sábado, 18 de agosto de 2012

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio - Lição 8 - Central Gospel


AULA EM___DE______DE 2012 - LIÇÃO 8
(Revista: Central Gospel)

Tema: “O Que a Bíblia Ensina Acerca do Divórcio”
  
Texto Áureo:  Mt 10.8b,9
  
Texto Bíblico básico: Mt 19.1-9
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), nessa aula você terá a oportunidade de esclarecer algo
sobre divórcio, com o objetivo de incentivar o casal a lutar pelo seu casamento.

- Explique que o homem do Antigo Testamento era mais machista, mais
insensível, mais rústico, não valorizava as mulheres e nem as crianças.
- Isso devido a sua natureza caída. Para aquela época, a melhor forma de
controlar e dar mais um pouco de dignidade ao ser humano, foi a instituição
da Lei. Por isso naquela época, Deus permitiu o divórcio.
__________________________________________
1. O PADRÃO DE DEUS PARA O CASAMENTO 
- Você pode comentar que o casal deve buscar esse amor, um no outro,
por isso eles devem casar com o mesmo objetivo, de amar. Se alguém
casar por sexo, ou porque a mãe está pressionando, ou porque caiu em
fornicação com o namorado(a), etc, dificilmente esse casamento dará
certo. Para Deus tudo é possível, mas será uma árdua caminhada.

- O amor não surge no coração de repente, ele cresce a cada dia. O que
surge de repente é a atração depois se houver interesse vai nascendo o
amor. Por isso o amor é mandamento.
 _________________________________________
2. AS EXCEÇÕES À INDISSOLUBILIDADE
            - O divórcio faz parte da vontade permissiva de Deus.
            - Sabendo que tudo ocorre pela vontade de Deus, entendemos que existem
dois tipos de vontade do Senhor: absoluta e permissiva.
- Vontade Absoluta, onde Deus não abre exceções, um exemplo: Ele deve
estar primeiro lugar na nossa vida, não há situações em que Deus permita
que alguém tenha outra pessoa ou coisa como sendo mais importante do
que Ele.
- Vontade permissiva, onde Deus abre algumas exceções, exemplo: Ele
quer que uma jovem tenha um casamento com um cristão, mas se a jovem
quiser casar-se com alguém do mundo, Deus não impede, por respeitar o
livre arbítrio da jovem, a mesma coisa ocorre com o divórcio.        

            2.1. Em caso de prostituição
            - Veja alguns casos:
a) se um dos conjugues trai o outro: configura o adultério, o outro deve
perdoar, porém não está obrigado diante de Deus a permanecer no casamento.

b) uma irmã abandonada pelo marido: se não ouve adultério, deve permanecer
em Deus e não contrair novo matrimônio. Porém se esse marido já está com
outra mulher, houve adultério, desobriga a irmã, podendo ela adquirir novo
matrimônio.

- perdão, sempre deve haver o perdão, mas não quer dizer que tudo deva
voltar como era antes. Sendo que o conjugue traído pode decidir não desfazer
a família e permanecer no casamento, essa pessoa deve ser respeitada como
exemplo de grande servo de Deus.

           2.2. Quando o conjugue descrente deseja a separação   
            - Nesse caso o crente poderá casar-se novamente e tentar uma nova vida
conjugal, porém deve lutar pelo seu casamento.

3. É POSSÍVEL UM NOVO CASAMENTO?
- “incapacidade de perdoar”, isso deve ser tratado, pois pode levar ao
inferno.

- Acrescente se achar conveniente: todos devemos perdoar, e isso não quer
 dizer que necessariamente devemos retornara a antiga condição. Se meu
sócio trair nossa sociedade, eu devo perdoar-lhe, mas não preciso retornar
com a sociedade. Se meu amigo intimo me trair, devo perdoar-lhe, mas
não preciso retornar a amizade como era antes.
- Se Deus liberar o divórcio por incapacidade de perdoar, então estaria em
contradição com a sua própria Palavra em Mt 6.15.   

4. ATITUDES QUE PODEM LEVAR O CASAMENTO AO FIM

4.1. Temperamento controlado pela agressividade
- Muitos casais convivem com conjugues agressivos em casa, alguns são
até violentos que batem na esposa. Você pode se deparar com a seguinte
pergunta: Eu posso me separar do meu esposo que me bate? Nesse caso
sim, porém deve seguir essa ordem:
“Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.” 1 Coríntios 7:11
- Se uma irmã for agredida pelo conjugue, seria bom procurar a polícia,
pare se resguardar de futuros atos violentos.

- Todos devem tentar controlar seus temperamentos, muitos dizem que não
conseguem, mas diante da polícia todo mundo fica manso. Isso prova que
conseguem sim.

- Recomende aos seus alunos tentarem o silêncio, diante das agressões verbais,
não responder nada, deixa o outro falar até se cansar, ou saia por um período
de casa e retorne depois.


4.1.1.   Linguagem destrutiva
- Aqui cabe a mesma recomendação do tópico anterior, se o casal começa a
brigar, então a melhor atitude é um sair de perto do outro por um tempo.

- “agressão verbal”, ato de ofender, com ou sem palavras de baixo nível,
humilhar com palavras. Muito cuidado pois além de ser condenado por Deus
as ofensas também podem ser enquadradas como crime de "violência psicológica",
pela lei Maria da Penha, que proteje tanto a mulher quanto o homem.

- “agressão física”, investir contra o corpo de alguém, também enquadra-se como
crime pela lei Maria da Penha.

4.2. Desinteresse pelo conjugue
 - “praticar gestos”, não se resume somente a presentes. Pode ser: um
jantar especial, um elogio, um passeio a dois, o conjugue pode variar
para evitar ficar na mesmice.  

4.3. Falta de diálogo
-“ervas daninhas”, são matos que nascem no meio da plantação causando
dano às plantas.

- Uma sugestão é o diálogo simples, simplesmente conversar, sobre qualquer
coisa, e na conversa, não somente falar, mas também ouvir, ouvir atentamente
e comentar para interagir.

4.4. Autonomia total em relação ao conjugue
- Isso é forte, comente cada palavra desse tópico.

- Acrescente: se estão os dois numa só carne, então devem usar mais o
pronome “nosso e nós”,  Nosso carro. Nossa casa. Nossos filhos. Nós é que
erramos. Nós venceremos, e por ai vai.

- Em Mc 5.9 o demônio podia ter respondido assim: Eu sou fulano e tem
mais um monte aqui dentro. Mas ele disse: “Meu nome é Legião, porque
somos muitos.” Se um demônio consegue expressar união para fazer o
mal, muito  mais união deve ter o casal cristão.

4.5. Omissão de informação
- Excelente o conteúdo aqui.
- Sugiro que você acrescente isso: o conjugue deve saber as senhas da rede
social do outro, seja Facebook, Orkut, etc. Para evitar desconfianças e ter
transparência na relação.
- E você professor, se não pratica isso, comece a praticar, para dar validade
àquilo que você ensina.

5. DESRESPEIRTOS E INTROMISSÕES DE TERCEIROS
- Uma das coisas que o casal deve evitar a todo custo, é discutir na frente
de parentes, amigos e irmãos da igreja. Devem se preservar, mesmo
que estejam nervosos, jamais comentem dos defeitos do outros com
alguém de fora, nem com parentes.
_________________________________________
CONCLUSÃO
- “cortar o mal pela raiz”, esse é o grande ensinamento dessa lição,
evitar que o problema cresça, para que não se torne irremediável.
- Recomende aos casais que orem mais juntos e busquem a presença
do Senhor unidos.

 Boa aula!
 _____________________________________________
USE ESSE ESBOÇO COMO AUXILIO PARA ELABORAR O SEU
PRÓPRIO ESBOÇO. 

Marcos André - professor

Um comentário:

  1. Esse site é uma bençao!
    Que Deus vos abençoe, pois esse site tem ajudado a muitos professores de EBD.

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.