quinta-feira, 22 de novembro de 2012

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio - Lição 8 - Revista CPAD



AULA EM 25 DE NOVEMBRO DE 2012 - LIÇÃO 8
(Revista: CPAD)

Tema: “Naum – O Limite da Tolerância Divina”
  
Texto Áureo: Gn 18.32
  
INTRODUÇÃO
- Amado(a) professor(a), ensine ao povo a não testar o limite de Deus como fez o povo judeu no deserto.
- Estude antes o livro de Naum para não ser surpreendido com perguntas, uma coisa é não saber responder, outra bem diferente, é não saber que está escrito. Você pode até não conhecer o assunto, mas precisa saber que ele existe.
- Para melhor aproveitar seu estudo do livro de Naum é se guiar pelo esboço do livro que está na revista do professor.
- “eles vieram a se esquecer”, esse comportamento é comum nas pessoas, isso comprova que a fé vem pela Palavra e não por milagres, pois os milagres são facilmente esquecidos.
__________________________________________
1. O LIVRO DE NAUM

1. Contexto histórico.
- “não possui biografia”, biografia do profeta contida no livro, ocorre quando ele fala algo de si mesmo, porém o profeta Naum não deixou nada registrado de si mesmo.
- “assédio de Jerusalém”, assediar significa cercar, importunar. Esse assédio no ano 701 a.C. foi a ocasião em que o anjo do Senhor matou 185 mil do exército assírio.
- “reformas religiosas...por Josias”, ocasião em que foi encontrado o livro da Lei no Templo.
- “podemos considerar 663 a 612 a.C.”, você entendeu porque pode ser considerado esse período, como sendo o do ministério de Naum? Na passagem de Na 3.8-10, o profeta cita a cidade de Nô como já tendo sido destruída e sabendo que ela foi destruída em 663 a.C. e Nínive só foi destruída em 612 a.C. por a profecia foi escrita nesse intervalo.
- “essa foi a fama”, a cidade de Nínive era conhecida em todo o mundo antigo como sendo muito cruel e sanguinário, após as guerras os vencidos eram massacrados nas ruas da cidade de Nínive, e esse comportamento estava arraigado na cultura daquela nação.
- Essa fama da cidade de Nínive, foi o principal motivo pelo qual Jonas decidiu que eles não mereciam misericórdia.  

2. Estrutura.
- “estilo poético”, esse estilo com seus recursos de rima, metáfora, jogo de palavras etc, só pode ser observado no idioma original ao se traduzir o texto ele deixa todo sentido poético e passa a ser um texto comum.
- “parte do capítulo 2 na Bíblia hebraica”, isso ocorreu porque a divisão em versículos da Bíblia (Vulgata) foi feita em 429 por Eusébio e Eutálio, e a Bíblia hebraica foi dividida por Estevão Langton e por Sante Pagnini em 1528 d.C.. A divisão hebraica veio depois e foi feito por outro erudito, provavelmente usaram como base a divisão que já existia, quer dizer, ficou parecido mas não ficou igual.

3. Mensagem.
-...
_________________________________________
2. TOLERÂNCIA E VINDICAÇÃO
           
            1. Vingança.
            - “os atributos divinos”, um dos atributos que sobressai no livro é a Justiça de Deus, pois o Senhor está trazendo a punição para Nínive, outro atributo é a soberania de Deus, pois o Senhor está mostrando que Ele governa todas as nações.
            - A vingança é uma ação que só compete a Deus, Ele não autoriza a mais ninguém se vingar Hb 10.30.
            - “infratores contumazes”, são os obstinados, aqueles que já foram repreendidos e persistem no erro. 
           
2. Longanimidade.
- “espera o arrependimento”, muitos se aproveitam dessa forma de Deus agir e fazem coisas terríveis, pois pensam que o Senhor não está se importando.
- “o culpado por inocente”, seria inversão de valores e Deus não suporta essa inversão. A inversão de valores é o último estágio de degradação moral de uma sociedade, peça aos alunos para lerem Is 50.20. Is 5.20.

3. O poder de Deus.
- “linguagem metafórica”, é um recurso poético dessa passagem, para embelezar o assunto, usando a figura de linguagem chamada metáfora, que é a expressão que produz sentido figurado por meio de comparação.
- “não se deu por falta de poder”, na prática quando Deus demora a agir em trazer a punição, as pessoas acreditam que Ele não está se importando ou não quer se envolver, e outros pensam que Ele não existem e outros ainda chegam a ignorar não tocando no assunto. Mas no fundo todos sabem que terão que acertar contas com Ele.
- Alguns pecadores obstinados, no entanto, não receberão punição nenhuma nessa vida, pois o Senhor os largou de mão e a sua condenação será no Juízo Final. Rm 1.21.
_________________________________________

3. O CASTIGO DOS INIMIGOS

1. Quem são os inimigos.
- “ausência da indicação desse povo”, quer dizer que a passagem fala somente da cidade de Nínive, não citando o povo, pressupondo que a mensagem contra aquela cidade sirva para qualquer outro povo em qualquer época. O livro de Naum é como um alerta para todas as pessoas a não brincarem com Deus.

2. O estilo de Naum.
- Aqui está se afirmando que o estilo de Naum é o largo uso das metáforas. Deus respeitou o estilo próprio de cada escritor da Bíblia.
- Lembre aos alunos que Jerusalém foi destruída em 585 a.C pelo rei Nabucodonosor.  

3. Reminiscência históricas?
- “Reminiscência”, significa recordações, a interrogação é porque será investigado se o “conselheiro de belial” se refere a Senaqueribe ou não.
- “verossímil”, é aquilo que parece verdadeiro, quer dizer que tem concordância com a verdade se a narração do que o Senhor fez em Naum 1.14 se refira a Senaqueribe, seria então uma recordação (reminiscência) da história dele.

4. A consolação de Judá.
- “terceira para segunda pessoa”, seguindo os pronomes no singular: eu, tu, ele, (1ª,2ª,3ª pessoas) a narrativa na terceira pessoa é quando o narrador usa o pronome “ele” Ex: ele passará,” Na segunda pessoa ocorre quando o narrador usa o pronome “tu” ou “você” veja: “eu te afligi, mas não te afligirei mais”. Mesmo tendo o pronome “eu” o texto está na segunda pessoa, pois o narrador fala diretamente ao interlocutor.
- “juízo dos assírios é final”, atualmente recebemos castigos corretivos, porém alguns que resolverem se levantar contra a fé poderão receber o juízo para essa vida e posteriormente serão julgados no Juízo Final.
________________________________________
CONCLUSÃO
- A cidade de Nínive foi destruída no ano de 612 a.C. o povo foi massacrado de maneira que nas ruínas de Nínive foram encontrados muitos esqueletos que não foram enterrados. A região ficou abandonada por séculos, atualmente suas ruínas são sítios arqueológicos e estão nas proximidades da cidade de Mosul no norte do Iraque.
- “dia da ira de Deus”, se refere ao Juízo Final.
- O livro de Naum nos mostra que a paciência de Deus tem um limite.

Boa Aula!

Marcos André - Professor

                                                          

3 comentários:

  1. No texto da lição no tòpico 2. TOLERÂNCIA E VINDICAÇÃO 2. Longanimidade, está escrito (Isaías 50: 20). mas na verdade é (Isaías 5: 20). O texto (Isaías 50: 20)só tem 11 versículos. Vêde(Isaías 50: 20 Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está corrigido abençoado, obrigado por comentar, esses erros acontecem direto, mas da próxima vez deixa o nome por favor.

      Graça e Paz.

      Excluir
  2. Parabéns por este trabalho...é de muita valía
    Que Deus continue te abençoando...

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.