INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

terça-feira, 27 de junho de 2017

ATUALIDADE GOSPEL - “Piadas” sobre o céu rendem processo milionário aos humoristas do Porta dos Fundos


A insistência do grupo de humoristas Porta dos Fundos em tentar fazer graça com questões religiosas segue gerando polêmicas desnecessárias e motivando ações judiciais. A mais nova pode resultar em uma indenização de quase R$ 5 milhões.

Em outubro de 2016 o Porta dos Fundos publicou um vídeo que tentava fazer humor com a interpretação católica a respeito de quem terá acesso ao Paraíso após a morte. No fundo, o conteúdo era uma crítica aguda a essa tradição católica.

Protagonizado por dois ateus – Fábio Porchat e Gregório Duvivier – o vídeo mostra um católico chegando ao céu e sendo recepcionado por Deus (Porchat), que indica um hóspede veterano, Adolf Hitler (Duvivier) para mostrar cada canto do céu ao novo residente.

Indignado, o católico pergunta a Deus se ele sabia que Hitler foi um ser humano horrível, e Deus simplifica dizendo que na hora da morte ele pediu perdão. Perguntando por parentes, o novo salvo não encontra os pais porque eles comeram frutos do mar e trabalharam em “dia santo”.

Processo

Permeado de exageros, o vídeo “Céu Católico” tornou-se alvo de um processo do Centro Dom Bosco, que quer R$ 1 de indenização por cada visualização da vídeo. Atualmente, o esquete conta com 4,9 milhões de visualizações.

O jornalista Guilherme Amado, do jornal O Globo, noticiou a ação e afirmou que “o Porta dos Fundos poderá rir de nervoso em breve”, já que o deboche do Porta dos Fundos poderá virar uma indenização multimilionária.

Em outras ocasiões, o Porta dos Fundos já fez vídeos no mesmo tom com evangélicos e também católicos, sempre gerando reações de grupos religiosos que vão à Justiça pedir algum tipo de reparação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.