segunda-feira, 14 de maio de 2018

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 8

Os propósitos de Deus nos milagres

20 de Maio de 2018


Texto Áureo
“Jesus respondeu-lhes, e disse: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes”. Jo 6.26

Verdade Aplicada
Precisamos perceber nos milagres, à luz da Palavra de Deus, além dos benefícios imediatos e temporais, pois há sinal no milagre.

Glossário
Ascensão: Elevação de Jesus ao céu, quarenta dias depois de ressuscitado;
Concepção: Ato de conceber ou gerar um ser vivo; fecundação;
Vindouro: Que há de vir ou acontecer; que está por vir.

Textos de Referência.
Marcos 16.2020 E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém.
Atos 4.1414 E, vendo estar com eles o homem que fora curado, nada tinham que dizer em contrário.
Atos 8.66 E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia.
Atos 9.41-4241 E ele, dando-lhe a mão, a levantou e, chamando os santos e as viúvas, apresentou-lha viva.
42 E foi isto notório por toda a Jope, e muitos creram no Senhor.

Hinos sugeridos.6, 7, 577

Introdução
Reduzir o significado e o propósito dos muitos milagres operados por Deus no passado, e também no presente, é não refletir sobre as consequências e a influência dos mesmos em outras áreas da vida.

1. Deus, o Operador de milagres.
Iniciaremos o estudo deste tema lembrando que o Senhor Deus operou milagres e os realiza ainda hoje, pois o Seu poder não diminuiu, Ele é o mesmo (Tg 1.17; Hb 13.8). Para Deus nada é impossível (Lc 1.37). Uma prova disso é que encontramos na Bíblia o registro de centenas de milagres.

1.1. O que é um milagre?
Segundo o dicionário, “milagre” é definido como “feito ou ocorrência extraordinária, que não se explica pelas leis da natureza”. Biblicamente a ênfase recai sobre os atos maravilhosos de Deus, que retratam Sua atividade na criação e na história. Estamos usando a expressão “ênfase”, pois a Bíblia também registra sinais e prodígios operados por espíritos enganadores (2Ts 2.9-10; Ap 13.3-4, 12-15). No Antigo Testamento o termo em hebraico “´ôt” em várias passagens se refere a “sinais miraculosos”, como as pragas que vieram sobre os egípcios. Também há o termo “môpet”, no sentido de “maravilhas” ou “milagre”.

1.2. Os milagres de Cristo.
No novo testamento a expressão grega “semeion” indica “sinal”, “maravilha”, “milagre” (Jo 2.11, 18, 23; 4.48). Também é utilizado, dentre outros, o termo “dunamis”, ou seja, “poder”, para indicar ações sobrenaturais (At 2.22; 8.13; entre outros). A passagem de Jesus Cristo aqui na terra, desde a concepção até a Sua ascenção, foi marcada por milagres e maravilhas. Gerado no ventre de Maria pela ação do Espírito Santo, efetuou curas, ressurreições e expulsão de demônios, ressuscitou ao terceiro dia e foi elevado aos céus à vista de Seus discípulos (Mt 1.20; 4.23-24; 28.1-6; At 1.9-10; 2.22).

1.3. Milagres após a ascenção de Cristo.
A continuidade dos milagres tem sido uma realidade ao longo da história da Igreja. O próprio Jesus, antes de retornar ao céu, disse aos Seus discípulos que sinais seguiriam aos que cressem (Mc 16.17). A Bíblia registra que, após a ascensão, o Senhor cooperava com os discípulos confirmando a Palavra pregada com sinais (Mc 16.20). Alguns dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja são os dons de curar e a operação de maravilhas (1Co 12.9-10).

2. A relação entre milagres e sinais.
Neste tópico vamos considerar a palavra “sinal” de acordo com os significados que encontramos no dicionário da língua portuguesa, entre outros: “aquilo que serve de advertência; que possibilita conhecer; demonstração exterior duma intenção; aceno”.

2.1. A importância de perceber os sinais.
Devemos refletir na importância de enxergarmos nos milagres, maravilhas e prodígios do Senhor, sinais de Deus para nós. Ou seja, olhar além do milagre em si. O próprio Cristo lançou em rosto da multidão que o buscava o fato de que O procuravam “não pelos sinais”, mas porque haviam desfrutado do milagre da multiplicação dos pães e peixes (Jo 6.26). Não haviam enxergado no milagre o sinal de Deus: Jesus Cristo é o verdadeiro pão do céu. Ele é o pão da vida (Jo 6.32, 35).

2.2. Milagres e relacionamento com Deus.
É muito comum a associação entre a operação de maravilhas e milagres com a aprovação divina. Contudo, Jesus operou muitos prodígios em Cafarnaum, mas disse que no juízo vindouro aquela geração sofreria mais rigor do que os de Sodoma, pois, apesar de tantos milagres, não se arrependeram (Mt 11.20-24). O Senhor estava dizendo que os habitantes daquela cidade deveriam ter se voltado para Deus, pois ele estava se manifestando de maneira tão poderosa. Porém, eles demonstraram que estavam interessados tão somente em desfrutar dos milagres produzidos pelo poder de Jesus. Eles não queriam relacionamento ou compromisso. Queriam continuar vivendo suas vidas do mesmo jeito.

2.3. Lições a partir dos milagres.
Considerando três expressões do significado da palavra “sinal”, conforme exposto no início do tópico, podemos extrair preciosas lições sobre como lidar com os milagres e maravilhas de Deus: advertência, conhecimento e aceno. Deus tem utilizado meios para advertir, se revelar e acenar para o ser humano acerca da Sua existência, do Seu interesse por nós, da Sua providência, do Seu plano de salvação e de Seus propósitos. Precisamos procurar conhecer os caminhos do Senhor (Sl 103.7) e não apenas desfrutar dos Seus feitos. Apesar de ter visto e desfrutado das obras de Deus, toda uma geração pereceu no deserto, porque não conheceu os caminhos do Senhor (Hb 3.9-10).

3. Os milagres e a Palavra de Deus.
Antes de Deus falar com Moisés no monte Horebe, primeiro lhe mostrou uma sarça que ardia e não se consumia. Moisés ficou maravilhado com o que via e decidiu chegar mais perto para ver. Então, quando o Senhor viu que ele estava chegando mais perto, o chamou e começou a falar com ele sobre Seus planos e propósitos (Êx 3.1-4).

3.1. Impactados pela ação divina.
A sarça que ardia e não se consumia era tão somente um sinal para despertar a atenção de Moisés sobre o que Deus queria falar com ele. Podemos observar, novamente, o impacto da ação divina nos dois relatos encontrados no Evangelho de João sobre os samaritanos (Jo 4.39-42) e os galileus (Jo 4.43-45). Ambos os povos receberam e tiveram um encontro com Jesus. A diferença é a ênfase que o apóstolo João dá sobre os samaritanos. Considerando os quatro versículos citados acima, as expressões que se destacam para descrever este encontro são que eles creram pela palavra, primeiro do testemunho da mulher e depois do próprio Cristo, a tal ponto que testemunharam que haviam crido em Jesus porque ouviram e, assim, passaram a conhecer que Ele verdadeiramente era o Salvador do mundo.

3.2. A relevância da Palavra.
Tendo em vista as palavras de Jesus para o oficial do rei que foi procurá-Lo (Jo 4.48), podemos extrair uma importante lição: o milagre e os sinais podem despertar a atenção e o interesse das pessoas, mas somente a Palavra de Deus produz a fé e o conhecimento necessários para a salvação (Jo 17.3; 20.30-31). Por isso, Jesus não atendeu o pedido do homem para acompanhá-lo, mas o estimulou e desafiou a crer em Sua Palavra: “Vai, o teu filho vive” (Jo 4.50). E aquele servo do rei creu na Palavra de Jesus e testemunhou o milagre. Ou seja, o milagre, os prodígios e as maravilhas não substituem a Palavra de Deus. A Bíblia diz que a fé é pelo ouvir (Rm 10.17).

3.3. Analisar o milagre a luz da Palavra.
Deuteronômio 4.34-40 é outro texto que demonstra a relação entre sinais e Palavra de Deus. O Senhor Deus revela que mostrou ao povo sinais e milagres para que soubesse que não há outro Deus, para ensinar e para que guardasse os estatutos e mandamentos. O inimigo sabe da tendência do ser humano de supervalorizar um milagre e interpretá-lo somente à luz dos acontecimentos imediatos e dos benefícios recebidos. Mas Deus deixou revelado em Sua Palavra, a Bíblia, sobre o perigo de se desprezar a Palavra. A Bíblia diz que, aos que não receberam a Palavra, será enviada a operação do erro, com poder, sinais e prodígios de mentira (2Ts 2.9-12).

Conclusão.
Os milagres, prodígios e as maravilhas de Deus são ações de socorro e providência, bem como sinais de advertência e acenos do Senhor para nós. Ainda não terminou o período da Igreja na terra, portanto precisamos permanecer crendo, proclamando e esperando o agir sobrenatural de Deus.

Questionário.
1. O que a expressão grega “semeion” indica?
R: “Sinal”, “maravilha”, “milagre” (Jo 2.11, 18, 23; 4.48).

2. O que Jesus, antes de retornar ao céu, disse aos Seus discípulos?
R: Que sinais seguiriam aos que cressem (Mc 16.17).

3. Por que toda uma geração pereceu no deserto?
R: Porque, apesar de ter visto e desfrutado das obras de Deus, não conheceu os caminhos do Senhor (Hb 3.9-10).

4. O que o milagre, os prodígios e as maravilhas não substituem?
R: A Palavra de Deus (Rm 10.17).

5. O que o texto de Deuteronômio 4.34-40 demonstra?
R: A relação entre sinais e palavra de Deus.

Pr Marcos André - Contatos para palestras, aulas e pregações: 21 969786830 (Tim e zap) 21 992791366 (Claro)
SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.