segunda-feira, 28 de novembro de 2016

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 10


A adoração em tempo integral

4 de dezembro de 2016




Texto Áureo

“Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” Rm 11.36

Verdade Aplicada

Adoração envolve tudo o que está no interior da pessoa e tudo o que está fora dela.

Textos de Referência.


Romanos 12.1-3
1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
3 Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.

Introdução

Percebe-se que há uma forte negligência na adoração verdadeira em muitas igrejas e, muito do que é feito em nome da adoração hoje, na realidade desonra a Jesus Cristo.

1. O conceito de adoração de Paulo.

O apóstolo Paulo faz uma forte declaração em Romanos 12.1-2 sobre o conceito de adoração em tempo integral. Essas suas palavras vêm depois do que possivelmente é a maior exposição de teologia de toda a Escritura.

1.1. Adoração como um novo estilo de vida.

A adoração é para a vida cristã o que a mola mestra é para um relógio, o que o motor é para um carro. A adoração é o núcleo, o elemento essencial. A adoração não pode ser isolada ou relegada a um único lugar, tempo ou segmento de nossa vida. Não podemos expressar em palavras todo o agradecimento e louvor a Deus enquanto levamos uma vida de egoísmo e carnalidade. Esse tipo de adoração acaba por revelar-se uma perversão. Atos verdadeiros de adoração devem ser o transbordamento de uma vida em adoração perpétua.

1.2. Adoração através de nosso relacionamento exterior.

A adoração pode ser refletida em nosso comportamento em relação aos outros. “Porque quem nisto serve a Cristo, agradável é a Deus e aceite aos homens.” (Rm 14.18). O que significa esta oferta agradável Deus? O contexto revela que é ser sensível ao irmão mais fraco (Rm 14.13). Quando tratamos os irmãos em Cristo com o tipo adequado de sensibilidade, isso é um ato aceitável de adoração. Esse ato honra ao Deus que criou essa pessoa e esse ato também reflete a compaixão e o cuidado de Deus. O evangelismo também é uma forma de adoração aceitável (Rm 15.16). Assim, a adoração pode ser expressa ao compartilhar o amor com irmãos em Cristo, pregar o Evangelho aos descrentes e atender as necessidades das pessoas num nível material. A adoração aceitável é dar. É um amor que compartilha (Fp 4.18).

1.3. Adoração através de nosso comportamento pessoal.

Efésios 5.8-10 diz: “Andai como filhos da luz (porque o fruto do Espírito está em toda bondade, e justiça, e verdade), aprovando o que é agradável ao Senhor”. A palavra agradável vem do grego e significa “aceitável”. Nesse contexto, refere-se à bondade, justiça e verdade, dizendo claramente que fazer o bem é um ato aceitável de adoração a Deus. Paulo, aconselhando a Timóteo (1Tm 2), exorta para que os cristãos orem pelas pessoas investidas de autoridade de modo que os cristãos possam ter vida tranquila e serena, em toda piedade e honestidade. Portanto compartilhar é um ato de adoração e esse é o efeito da adoração sobre os outros. Fazer o bem é igualmente um ato de adoração e esse é seu efeito em nossa vida.

2. A adoração como prioridade de vida.

Maria procurou sentar-se aos pés do Mestre em adoração. Resolveu priorizar a adoração em sua vida, escolheu a boa parte (Lc 10.41-42), o que não lhe seria tirada. A adoração de Maria teve significado eterno, enquanto a tarefa de Marta nada significou além daquela tarde especial.

2.1. O exemplo do culto de Abel.

Hebreus 11 contém uma lista de heróis da fé do Antigo Testamento e o primeiro deles é Abel. Ele foi um verdadeiro adorador. Sua adoração estava de acordo com a vontade de Deus e o plano de Deus. Sua oferta foi aceita por Deus. Isso é tudo o que sabemos sobre a vida dele. Esse adorador “depois de morto ainda fala” (Hb11.4). Vemos a grande diferença entre adoração de Abel e Caim. Ambos eram pecadores e reconheciam o direito de Deus à reverência e à adoração. Segundo a aparência exterior, sua religião era a mesma até certo ponto, mas o registro bíblico nos mostra que a diferença entre os dois era grande. Essa diferença estava na obediência de um e na desobediência do outro.

2.2. O exemplo da adoração de Enoque.

A segunda pessoa que Hebreus relaciona é Enoque. Ele adorava a Deus através de seu andar. Ele andou com Deus e viveu uma vida piedosa, fiel e dedicada. Um dia, ele andou da terra para o céu! (Gn 5.21-24). O nome Enoque significa “dedicado ou disciplinado”. Fiel ao significado do seu nome. Enoque dedicou-se a Deus e disciplinou-se no meio de uma geração corrompida e perversa (Fp 2.15). Andar com Deus significa ter um conhecimento cada vez mais íntimo dEle. Não se pode andar dignamente com Deus sem primeiro ter um verdadeiro conhecimento de quem Ele é e o que Ele deseja para nós (Cl 1.10).

2.3. O exemplo de adoração de Noé.

O terceiro citado na lista de adoradores é Noé. Quando pensamos em Noé, nos vem à mente a palavra “trabalho”. Ele adorou a Deus com seu trabalho. Neste trabalho, estava a sua fé e obediência. Passou 120 anos construindo a arca. Homem justo e íntegro. Noé recusou seguir o caminho do mundo. Ele foi muito atento à vontade de Deus. Quando Deus mandou fazer a arca. Noé obedeceu (Gn 6.22). Por esta fé obediente, ele é usado como exemplo ao longo da história bíblica (Hb 11.7).

3. A centralidade da adoração na Bíblia.

Desde o início (Gênesis) até a consumação (Apocalipse), a doutrina da adoração está entrelaçada na urdidura e na trama do texto bíblico (Dt 6.4-5; Mc 12.29-30).

3.1. A adoração no Antigo Testamento.

A adoração no Antigo Testamento devia ser uma preocupação contínua para o povo de Deus. O tabernáculo foi projetado para enfatizar a prioridade da adoração e exclusivamente para a adoração. Era o lugar onde Deus se encontrava com Seu povo. Usá-lo para qualquer outra coisa que não fosse adoração era considerado a mais rude blasfêmia. No tabernáculo não havia assentos. Eles não iam até lá com o objetivo de se entreterem. Eles iam ao tabernáculo para adorar a Deus e servir-lhe. Se precisassem se reunir para qualquer outro propósito, eles o faziam em outra parte.

3.2. O tabernáculo.

A organização do acampamento sugere que a adoração era central a toda a atividade. O tabernáculo se situava no centro do acampamento. Imediatamente a ele, ficavam os sacerdotes que lideravam a adoração. Um pouco mais adiante do tabernáculo se posicionavam os levitas, que estavam envolvidos no culto. Mais longe, ficavam dispostas as várias tribos, cada uma de frente para o centro, o lugar da adoração. Tudo isso nos ensina que quem usa a sua vida para qualquer outro propósito que não seja a adoração, independentemente de quão nobre possa ser esse propósito, é culpado de sério pecado.

3.3. A adoração no Novo Testamento.

No Novo Testamento, toda a pregação está voltada para a adoração. A pregação é um aspecto insubstituível de toda adoração coletiva (2Tm 4.2). Todo o culto deve girar em torno da Palavra. Tudo mais é ou preparatório ou é uma resposta à mensagem das Escrituras. Quando se permite que o teatro, a música, a comédia ou outras atividades usurpem o lugar da pregação da Palavra, a verdadeira adoração sofre inevitavelmente. Quando a pregação é submetida à pompa e à circunstância, isso também impede a verdadeira adoração. Um culto sem Palavra é de valor questionável. Além disso, uma “igreja” na qual a Palavra de Deus não é regular e fielmente pregada, não é uma verdadeira igreja.

Conclusão.

A adoração precisa ser compreendida como a somatória de tudo que fazemos. Nossas atitudes devem ser transformadas em atos de adoração a Deus. É necessário que compreendamos que nossa adoração é de tempo integral. Você nasceu para ser um adorador.

Questionário.
1. O que o apóstolo Paulo faz em Romanos 12.1-2?

2. Segundo a lição, o que é o evangelismo?

3. Quando Deus mandou fazer a arca, o que Noé fez?

4. No que a doutrina da adoração está entrelaçada?

5. DE acordo com a lição, o que é a pregação?
SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO!

4 comentários:

  1. Paz do Senhor, meu amigo pastor Marcos André, nascemos para adorar, nosso estilo de vida deve refletir a adoração, pois para isso o Senhor Deus nos deu o fôlego! Estudos abençoados nesse blog, tem me alimentado muito, extremamente, que Deus continue lhe usando neste Blog do CLUBE DA TEOLOGIA, meu amigo pastor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém abençoado, Deus abençoa a tua vida e a tua família, é bom poder contar com amigos como você. Continue sendo esse homem de Deus que você é.
      Abraços.

      Excluir
  2. Gloria a Deus pela vida do pastor Marcos André.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém profeta, estamos juntos.
      Deus abençoe tua família e teus negócios.
      Abraços.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.