sábado, 6 de agosto de 2016

ESCOLA DOMINICAL CENTRAL GOSPEL - Subsídio da Lição 6 - Revista Central Gospel


AULA EM___DE______DE 2016 – LIÇÃO 6
(Revista: Central Gospel - nº 47)

Tema: ALIENAÇÃO OU MILITÂNCIA POLÍTICA

Texto Áureo: Romanos 29.2
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), para esta lição estude um pouco da história e das opiniões de pastores sobre a Igreja e a política, não é difícil de achar esses conteúdos na Internet.
 - “práticas completamente avessas”, são práticas contrárias à moral cristã, como, por exemplo, a distribuição de camisinhas nas escolas ou de cartilhas para orientação de escolha de gênero.
- “fazendo uso de cargos e recursos públicos”, usando o dinheiro do contribuinte para manter essas decisões.
_______________________________________________
1. POLÍTICA E RELIGIÃO SE MISTURAM?
- “sem prejuízo de uma das partes?”, houve um tempo em que essa pergunte tinha uma pronta resposta negativa, porém agora há muita dúvida nas igrejas.  
- “de que modo Jesus e a Igreja responderam”, vamos tirar o exemplo da Palavra de Deus para respondermos adequadamente.

1.1. A política nos tempos de Jesus
- “Poucos cristãos ocidentais”, são os cristãos do ocidente, Europa e Américas.
- “não tinham direitos civis na Palestina”, embora Roma deixasse eles terem rei e manterem a religião local, tudo era controlado pelo império, até mesmo o Sumo sacerdote era colocado no cargo pelos romanos.
- “injustiças legalizadas”, eram as injustiças previstas em leis.

1.1.1. O entendimento e a resposta do Mestre
- “um reino de sacerdotes”, aqueles que intercederiam pelo povo diante de Deus.
- “desprovido de preocupação”, alguns crentes não se envolvem nas questões políticas, porque, na verdade, não estão preocupados com a situação do povo, da comunidade e do país.
- “Sua grande empatia”, é a capacidade de se colocar no lugar do outro para compreender suas dificuldades.
- “Seu Reino não é desse mundo”, essa consideração dá uma resposta acerca da política.

1.2. A Igreja primitiva diante da força política
- “associada ao judaísmo”, isso foi enquanto a Igreja estava situada em Jerusalém.
- “religião considerada lícita”, a religião que o império permitia existir desde que sob seu controle.
- “dividir a obediência de seus súditos”, os cristãos não causavam nenhum dano ao império, não visava rebeliões e nem deixavam de pagar os impostos, mas o que incomodou foi de serem seguidores de Cristo e não aceitarem a divindade do imperador.
- “onze intensas perseguições”, se referem aos períodos em que os imperadores resolveram persegui-la, até o tempo do imperador Constantino.

1.3. Ação política da Igreja na era medieval
 - “eles permitiram as peregrinações”, ainda não estavam convertidos ao islamismo, por isso havia mais tolerância para com os cristãos.
- “as Cruzadas”, acreditavam que era uma missão dada por Deus, por isso chamavam de guerra santa.
- “vitórias civis e militares”, os cruzados promoveram grande mortandade de muçulmanos.
- “as Cruzadas fracassaram”, a Terra Santa permaneceu sob o domínio muçulmano até a primeira metade do século XX.


1.4. Ações políticas empreendidas pela Igreja na Idade Moderna
- “mais poderosa no decorrer da Idade Média”, podemos aprender aqui que quando a Igreja se aliou ao estado, não deu certo, ela se corrompeu se tornando apenas mais uma igreja.
- “sistema feudal”, era o sistema econômico onde as áreas eram divididas em feudos e o senhor feudal era a maior autoridade.
- “arrecadar altas somas de dinheiro”, nessa ocasião foi construída a basílica de São Pedro no Vaticano.
- “os reformadores”, os principais foram Martinho Lutero, João Calvino, John Knox, Guilherme Farel e outros.
__________________________________________
2. APOLITISMO OU ATIVISMO CORPORATIVISTA
- “parecem fazer parte do nosso cotidiano”, a corrupção abrange todas as áreas do nosso país, vai desde o político que rouba milhões até o empregado de uma empresa que se apropria de material ilicitamente.
- “um ponto de equilíbrio”, alguns pastores usam a sua influencia para vender votos dos membros e outros não ensinam aos membros a verdade, talvez porque nem saibam qual é a verdade.

2.1. O posicionamento cristão ideal
- “a Igreja não está separada da sociedade”, sendo a política a arte ou ciência da organização, direção e administração do estado e a sociedade é a estrutura desse estado, então a Igreja está de certa forma ligada a política.
- “por meio de atividade política”, é um fato que se tivermos no congresso federal homens de Deus algumas leis que ferem a família, o menor, a moral e outros valores bíblicos não serão aprovadas. O erro é governar buscando facilidades para as denominações evangélicas e seus líderes, o nome disso ainda se chama favorecimento ilícito, prevaricação, improbidade administrativa e corrupção.

2.2. O que as escrituras dizem
- ...
______________________________________
CONCLUSÃO
- “dia em que nossa fé toca nossa cidadania”, quando votamos, por exemplo, é um dia assim em que a nossa fé nos auxilia no exercício da cidadania e também na resposta às propostas de políticos que visam destruir os valores morais da sociedade.
- “tornar o discurso bíblico de resistência ao pecado conhecido”, é fazer a nossa vós ser ouvida na internet, nas redes sociais, nos blogs, na TV e rádio.
- Essa lição tenta colocar um ponto de equilíbrio entre o cristão e a política.
- Faça o seu resumo e exponha à classe.
- Corrija o questionário.

Boa aula!


Marcos André – professor

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

8 comentários:

  1. Seus esboços tem me ajudado muito ,a entender as lições.Deus abençoe sua vida amado irmão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém irmã Nilda, obrigado pelo reconhecimento. Deus abençoe você e toda a sua casa.

      Paz de Jesus.

      Excluir
  2. a igreja não devia se envolver com politica,pq nosso reino não é desse mundo,ha irmão mas jose foi governador,daniel da mesma forma.enfim,,,mas ali foi algo pra glorificar o nome de Deus,,e essa politica corrupta que estamos vendo hj em dia não há nada pra engrandecer a Deus e sim aos homens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Rogério, concordo contigo, a igreja não deve se envolver na política, se um irmão quiser se candidatar deve fazer sem levar a igreja para o seu palanque e sem levar o palanque para dentro da igreja. Acho que os líderes devem esclarecer os membros sem direcionar e nem pedir votos a eles.

      Obrigado pelo bom comentário.

      Excluir
    2. Concordo plenamente meu Pr. Marcos André com sua posição. Paz de Cristo!

      Excluir
    3. Obrigado irmão André, paz de Jesus meu amigo.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.