sábado, 4 de junho de 2016

ESCOLA DOMINICAL CENTRAL GOSPEL ESBOÇO - Subsídio da Lição 11 - Revista Central Gospel


AULA EM___DE______DE 2016 – LIÇÃO 11
(Revista: Central Gospel - nº 46)

Tema: OS SÍMBOLOS DA NOVA ALIANÇA

Texto Áureo: 1 Co 13.11
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), para esta lição se aprofunde no significado do batismo e da Santa Ceia, será útil.
- “compreensões mais densas”, significa que antes o entendimento dos elementos da Nova Aliança era feito por símbolos e por isso a compreensão não era plena, mas agora é possível entender amplamente esses elementos, são elementos da Nova Aliança, a graça, a salvação, o habitar do Espírito Santo no homem, etc.
_______________________________________________
1. DEFINIÇÃO DE TERMOS
- “alguns conceitos”, nem sempre o que entendemos de alguns termos bíblicos é o que o autor queria passar na época em que foi escrito.
- “coletivas e pessoais”, as convicções coletivas são aquelas nas quais um grupo acredita, e as pessoas são as que nós temos independente do grupo.
- “transmitir, de forma clara”, alguns ensinamentos não são bem compreendidos pelo simples explicar, mas quando se usa símbolos esclarece o entendimento.
__________________________________________
2. NOVAS REALIDADES E NOVAS CONVICÇÕES
- “novas realidades”, são as novas realidades do homem em relação a Deus, diferente do que era na Antiga Aliança.

2.1. Mortos em delitos e pecados, renascemos para uma nova vida.
- “está sob o controle do Espírito de Deus”, por mais que Nicodemos fosse religioso ele não conseguiria entender como Deus poderia ter filhos espirituais de pessoas pecadoras, por isso Jesus usa a metáfora no novo nascimento.  

2.2. O Espírito Santo habita naqueles que recebem o Filho de Deus
- “apenas visitava os homens”, entrando em seu interior, tendo momentos de comunhão com a criatura. Isso era feito para que os homens realizassem obras específicas.

2.3. Jesus fez-nos geração eleita, sacerdócio real, nação santa e povo adquirido
- “templos do Espírito Santo”, na Nova Aliança cada pessoa é tida por Deus como uma autoridade no Seu Reino, somos classificados como príncipes, sacerdotes, embaixadores, porta-vozes, etc.

3. NOVOS SÍMBOLOS, NOVAS PRÁTICAS
- “novas práticas”, se refere as práticas rituais que agradam a Deus, pois no Antigo Testamento eram umas e agora são outras.
- “precisam ser adotadas como práticas”, se essas ordenanças não forem observadas a pessoa corre o risco de perder a salvação.

3.1. O batismo
- “imergir, submergir”, há contradições nos grupos religiosos acerca do batismo, se ele é por imersão ou aspersão (espirro de água sobre a pessoa), essas dúvidas não alteram o significado e propósito do batismo.
- “ressurreição para uma nova vida”, deve-se entender que isso é um simbolismo e que não corre de forma instantânea na pessoa, significa que ela não passa a ser uma nova criatura no momento do batismo, isso é um processo que iniciou no momento em que a pessoa creu e aceitou o sacrifício na cruz.

3.1.1. Os objetivos do batismo
 - “profissão de fé pública”, significa professar publicamente a sua fé. Aquele que não se batiza tendo a oportunidade para isso está negando a Deus diante dos homens.

3.2. A ceia do Senhor
- “apresentam pontos coincidentes”, quer dizer que as narrativas não são iguais, pois são feitas por homens inspirados, porém os pontos mais importantes são iguais em todas as narrativas e por isso possuem apenas um significado.

3.2.1. Os objetivos da ceia
- “memorial ordenado por Jesus”, significa que a ceia é para fazer memória, para que as pessoas não se esqueçam do que Ele fez e quem Ele é. Banalizar esse memorial, não dando importância a ele é comer indignamente.
______________________________________
CONCLUSÃO
- “novo e superior concerto”, ele é visto dessa forma, por poder regenerar as pessoas, dando a elas o poder de serem filhos de Deus.
- Faça o seu resumo e exponha à classe.
- Corrija o questionário.

Boa aula!

Marcos André – professor

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO!

2 comentários:

  1. Paz meu Irmão, seu esboço se faz mui importante para esclarecimento e manter a fidelidade da aplicação da aula, porém uma questão me deixou incomodado...
    segue:
    - “precisam ser adotadas como práticas”, se essas ordenanças não forem observadas a pessoa corre o risco de perder a salvação.
    Aprendemos que a salvação não é por obras e sim o dom de Deus, cabendo somente a Ele a capacidade de salvar aquele que por fé aceita a Cristo sendo o único Salvador,portanto se Deus é o responsável pelo ato salvívico, as condições de perca não estão vinculadas as nossas ações.
    abs
    Paz do Eterno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu querido irmão, se as condições de perda da salvação não forem vinculadas as nossas ações, então aqueles que se julgarem salvos poderão fazer o que quiserem e dessa forma o evangelho não poderia promover mudança de vida. Nossas ações sempre terão consequências, e a salvação será mantida por aqueles que perseverarem até o fim, Ap 3.11.
      A ideia de que a condição de salvação não possa ser modificada por ações que independem da vontade de Deus é perniciosa e relega Deus a um status semelhante aos deuses da mitologia criados pela mente humana, deuses que fazem acepção de pessoas.
      Se Deus exercesse a plena decisão sobre quem deve ser salvo ou não, Jesus teria morrido apenas para alguns, considerando que alguns já estariam predestinados ao inferno.
      Dessa forma entendemos que Deus respeita nossas decisões! E que Jesus morreu por todos nós.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.