quinta-feira, 2 de agosto de 2012

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio - Lição 6 - Revista Betel


AULA EM 5 DE AGOSTO DE 2012 – LIÇÃO 6
(Revista: EDITORA BETEL)

Tema: “O Evangelho da Missão Integral”
  
Texto Áureo: Jo 5.24
  
INTRODUÇÃO
            - Professor, nesta lição você falará sobre cura e ajuda social
podem surgir perguntas difíceis do tipo: Por que não
ouvimos mais falar de curas, como ocorria na igreja dos apóstolos?
Alguns motivos para essa situação: Naquela época se praticava mais
a fé, o sistema de saúde era precário, as pessoas que aceitavam a Jesus
se tornavam trabalhadores da obra e por isso eram curadas rápido. Os
sinais estão ligados a propagação do evangelho, então esses sinais
ocorrem mais frequentemente onde o evangelho está chegando pela
primeira vez. Também ocorrem pouco em nossas igrejas, para que não
sejamos relaxados com nossa saúde.

- “integralidade”, se refere a todas as áreas da necessidade
humana: alimento para a alma, cura para o corpo e satisfação
do espírito.

1. A MISSÃO DE CURAR
- “Evangelho joanino”, referente ao Evangelho de João, é a
primeira vez vejo esse termo, devo estar lendo pouco.  

1.1. Um paralítico jaz sem esperanças
- “absorvida pela igreja apostólica”, a igreja que os apóstolos
organizaram  absorveu essa preocupação de Jesus, de curar os
enfermos.

- Alguns teólogos que não acreditam na manifestação de dons
espirituais em nosso tempo, afirmam que havia uma grande
necessidade de curas e operações de maravilhas para que a
igreja crescesse naqueles dias e por isso essa atividade teria sido
somente para aquela época.

1.2. A palavra que ergue o homem
- “identidade messiânica”, mostrar que ele era o Messias prometido por
Deus no Antigo, não era o objetivo de Jesus provar só para os judeus, mas
sim para todos a quem esse Evangelho for pregado em todas as épocas e
em qualquer parte do mundo.                               

- Você pode acrescentar que o povo estava focado no movimento das
águas, eles achavam que só existia aquela forma de operação milagrosa
naquele tanque, mas Jesus mostrou que o milagre não tem forma específica
de operação.

- “tomou outro rumo”, para os judeus não havia blasfêmia pior do que
se declarar filho de Deus, seria se declarar da mesma natureza de Deus,
Jesus não só fez isso, como também nos possibilitou fazê-lo, através da
sua morte na cruz.    

1.3. A evangelização séria tem curas e milagres
- “Neste fato”, o fato ao qual o comentarista se refere, é a operação de
milagres e curas. Ele quis dizer que o milagre demonstra o poder da
mensagem do Evangelho.

- Explique que os milagres não são o objetivo do Evangelho, mas
conduzem ao objetivo.

- “tais polos não são antagônicos”, os polos que estão sendo mencionados
aqui, são: Escrituras e poder, citados anteriormente. Antagônicos, quer dizer
que fazem oposição um ao outro, isso porque muitos irmãos acham
incompatível manifestar a Palavra e o poder. O comentarista quer quebrar esse
paradigma de que aquele que tem muita palavra, tem pouco poder e o
que tem muito poder, tem pouca palavra.
 ________________________________________
2. A MISSÃO DE ALIMENTAR A ALMA E O ESPÍRITO
            - “o mais importante a seguir:”, após os dois pontos é apresentado o
que é o mais importante a seguir. Você pode acrescentar que na cura do
paralítico no tanque, o mais importante não era a crença supersticiosa
de um mover das águas, nem a disputa para chegar primeiro e nem
tão pouco o mover do anjo. O mais importante era a presença de Jesus
e o relacionamento com Ele.     

            2.1. Jesus explicou sua missão
            - “futuro escatológico”, é o futuro previsto no Apocalipse.
            - “trabalho apologético”, apologético significa em “defesa de algo”,
            a obra de Jesus era em defesa de seu ministério de salvação.

2.2. Jesus falou dos sinais e das maravilhas
- “sua divindade”, vimos o esforço de Jesus em diversas ocasiões
para confirmar que Ele é o Messias que Deus prometeu no Antigo
Testamento, nas pregações registradas no livro de Atos com Pedro
At 2.14-22 e com Estevão At 7.2-54 nessas pregações notamos que
o objetivo era anunciar quem era Jesus. Ainda hoje esse deve ser
o objetivo da nossa pregação. Você pode comentar isso de forma
crítica contra as pregações atuais que visam a prosperidade e as bênçãos,
sendo que muitas delas não falam de Jesus.

- “trabalho pedagógico”, trabalho de ensino, no caso a Palavra.
- “evangelístico”, trabalho de divulgação do Evangelho.

2.3. A seriedade na missão de Jesus é necessária
- “evangelizador”, esse termo deve ser entendido num sentido
geral, como aquele que anuncia o Evangelho, seja nos púlpitos,
evangelismo, rádio ou TV.

- “ponto crucial”, é o ponto que define como será a conduta daquele
que evangeliza, se aquele que evangeliza acredita realmente que Jesus
Cristo é o Filho de Deus e que portanto é Deus e é também salvador
da humanidade, então ele trabalhará com dedicação e zelo nessa obra.

- “se houver dúvida”, comente que quando temos alguma dúvida,
não conseguimos fazer com dedicação a missão do ide, e Satanás
acaba nos parando, atacando os nossos pontos fracos.
________________________________________
3. A MISSÃO DE ALIMENTAR O CORPO

3.1. Uma multidão faminta
- Nos textos acerca dessa multiplicação, encontramos Jesus chamando os
discípulos para a responsabilidade de alimentar a multidão, Jesus estava
convidando os discípulos a sentirem a mesma compaixão que Ele sentia.

- Além de chamar os discípulos a responsabilidade, Jesus também queria
mostrar para a multidão a sua real necessidade, pois a multidão buscava
curas e Jesus viu a necessidade deles.

- A tipologia para essa multiplicação seria: pão=Jesus, multidão=todos
aqueles que estão querendo milagres, mas precisam é do Pão Vivo,
discípulos=os servos que estão cumprindo o ide, responsáveis por alimentar
a multidão, dando o alimento que receberam da mão do Senhor.

3.2. A palavra que alimenta o homem
- “o bem estar”, o interesse de Jesus deve ser imitado por nós, pois o Senhor
quer que vivamos bem, mas sempre um ajudando o outro, em suas necessidades.
Por esse motivo, na ocasião da multiplicação dos pães, Ele disse aos
discípulos: “daí vós de comer” Mc 6.37, e por fim Ele multiplica a partir de
um bocado de pão, que foi ofertado por alguém que deu o seu pouco.

- “tal responsabilidade”, a responsabilidade de ajuda social ao necessitado
era uma tarefa exercida pela Igreja, só no período do Renascimento é que surge
a ideia do estado protetor do povo e então são criadas as instituições sociais do
estado.

3.3. A evangelização séria leva o pão
- “está implícito”, está subentendido, quer dizer que quando se fala em evangelizar
se pensa também em ajudar com alimentos, roupas e etc.
- Você pode pedir aos alunos alguns exemplos desse evangelismo. Muitas igrejas
tem feito trabalhos excelentes nessa área.

- “domésticos da fé”, se refere aos crentes da mesma congregação, esse termo
foi empregado por Paulo em Gálatas 6.10.

- “arrancar o último tostão”, critique sem pena esses tipos de movimento, que
pregam uma teologia mentirosa sobre a prosperidade financeira, ensinando o
povo a barganhar com Deus. Evite citar nomes de igrejas, porém saiba que os
alunos citarão os nomes das igrejas envolvidas, todavia você deve alertar
que nessas igrejas a grande maioria são fieis que estão sendo enganados, e é
uma minoria de líderes que apregoam o engodo da prosperidade.
 ___________________________
CONCLUSÃO
- “discípulo amado”, é João, assim é como ele se refere a si mesmo no seu
Evangelho Jo 21.20-24.

- Antes de terminar, você pode perguntar aos alunos como eles tem colaborado
na obra de assistência social.
- O Senhor nos orienta a sermos ajudadores uns dos outros, para que muitas
barreiras caiam por terra nos relacionamentos entre irmãos.

 Boa aula!
 _____________________________________________

Marcos André - professor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.