesmo o próprio Jó fala de maneira irônica em Jó 27.7-23 a ironia também é um estilo poético, que mesmo após a tradução do texto pode ser notada.
- “prólogo”, é a cena inicial de uma peça, no caso do livro de Jó é a parte em que há reuniões no céu, no capítulo 1 e 2.
- “epílogo”, é o desfecho da obra, as cenas finais.
- “poema autônomo”, quer dizer que o livro de Jó é um poema num contexto único, que não está relacionado com qualquer outra poesia ou livro da Bíblia.
- “drama judicial”, drama sobre a questão da culpa, por isso é chamado de drama judicial. Os amigos acusavam Jó de culpa e este se defendia das acusações deles.
- “teodiceia”, é o conjunto de argumentos que tentam defender a crença na bondade de Deus no mundo dominado pela maldade.

2.2. Estrutura de Jó
- “rupturas estruturais”, também chamadas de quebras, onde o estilo muda completamente, exemplo: do capítulo 2 para o 3 muda completamente, no capítulo 2 fala de fatos e no capítulo 3 começa as palavras de Jó, isso é uma mudança brusca, uma ruptura estrutural.
________________________________________
3. TEMA PRINCIPAL DO LIVRO DE JÓ
- ...

3.1. Contexto inicial
- “fornecem o pano de fundo”, se refere à sequência de desgraça que ocorre na vida de Jó.
- “aposta feita entre eles”, Deus acreditou em Jó, enquanto o inimigo acreditava que Jó blasfemaria contra Deus. Deus sabia que Jó jamais blasfemaria. Satanás perdeu a aposta e os cristãos no mundo inteiro ganharam um exemplo de fé e paciência para suas lutas.

3.2. Mensagem
- “Philip Yancey”, é um escritor e jornalista cristão dos Estados Unidos.
- “seu tema central é a fé”, o livro apresenta a fé de Jó e também a fé estereotipada de seus amigos.
- “não era circunstancial”, não estava vinculada às circunstâncias, existem pessoas que estão bem com Deus enquanto não ocorre uma adversidade.

3.2.1. Atitudes e declarações do patriarca
- “sua fé fosse burilada”, burilar significa aperfeiçoar, quer dizer que a fé de Jó seria aperfeiçoada por uma experiência marcante em sua vida.
- “época da escrita do livro”, ou seja, a época patriarcal.
- “soberania do Senhor”, é um atributo divino que declara que o Senhor faz o que lhe apraz, sem precisar dar satisfação a ninguém.
- “percebia a ação divina”, ele atribui tudo a Deus, sabia que Deus estava no controle da situação, embora não entendesse o porque daquilo estava acontecendo.
______________________________________
CONCLUSÃO
- “sua esperança estava sendo aperfeiçoada”, Jó declara sua esperança no redentor Jó 19.25
- “nesse momento que mais necessitamos dela”, a fé é exatamente para os momentos de aflição, quando as coisas parecem estar fora de controle. Muitos conservam a sanidade e se mantém na luta por terem fé.
- “aparentemente despropositado”, aparentemente sem propósito.
- Corrija o questionário e faça o seu resumo.

Boa aula!

Marcos André – professor

Um comentário:

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.