terça-feira, 7 de março de 2017

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 11 - Revista CPAD - JOVENS


A Igreja e a política
12 de Março de 2017

TEXTO DO DIA
“[...] Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus” (Mt 22.21).

SÍNTESE
A fé cristã tem por princípio o respeito às autoridades constituídas, mas entende que obedecer a Deus é muito mais importante.

TEXTO BÍBLICO

Romanos 13.1-7.
1 — Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus.
2 — Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
3 — Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela.
4 — Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal.
5 — Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência.
6 — Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo.
7 — Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.

INTRODUÇÃO
O homem é um ser político, e, como tal, tem necessidade de se relacionar com outros de sua espécie. Deus estabelece autoridades para que governem e façam justiça no mundo, a fim de que haja ordem e boa convivência entre os homens. Mas até que ponto os cristãos devem se sujeitar às autoridades? Quais são as obrigações delas diante de Deus? É possível um cristão ser do meio governamental e manter sua integridade? E os deveres dos cristãos para com os governos? Sobre esses assuntos trataremos nesta lição.

I. AS AUTORIDADES CONSTITUÍDAS E A SUBMISSÃO A ELAS

1. Os deveres das autoridades.
Autoridades existem para trazer ordem para a sociedade. Sem organização, leis e instituições que as façam ser cumpridas, a vida em sociedade se torna inviável. As autoridades precisam também zelar pelo bem-estar de todos.
Em nosso sistema político, no qual o Estado é dirigido por governantes e legisladores eleitos pelo povo, os que ocupam cargos púbicos devem exercer seus mandatos em prol do bem comum, agindo com transparência e honestidade em suas atribuições. Bons governantes são queridos pelo povo, mas os maus são uma vergonha para qualquer nação.

2. Orando pelas autoridades.
Autoridades e pessoas que estão em posição de evidência necessitam de nossas orações. Paulo recomendou a Timóteo que “antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2.1-4).
Estar em posição de poder expõe-nos a diversas situações que, de outra forma, provavelmente não seríamos tentados pela corrupção, pelo dinheiro, pela manipulação do poder com finalidades diversas daquelas para as quais somos chamados. As autoridades precisam ser alvo da oração dos santos, não apenas para que ajam de forma correta, mas para que pensem e governem para os que, nelas, depositaram toda a confiança.

3. A sujeição às autoridades.
A sujeição às autoridades é um mandamento bíblico (Rm 13.1). Deus nos ordena que respeitemos as autoridades constituídas. Se desejamos ter um viver quieto, devemos cumprir as nossas obrigações em todos os aspectos, para não darmos mau testemunho. Uma de nossas obrigações, como cidadãos, é escolher aqueles que nos governarão. Essa escolha não deve ser leviana, pois colocando no poder pessoas sem integridade e sem temor de Deus, nós mesmos seremos atingidos: “Quando os justos se engrandecem, o povo se alegra, mas, quando o ímpio domina, o povo suspira” (Pv 29.2).
Não podemos esquecer também de que devemos maior submissão a Deus. Somos cidadãos dos céus, e se tivermos de escolher entre submeter-nos a leis injustas e obedecer a Deus, vale o que disse o apóstolo Pedro, quando instado a não mais falar de Jesus: “Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).

Pense!
A história da Bíblia nos mostra que uma pessoa sem o temor de Deus, colocada em posição de poder, faz com que sua nação sofra.

Ponto Importante
As pessoas que ocupam cargos públicos devem saber que há um Deus nos céus, que a tudo observa e recompensa, tanto em relação ao bem quanto em relação ao mal.

II. DANIEL, EXEMPLO DE SERVO NO EXÍLIO

1. Daniel.
Era um jovem hebreu levado à Babilônia depois que Jerusalém foi sitiada por Nabucodonosor (Dn 1.1). Esse jovem pertencia à linhagem nobre de Israel, e foi levado cativo à Babilônia para ser treinado na língua e na cultura dos caldeus. Seu traslado tinha como objetivo forçá-lo a portar-se como nobre de outra cultura.
Conforme Daniel 1.3,4, os moços a serem levados para a Babilônia deveriam ser “dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres, jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus”. As características eram bem específicas e inerentes à vida política: Saber viver no palácio com inteligência e sabedoria.

2. Daniel, o profeta.
Ele se destaca nas Sagradas Escrituras por, entre outras coisas, sua atividade profética. Esse servo de Deus passou por três imperadores, e se manteve íntegro em seu trabalho político. Sua vida de graça e seu exemplo nos mostra que é possível ser um homem, ou mulher de Deus, no mundo político. Como homem de Deus, advertiu a Nabucodonosor a que agisse de forma correta em seu reino antes de o monarca pagar um alto preço por sua arrogância: “Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e desfaze os teus pecados pela justiça e as tuas iniquidades, usando de misericórdia para com os pobres, e talvez se prolongue a tua tranquilidade” (Dn 4.27).

3. Daniel, o homem público.
Daniel não foi somente um profeta, e esse é o segundo motivo que o destaca nas Escrituras. Ele foi um homem público conhecido por sua integridade. Pela sua formação, estava apto a atuar na esfera governamental, e, pelo caráter como homem de Deus, foi um exemplo de gestor e conselheiro; não se furtou a ser usado por Deus para repreender e advertir governantes ímpios.
A Bíblia diz que o rei Dario tinha a intenção de torná-lo um funcionário público de maior destaque ainda (Dn 6.1-3). Mas os seus opositores buscaram algo que desabonasse sua conduta: “Então, os príncipes e os presidentes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum vício nem culpa. Então, estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (Dn 6.4,5). De fato, Daniel era um homem de comprovada integridade moral e espiritual. Deus, nessa ocasião, livra Daniel na cova dos leões, pune seus adversários e concede ao seu servo mais tempo para dar testemunho do Deus de Israel em terra estrangeira, além de revelar ao profeta muitas coisas que haveriam de ocorrer no fim dos tempos.

Pense!
Tanto quanto profeta, Daniel foi um exemplo de administrador público em toda a sua vida.

Ponto Importante
É possível ser um homem ou mulher que tome decisões que agradem a Deus em qualquer lugar, inclusive nos meios políticos e governamentais.

III. JOSÉ, ADMINISTRADOR NO EGITO

1. José.
Ele era filho de Jacó e bisneto de Abraão. Criado em uma família com vários filhos de várias mulheres, José foi educado como o preferido de seu pai (Gn 37.3). Após ter sonhado duas vezes que, um dia, estaria em posição de autoridade, seus irmãos o venderam como escravo e fizeram de sua vida uma sucessão de tormentos (Gn 37.1-36). Ele foi escravo e presidiário no Egito, mas nessas duas situações, vemos que Deus era com José, tanto na casa de Potifar, como escravo, quanto na prisão (Gn 39.2,21). Do cárcere, Deus o exaltou, levando-o à presença de Faraó, onde foi colocado como o segundo homem no comando do Egito.

2. José, líder no Egito.
Após chegar a uma posição de destaque, José teve de lidar com a política egípcia para colocar seus projetos em voga, conseguindo estocar alimentos para os períodos de fome na terra (Gn 41.48,49). Além disso, comprou terras para Faraó, e orientou a divisão de víveres para os habitantes do Egito e àqueles que, para lá, iam para comprar alimentos.

3. José, o governador.
Como a fome naqueles dias se tornou impiedosa, os irmãos de José foram ao Egito adquirir alimentos, e se depararam com José, sem o saber. Como governador do Egito, José poderia usar de suas prerrogativas políticas para castigar seus irmãos pelo mal que lhe fizeram. Eles chegaram a dizer, em outras palavras, que José estava morto: “[...] Nós, teus servos, somos doze irmãos, filhos de um varão da terra de Canaã; e eis que o mais novo está com nosso pai, hoje; mas um já não existe” (Gn 42.13). Depois José se deu a conhecer a eles, trouxe-os para serem preservados no Egito e reencontrou seu pai, Jacó, em um dos encontros mais marcantes das Sagradas Escrituras: “Então, José aprontou o seu carro e subiu ao encontro de Israel, seu pai, a Gósen. E, mostrando-se-lhe, lançou-se ao seu pescoço e chorou sobre o seu pescoço, longo tempo. E Israel disse a José: Morra eu agora, pois já tenho visto o teu rosto, que ainda vives” (Gn 46.29,30). Apesar de tudo, José perdoou seus irmãos, se fez conhecer, reencontrou seu pai e fez com que sua família fosse preservada no Egito. E como homem de Deus, profetizou: “Certamente, vos visitará Deus, e fareis transportar os meus ossos daqui” (Gn 50.25). Mesmo podendo se utilizar do poder que tinha nas mãos, punindo seus próprios irmãos por tudo o que fizeram, José preferiu lembrar das promessas feitas a Abraão, e rogou pelos filhos de Israel sobre a terra que Deus lhes daria.

Pense!
Deus fez José prosperar em lugares pouco prováveis, e recompensou sua integridade guardando-o da morte e tornando-o uma pessoa importante em terra estranha.

Ponto Importante
José, em seus últimos dias, falou da fidelidade de Deus em relação a retirar o povo de Israel do Egito e leva-lo à Terra Prometida.

CONCLUSÃO
É possível a uma pessoa, em posição de autoridade no mundo político, ser íntegra e trabalhar pelo bem do povo. E, como cristãos, devemos orar por tais pessoas, para que exerçam com sabedoria a vocação para a qual foram chamadas.

HORA DA REVISÃO

1. Quais são os deveres das autoridades?
Autoridades existem para trazer ordem para a sociedade. As autoridades precisam também zelar pelo bem-estar de todos.

2. Faça um resumo do nosso sistema político.
Em nosso sistema político o Estado é dirigido por governantes e legisladores eleitos pelo povo.

3. É nosso dever orar pelas autoridades? Justifique a resposta com um texto bíblico.
Sim. A Palavra de Deus recomenda que “antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade” (1Tm 2.1-4).

4. A sujeição as autoridades é um dever bíblico?
Sim. A sujeição às autoridades é um mandamento bíblico (Rm 13.1). Deus nos ordena que respeitemos as autoridades constituídas.

5. Cite exemplos de servos que exerceram um papel político.
Moisés, Daniel e José.

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.