sábado, 21 de maio de 2016

ESCOLA DOMINICAL BETEL ESBOÇO - Subsídio da Lição 8 - Revista Betel



AULA EM 22 DE MAIO DE 2016 – LIÇÃO 8
(Revista: Editora Betel)

Tema: Desprezando Ofensas Através da Longanimidade

Texto Áureo: Efésios 4.1
  
INTRODUÇÃO
- Querido(a) professor(a), nesta lição estamos entrando numa nova seção, veja se consegue separar situações reais para passar aos alunos, um exemplo é sempre instrutivo.
- “características que envolvem posicionamentos”, quer dizer que a pessoa deve assumir uma posição, uma postura e para isso ocorre uma luta interna.
- “contrários à nossa personalidade”, a personalidade é constituída do temperamento e do caráter e essas características estão ligadas ao temperamento da pessoa, na verdade são difíceis de serem adquiridas, mas não são impossíveis. Alguns psicólogos afirmam que o temperamento não muda durante a vida do individuo.
__________________________________________
1. Resistindo ao nosso ego
- “esta nova seção do fruto”, essa composta das três características mencionadas na introdução: longanimidade, benignidade e bondade.
- “em algum momento, ferir o nosso ego”, isso porque fazem parte da personalidade que é o ego e para mexer nelas estaremos mexendo no ego das pessoas, e esse é um campo perigoso.

1.1. Desenvolvendo a longanimidade.
* Aqui mostra o resultado do desenvolvimento da longanimidade no servo de Deus, ele também se torna paciente, animado e perseverante.
- “que desenvolvem a longanimidade”, a etimologia da palavra longanimidade é definida como a junção de duas palavras “longo+ânimo” aquele que tem ânimo longo, ou seja, a capacidade de esperar, de ser paciente e até de ser calmo.
- “paciência e a perseverança”, dessa forma os que possuem o fruto do Espírito são pacientes e perseverantes.
- “de prosseguir em direção ao seu objetivo”, como a longanimidade está associada ao ânimo da pessoa, ela se mantém animada, diante do desânimo dos outros.
- “capacidade de desprezar as ofensas”, muitas pessoas que se envolvem numa tarefa, até mesmo na obra de Deus, às vezes param diante de palavras contrárias e ofensivas, porque ainda não adquiriram o fruto do Espírito Santo.

1.2. A Bênção da longanimidade.
* Aqui é demonstrado como o crente pode conseguir prosperar na vida social, conseguindo conviver com as pessoas.
- “oportunidades de crescimento social rápido e ilícito”, atualmente o mundo anda em correria constante e dessa forma as pessoas se tornam imediatista, diante disso as pessoas se corrompem facilmente.
- “plena certeza de que será abençoado”, essa plena certeza é a fé que é também uma característica do fruto do Espírito. Assim o salvo tem a fé de que terá sua recompensa por permanecer firma na fidelidade.
- “oportunidade de conviver em qualquer ambiente”, todos gostam de lidar com as pessoas paciente que geralmente também são calmas. Algumas pessoas explosivas e que não tem paciência com nada, encontra muitas portas fechadas.
Essa capacidade pode ajudar a pessoa numa empresa, a conseguir promoções e oportunidades.

1.3. A longanimidade produz a credibilidade.
* Mostra como a pessoa longânime é visto pela igreja, como isso afeta a sua imagem diante das pessoas.
- “uma defesa para o indivíduo”, significa que a pessoa longânime é livre de muitos problemas que vem da falta de paciência e de perseverança.
- “desejo incontido de interceder”, obviamente esse é um desejo que vem do Espírito Santo e não necessariamente da longanimidade.
- “deve orar o tempo todo uns pelos outros”, Paulo sabia pela sabedoria divina que a oração uns pelos outros manteria o povo de Deus unido e nestes últimos dias esse é um dos maiores problemas que a Igreja de Cristo tem encontrado.
- “este se destaca nesta função”, é fácil identificar isso nas igrejas, pessoa que não se irrita fácil demonstra ter o fruto do Espírito e o povo percebe.
- “postura que dá credibilidade à sua oração”, as pessoas dão crédito e passam a contar mais com esses que são longânimes.
_____________________________________________
2.  O verdadeiro exemplo de longanimidade

2.1. Longanimidade é amar sem ser amado.
* Mostra como Jesus resistiu não ser amado pelos seus, indo até o fim na Sua devendo nós também resistir.
- “se entregou ao sofrimento por amor”, um amor que não existe na terra, pois ninguém na terra aceitaria sofrer daquele jeito que ele sofreu por aqueles que nem se quer o conhecia.
- “uma das exigências que nos é imposta pela Palavra de Deus”, devemos cumprir as imposições da Palavra de Deus, não pela obrigatoriedade, mas pela dívida de amor que temos com Jesus, essa é uma dívida na consciência.
- “deveremos suportar uns aos outros”, ainda que a pessoa tenha hábitos que não gostamos e tome atitudes que nos prejudicam devemos assim suportar. E muitas pessoas quando passamos a conhecer mais na intimidade notamos que são pessoas excelentes.
- “Amar sem ser amado”, fui isso o que aconteceu com Jesus, amou seu povo, mas foi rejeitado por ele. Nós passamos por isso também, e assim como Cristo suportou, devemos suportar também o peso da caminhada.

2.2. Ser longânime garante salvação.
* Mostra que ter longanimidade nos garante a salvação no meio dos ensinamentos da mídia mundana.
- “se a recíproca não acontece”, recíproca é a mesma resposta, ou seja, se alguém ama, a recíproca é ser amada, se alguém ajuda, a recíproca é ser ajudada. Aqui está se questionando o porque de termos de amar se não ocorre a recíproca, isto é, se não somos amados.
- “longanimidade de Cristo é mostrada de maneira mais enfática”, nós somos a referência de Jesus nesse mundo, as pessoas nos observam e esperam ver qualidades em nós semelhantes as de Jesus.
- “Não interessa o que está sendo apresentado”, o conjunto da mídia passa mensagens egocêntricas que influenciam as pessoas a não se doarem em prol das outras. Mas aqueles que tem o fruto do Espírito não são influenciados por esse sistema mundano egocêntrico.
2.3. A longanimidade opera a paciência.
* Mostra como a paciência deve ser a característica principal daquele que é longânime e como isso ajuda no relacionamento com os outros.
- “cristão imaturo”, é o cristão que não possui conhecimento e nem experiência.
- “através do exercício da paciência”, a paciência é a capacidade de esperar sem tomar decisões precipitadas e nem se desesperar.
- “que o entendimento daqueles que não compreendem”, ser longânime nos ajuda a ter paciência também com as pessoas a nossa volta.
- “devemos ser recomendáveis em tudo”, quer dizer que precisamos ter um certo reconhecimento diante das pessoas nessa área da longanimidade. Existem crentes que ao perguntarmos sobre eles, os irmãos não os recomendam.
- “temos que exercitá-la para com os outros”, não adianta termos o fruto do Espírito se não compartilhar os benefícios com os irmãos.
________________________________________
3. Lições práticas
- “não temos nenhum mérito a mais do que o outro”, isso é ter paciência com as pessoas, sabendo que elas podem melhorar e que também Deus tem paciência para conosco.

3.1. Longanimidade é controlar impulsos.
* Esse tópico mostra a importância prática de manter a calma, de termos paciência com as pessoas.
- “ter o espírito controlado por longo tempo”, não perder o controle do ânimo, não se desesperar.
- “compreender o limite dos outros membros”, saber quando ou que palavras as pessoas consideram como ofensa, ou que brincadeiras elas não aceitam, pois nem todos são iguais.
- “que se ira facilmente sempre sai perdendo”, infelizmente no mundo em que vivemos, alguns pagam até com a vida, no trânsito, nas lojas, nas ruas. As pessoas andam sem paciência umas com as outras.
3.2. O bom evangelista tem que ser longânime.
* Aqui mostra como a paciência na prática auxilia a pregação do evangelho.
- “tomar em relação à pregação da Palavra”, dessa forma o conselho de Paulo é útil para todos os níveis, pois todos estamos envolvidos com a pregação da Palavra de Deus.
- “devemos nos posicionar com longanimidade”, muitas vezes no trato com os ímpios, corremos o risco de perder a paciência e falar ou fazer coisas que desagradam e dessa forma atrapalhar o anúncio da mensagem.
- “outras que necessitam de algum tempo”, elas geralmente ficam observando nossas atitudes e são convencidas pelo agir de Deus em nos.

3.3. Aprendendo a ser longânime.
- “uma característica que lhe é peculiar”, uma característica que está sempre associada a ele que é essa, esperar ser compreendido por todos.
- “como este espera ser compreendido”, geralmente as pessoas esperam mais serem compreendidas do que compreenderem.

CONCLUSÃO
- “fará com que venhamos a nos sentir muito melhor”, precisamos colocar em prática essa característica do fruto do Espírito, pois a pregação da mensagem do Evangelho será beneficiada com crentes que vivem em união e trabalhando juntos.
- Faça o resumo e corrija o questionário.

QUESTIONÁRIO

Os patriarcas e o Cristo descendiam de que povo?
Os patriarcas e o próprio Cristo descendiam dos judeus.

As promessas de Deus em relação a Israel falharam com a rejeição deles?
As promessas de Deus relativas à nação de Israel não falharam, mesmo que a maioria deles as tenha rejeitado.

Segundo a lição, por que Israel foi endurecido?
Israel foi endurecido porque não aceitou a justificação que lhe foi dada através de Jesus Cristo.

Paulo se considerava um dos remanescentes?
Sim, ele se considerava um dos remanescentes.

Como os gentios passaram a fazer parte do plano da salvação?
Como os judeus tropeçaram ao não aceitarem a justiça de Deus manifestada em Jesus Cristo, os gentios entraram como um “enxerto” no plano da salvação.

Marcos André – professor

Boa Aula!

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO!

2 comentários:

  1. A paz do Senhor pastor Marcoos, que Deus o abençoe cada dia meus conhecimentos se enriquecem com seus esboços, minha aula hoje foi super produtiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, obrigado irmã Lucia Helena, Deus tem nos agraciado com a Palavra pra enriquecimento das aulas.

      Paz de Jesus.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.