INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL

sexta-feira, 9 de março de 2018

ESCOLA DOMINICAL BETEL ESBOÇO - Subsídio da Lição 10



AULA EM 11 DE MARÇO DE 2018 - LIÇÃO 10
(Revista Editora Betel)

Tema: O dia da expiação

Texto Áureo: Lv 14.6

INTRODUÇÃO
- "O dia da expiação era considerado o maior de todos os dias", isso porque acontecia uma vez por ano e nesse dias todos compareciam no templo, dessa forma os que moravam longe iam ao templo uma vez por ano, por isso Davi escreve sua alegria em ir a casa de Deus
"Alegrei-me quando me disseram: Vamos á casa do SENHOR.", Sl 122.1
- "o sumo sacerdote entrava no Lugar Santíssimo", somente o sumo sacerdote poderia entrar ali uma vez por ano e com seus pecados confessados e purificados com sacrifício.

1. Entrando no Lugar Santíssimo.

1.1. A ordem de Deus para Arão.
"não poderia entrar no santuário...para que não morresse", o Reino de Deus é muito organizado, não era porque Moisés foi o legislador de Israel que poderia fazer o que quisesse.
"Deus aparecia numa nuvem sobre o propiciatório", o propiciatório era a tampa da Arca do Concerto onde havia dois querubins em ouro de frente um para o outro e a glória do Senhor aparecia ali no meio.
"Se não observado o que Deus determinara, Arão morreria", alguns pregadores modernos chegaram a espalhar a crença de que o sumo sacerdote entraria amarrado com uma corda na cintura para poder ministrar diante da Arca, pois caso ele tivesse em pecado poderia morrer e não haveria ninguém para entrar e pegar seu corpo, mas isso é boato.

1.2. O sacerdote banhava a sua carne.

- "fala da pureza necessária para quem quer se aproximar do Senhor", a ideia aqui não era o incômodo de Deus pela falta de asseio do sacerdote, mas Deus queria passar a noção de pureza diante das coisas sagradas.
"figura do que a Palavra de Deus faz na vida do salvo", segundo a Bíblia nos mostra o servo de Cristo é limpo pela Palavra, veja:
"Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado." Jo 15.3
"O Espírito Santo usa a Palavra para a pureza do crente", as Escrituras produz fé e santifica o cristão, a Bíblia é a espada do Espírito e o primeiro lugar onde Ele batalha é na nossa mente.

1.3. As vestes para entrar no santuário.
"tirava as suas vestes suntuosas e se vestia como os demais sacerdotes", isso dá a ideia de simplicidade para se adentrar a presença do Senhor, tipificando a oração, onde a pessoa deixa sua vaidade e formalismo e fala com o Senhor na sinceridade e simplicidade.
"lemos em Levítico 8.13. O linho representa a justiça", essa representação não está expressa em Lv 8.13 como parece sugerir o comentarista, é fruto de estudo apenas.
"simbolizando na arca do concerto, no propiciatório sobre a arca e na sua glória", a Arca do Concerto, o propiciatório e a glória manifestada simbolizava a presença do Senhor onde o sacerdote entrava purificado.

2. A expiação do santuário.

2.1. A expiação pela sua casa.
- "realizava o sacrifício por si e pela sua casa", um sacerdote cristão não deve buscar somente por si, deve zelar também por sua família, alguns ministros sofrem muito por não terem suas famílias juntas consigo no ministério.
"cheio de brasa do fogo do altar", no caso era o altar do holocausto onde o fogo deveria arder continuamente.
"qualquer desvio, a morte viria sobre o oficiante.", o oficiante era o sumo sacerdote o problema principal era a pureza interior assim como é hoje e nem tanto o ritual em si. Hoje em uma celebração de Santa Ceia, por exemplo, pode haver variações de uma igreja para outra, mas os servos de Cristo devem manter a comunhão livre do pecado.
"Não podemos ver a obra de Deus de modo diferente", ou seja, não devemos ver a obra de Deus como uma coisa comum e sem importância, precisamos entender que ela é especial.

2.2. A expiação pelo povo.
- "que Jesus fez por nós, estando sozinho", se refere ao momento da crucificação quando Jesus exclamou: "Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?", Mt 27.46 Ele estar sozinho era parte do ritual.
"A segurança do oficiante não estava em seus sentimentos, mas em cumprir o que Deus estabelecera", quer dizer que para o sacerdote não morrer diante da presença do Senhor deveria fazer exatamente o determinado por Deus e assim também serve para cada um de nós, para não morrermos espiritualmente precisamos fazer o determinado por Deus em Sua Palavra.

2.3. A expiação pelo santuário.
"o que impedia a habitação do Senhor no acampamento de Israel", no Antigo Testamento havia a ação de Deus no meio do povo e para que isso acontecesse era necessário que o povo estivesse em santidade e as coisas sagradas fossem santificadas, já na Nova Aliança a ação é do Espírito Santo que habita no coração dos servos de Deus, não sendo necessário que haja santidade nas coisas do mundo, basta que a pessoa se santifique.

3. O holocausto após a expiação.

3.1. As vestes depois do sacrifício.
- "Arão despia das suas vestes e vestia as vestes santas de linho", tipificando como Jesus desceu de Sua glória e se vestiu de um corpo humano para na simplicidade de um ser humano Ele pudesse oficiar diante de Deus.
"ele se banhava e tornava a vestir os seus vestidos magnificentes", assim como o sumo sacerdote Arão tornava a vestir suas vestes sacerdotais magníficas também Jesus após concluir a Sua obra na cruz voltou a ser glorificado com Sua majestade.

3.2. O homem que levou o bode emissário.
"contato com o animal que simbolicamente levava o pecado", acredita-se que Jesus na cruz estava carregado com o pecado da humanidade e por isso o Senhor não poderia sequer olhar para Ele, mas essa teoria não tem tanto fundamento.
"se tornava cerimonialmente impuro por levar o animal para o deserto", na cerimônia havia dois bodes, um era sacrificado e o outro era conduzido por alguém para o deserto, era chamado de bode emissário. Ele simbolizava a obra de Jesus em levar sobre si os nossos pecados conduzindo para longe, assim como o bode emissário era levado ao deserto.

3.3. Um estatuto perpétuo.
"vemos a universalidade do pecado", se refere a forma como o pecado passou a todos as pessoas, sendo assim universal.
"estabelece esta cerimônia como um estatuto perpétuo", o estatuto era perpétuo, mas sabemos que atualmente não é mais executado em Israel, pois foi substituído pelo sacrifício vicário de Jesus, dessa forma seus efeitos permanecem eternamente em Jesus. Hoje não é mais realizado por não haver mais templo em Jerusalém.

CONCLUSÃO
"Temos essa responsabilidade sobre os nossos ombros", a responsabilidade de fazer com que o nome do Senhor seja glorificado diante dos homens e isso se faz honrando a Deus no mundo, como servos fieis de bom testemunho.
- Faça a revisão e corrija o questionário.

Pr Marcos André


Contatos palestras, aulas e pregações: 21 969786830 (Tim e zap) 21 992791366 (Claro)

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.