sexta-feira, 12 de maio de 2017

ESCOLA DOMINICAL CPAD ESBOÇO - Subsídio da Lição 7



AULA EM___DE______DE 2017 – LIÇÃO 7(Revista: Central Gospel - nº 50)

Tema: RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS

Texto Áureo: Ec 11.1
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), nesta lição aborde de forma prática os fatores que atuam no relacionamento da nossa família.
- “fatores que orientam a dinâmica familiar”, dinâmica familiar se refere a interação entre os elementos da família, suas relações e convívio. Alguns fatores orientam essas relações, vamos ver.
- “fazer para construir um relacionamento saudável”, professor(a), ensine que a casa do servo de Deus deve ser um exemplo na vizinhança, por isso é necessário que seus membros lutem para que haja no lar a harmonia cristã, ainda que haja dificuldades. Passe aos alunos que nessa lição eles terão uma ferramenta para isso.
Tente direcionar também aos jovens, com perguntas e ilustrações interativas.  
 _______________________________________________
1. FATORES QUE ORIENTAM A VIDA E FAMÍLIA

1.1. Percepção
- “mas, sim, a partir do que elas significam para nós”, esse tipo de percepção pode deturpar nossa visão das pessoas da nossa família, pois para muitas mães, seu filho mal criado vai estar sempre certo, enquanto para alguns padrastos e madrastas os enteados sempre estão aprontando.   

1.2. Convivência
- “tolerância para com as fraquezas”, o problema é que nos lares onde não há o amor de Cristo, essa tolerância diminui muito. Em alguns deles ela chega a níveis críticos, então ocorrem tragédias familiares.
- “respeito às diferenças individuais”, quando alguém passa a saber e entender que nem todos temos os mesmos limites e os mesmos gostos, passamos a viver melhor com nossos familiares. Ocorre porém de alguns pais quererem que seus filhos sejam iguais a eles e até tenham a mesmo profissão e gostos.
- “da maneira que nós julgamos ser a correta”, às vezes notamos alguns parentes de crentes que não recebem Jesus como salvador, devido a situações como essa onde não se respeita às individualidades.

1.3. Autoconhecimento e autocrítica
- “precisamos desenvolver em nossa casa”, é interessante fazermos perguntas do tipo: será que eu fiz tudo o que estava ao meu alcance? Será que estou agindo certo? Será que eu dei algum motivo para que justificasse a atitude dela ou dele? Etc.
- “não há mudança”, certas coisas novas e boas para acontecer em nossa vida necessitam de mudanças em certas áreas e para que percebamos a hora de fazer essas mudanças, precisamos desse autoconhecimento.

1.3.1. A autocrítica na dimensão da eternidade
- “daremos conta daqueles que o Senhor nos confiou”, para a esposa está se referindo aos filhos e marido, e para o marido, está se referindo à esposa e aos filhos. E para os jovens está se referindo aos pais. Todo aquele que é coluna de Deus dentro de casa pesa a responsabilidade de buscar por sua casa.
- “o que temos feito com os filhos..cônjuge...pais”, devemos agir para que eles recebam Jesus e tenham uma vida de intimidade com ele. Se somos nós a coluna de oração, então devemos investir nisso.
__________________________________________
2. A MANUTENÇÃO DA ESTRUTURA FAMILIAR
- “sentimento não se sustenta a si mesmo”, quer dizer que ele não existe sozinho, vi depender de outros para existir.
- “o espaço em que este acontece”, quer dizer que o sentimento vai se desenvolver dentro dos relacionamentos, quer dizer relacionamentos familiares desenvolvem nossos sentimentos pelos membros de nossa família.
- “declaração real de que o sentimento é”, ou seja, com nossas ações demonstramos se de fato amamos, consideramos ou respeitamos, não basta só falar, tem que fazer. 

2.1. Zelo com os sentimentos
- “dão sentido às relações humanas”, depois de Deus, a razão de estarmos vivos e nos relacionarmos são os nossos ente queridos. Para aqueles que não tem Deus na sua vida a única razão de viver são os familiares.
- “vê a dessemelhança”, é a diferença, se referindo a diferença que tem cada indivíduo da nossa família, são diferentes de nós e diferentes uns dos outros. Quando se entende isso, se evita muitas discussões.
- “nosso próximo costuma estar do nosso lado”, por isso devemos praticar começando por nossa família.

2.2. Aprimoramento das relações
- “toda relação atravessa seus ciclos”, quer dizer que às vezes estamos bem e outras estamos mal, às vezes alegres e outras tristes com nossos familiares e amigos.
- “se alegra com o brilho do sol”, o comentarista usou metáfora com as estações do ano para exemplificar como nossas relações passam por momentos diferenciados, ou seja, uma briga pode ser algo normal num relacionamento, porém deixa de ser normal quando um casal está sempre brigando, ou fica meses de mal. Para uma casa de servos de Deus não pode haver brigas que perdure dias.

2.2.1. Aperfeiçoamento da comunicação
- “aprenda a comunicar”, a comunicação é o elemento que o inimigo mais tem roubado das famílias, com os entretenimentos da modernidade ele tem consegui separar pais, filhos e cônjuges do diálogo.
- “diga: estou sofrendo; está machucando;”, alguns jovens e adolescentes ao invés de falarem com seus pais, se retraem em seu mundo, se isolando de todos e muitos acabam em jogos perniciosos ou sendo aliciados por maníacos da internet.

2.3. Carência de Palavras e atitudes
- “dizem que amam, mas são ausentes”, é o amor só de língua 1 Jo3.18 um amor que só é falado, mas não é praticado. Um pai fala que ama o filho, mas nunca está com eles nos seus momentos marcantes, não senta para o ajudar no trabalho da escola, nem para ver o jogo que ele gosta na internet, ao menos para jogar uma partida com ele, talvez.
- “dizem que amam, mas não perdoam”, é a falta de coerência entre o que se fala e o que se pratica. Quem ama entende, ajuda e perdoa.
- “Sentir-se amado é infinitamente melhor”, as declarações tentam convencer que se ama, mas as atitudes de amor fazem a pessoa se sentir amada e isso convence muito mais.

2.4. Definição e cultivo de valores
- “seus valores e crenças”, numa família cristã, são estimulados os valores cristãos, como amor, fidelidade, respeito, etc. Quando se cultiva esses valores, os membros da família conseguirão evitar certas atitudes que os inflijam, como dar calote, desrespeitar os mais velhos, abandonar os filhos, etc.
- “a família fica vulnerável”, nem sempre podemos acompanhar nossos filhos na escola ou estar vendo tudo que eles falam nas redes sociais, para isso servem os valores, para os momentos em que não estamos vendo.

CONCLUSÃO
- “a resposta é: sim”, ou seja, analisando com padrões divinos diríamos que a família para ser perfeita teria que ser semelhante àquela antes da Queda, porém no padrão humano, entendemos que ela pode ser perfeita com certo nível de problemas.
- Faça a revisão com a classe repassando os pontos mais importantes.
- Corrija o questionário.

Boa aula!

Marcos André – professor
Contatos palestras, aulas e pregações: 21 969786830 (Tim e zap) 21 992791366 (Claro)

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO!  

2 comentários:

  1. E pra quem tem aula hoje? principalmente da Betel?

    Só tem uma saída: encontrar outros comentários, estudar muito e fazer seu resumo.
    Jairo - Goiás-GO

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.