INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 8 da Revista da Editora Betel


Aplicando as parábolas de resgate à família cristã
25 de agosto de 2013

TEXTO ÁUREO
"Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento."
Lucas 15:7 


VERDADE APLICADA
Os lares e os casais cristãos tem que funcionar como um refúgio para proteger pessoas, princípios e valores, como redis e pastores para guardar aqueles que podem se perder

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Lucas 15.4,7,8,11,12  


INTRODUÇÃO
A maioria dos crentes, com conhecimento bíblico e vivência cristã, percebe que muitas porções da Bíblia têm um sentido primário e literal, porém possui também sentidos proféticos para cumprimentos futuros e vários sentidos para aplicação prática à vida de seus ouvintes e leitores, bem como à Igreja em geral. Este é o caso das Parábolas de Resgate, por isso, nesta Lição, extrairemos delas os sentidos práticos aplicáveis à Família Cristã.


1. A ovelha perdida 

Em Mateus, a Parábola da Ovelha Perdida é precedida; de ensinamento sobre a humildade; da necessidade de cuidado com aqueles que, entre os judeus, eram considerados “socialmente insignificantes”, “economicamente desprovidos” e “teologicamente ignorantes”, aos quais Jesus chama de “pequeninos” e os compara a crianças tenras e também da necessidade daqueles que se consideravam superiores se comportarem de modo responsável, a fim de não escandalizarem os pequeninos. Em Lucas ela é antecedida da informação de que os fariseus murmuravam contra Jesus, por este receber, ensinar e confraternizar-se com pecadores e é sucedida pela Parábola do Filho Pródigo. Depois desta rápida avaliação, consideremos: 


1.1. Algumas características da ovelha 

A ovelha é o animal mais dócil e de mais fácil trato, embora tenha os seus defeitos. Por exemplo, a mãe abandona a cria para responder ao seu instinto de viver em grupo, visto que os cordeirinhos não têm condição de acompanhar a marcha do rebanho adulto. Sua atenção se dispersa facilmente, podendo ser atraída para uma direção diferente daquela em que o pastor conduz o rebanho, ou simplesmente se deter por conta de alguma distração e ficar para trás. Por ser um animal doméstico, a ovelha depende do pastor para tudo. O pastor que conhece o rebanho e o valoriza, está habituado a estas situações, faz sempre uma vistoria no caminho por onde seguiu o rebanho, além, é claro, de contar as ovelhas, para ter a certeza que não fica para trás alguma cria abandonada ou alguma ovelha desatenta. 

1.2. As ovelhas perdidas dos lares cristãos 
Considerando que a família cristã é a comunidade básica da Igreja, o que se aplica a esta, também se aplica àquela. Assim, a família é um pequeno rebanho e o lar é o redil. No lar; a ovelha perdida pode ser aquele filho ou filha que ao chegar à adolescência foi-se deslumbrando com o mundo fora das fronteiras seguras de casa, que inicialmente é apresentada a eles pela TV e depois pelo ambiente escolar ou com o modo de vida de colegas cujas famílias não pertencem ao Grande Rebanho. Ao receber um pouco de autonomia, distancia-se do seu grupo de origem, a família, e aproxima-se de um grupo que atenda e satisfaça a sua curiosidade juvenil e passa a adotar a linguagem, os hábitos, o comportamento e os vícios das “ovelhas” daquele novo “aprisco”. 


1.3. Perdedores de ovelhas 

No aprisco familiar todos são ovelhas, mas os pais representam a Cristo, o Sumo Pastor, no cuidado dos filhos, o marido no cuidado da esposa e esta O representa no cuidado do marido. Os pastores do aprisco familiar são responsáveis diretos pela perda de ovelhas. A mulher que perde o foco de sua principal missão e tarefa, que é a de ser uma boa esposa e criar filhos para Deus, e se fixa em outros objetivos, legítimos e dignos, mas que concorrem contra a sua missão principal, peca contra o lar. O mesmo acontece a homens que negligenciam a missão de maridos e pais, sob o pretexto de que têm que trabalhar duro para cumprir o papel de provedores. Tais mulheres e homens correm o sério risco de verem o cônjuge ou os filhos se transformarem em ovelhas perdidas. Na verdade, muitos já os perderam e não sabem, pois ainda vivem na mesma casa, compartilham a cama, a mesa, a TV da sala, etc. Mas isso é tudo. Não há diálogo, respeito, satisfação, consideração, obediência, cooperação, amor, cumplicidade, carinho, afeto, entre outras coisas próprias do lar. Estas coisas buscam noutros pastos e redis, e, se a situação não mudar, haverá um dia em que não encontrarão mais o caminho de volta, 


2. A dracma perdida 

A dracma, por ser um objeto inanimado, não sente nada pelo seu possuidor. Também não pode tomar a iniciativa de se separar do dono ou de seu grupo e perder-se. Por isto, a Dracma Perdida é totalmente isenta da responsabilidade por sua condição de perdida. Estas características fazem com que a figura da dracma tenha muitos significados e aplicações: 


2.1. Filhos pequenos 

Pode significar nossos filhos pequenos, os quais temos a obrigação de guardar para que seus espíritos, mentes e emoções não sejam contaminados por nada e por ninguém. Porém, muitas vezes, nós mesmos, pai e mãe, manchamos suas almas com brigas de casal, falatórios vãos, murmurações, contendas, malquerença, expondo-os a situações e ambientes impróprios para eles, ou os deixamos à míngua de alimentos espirituais e de apoio na formação emocional; há pais que até abusam sexualmente de seus filhinhos ou enteados. Também negligenciamos seus talentos, habilidades e vocações e, um belo dia, notamos que eles cresceram, mas suas capacidades natas não progrediram junto com seus corpos. Não amadureceram espiritual, moral, intelectual e emocionalmente; porventura foram marcados por traumas, que sequer desconfiávamos que houvessem sofrido. 

2.2. Valores e princípios cristãos 
As dez dracmas podem significar ainda a soma total dos valores e princípios cristãos que devem reger nossa vida espiritual, afetiva, conjugal, profissional e social, como também as vocações e ministérios que deveriam ser descobertos e desenvolvidos na disciplina doméstica. A que foi perdida fala daquela parte do valor, vocação e ministério que existe, mas, em algum momento, por falta de fervor, zelo, atenção, dedicação, de uso de investimentos adequados e de prioridades, perdeu-se dentro de nós mesmos e por consequência, dentro da nossa casa, no seio da nossa família e está ausente nas nossas relações: com Deus, com a Igreja, com a sociedade, com parentes e amigos, com nossos colegas de trabalho, patrão, profissão, negócios, com as atividades sociais, com o cônjuge, com os filhos e com a criação e educação que damos a eles. 

2.3. O cuidado que devemos ter com tudo o que Deus nos confia 
Cotidianamente temos que contar “nossas dracmas”. Não podemos ficar acomodados quando notarmos uma perda, mesmo que seja aparentemente pequena. O cuidado de infundir em nossos pequeninos os valores que Deus nos deu, os princípios espirituais, éticos e morais aprendidos na Escritura Sagrada; de desenvolver neles os talentos e as vocações, bem como de ensinar-lhes a aproveitar as oportunidades e tudo o mais que Deus nos dá, não somente é útil a conservação de Suas dádivas, mas também à multiplicação delas e à demonstração do quanto somos gratos ao Senhor. Tal cuidado é necessário também para que aprendam a valorizar as coisas mais excelentes, diminuindo assim os riscos de que se tomem “filhos pródigos” ou “Esaús”. 


3. O filho pródigo 

Na Igreja, o pródigo representa aquele crente que pensa que tem maturidade e preparo espiritual suficiente para levar uma vida longe do convívio dos irmãos e da disciplina e proteção pastoral. Decide então se emancipar e romper qualquer vínculo com a congregação. Ao se afastar, porém, do seu ambiente de fé, de doutrina, do cuidado pastoral e do amor dos irmãos, desperdiça seus dons e talentos e se perde nos encantos enganosos do mundo. No que diz respeito à família cristã, o filho pródigo representa: 


3.1. O membro da família que escolhe se perder 

O Pródigo representa aquele filho ou filha que foi criado em um lar onde nenhuma “dracma” se perdeu, onde todos os valores, princípios e cuidados necessários à criação e formação de uma pessoa, bem como o desenvolvimento dos dons e o treinamento para uso adequado dos talentos foram utilizados, para a glória de Deus. Mas quando este filho ou filha tem a oportunidade de escolher, rejeita tudo o que recebeu de sua família, exceto bens e recursos econômicos, e reclama independência completa. Os pais, por respeito à liberdade de escolha do filho, concedem-lhe a desejada emancipação. 


3.2. Um cônjuge que se afasta do lar sem motivo justificável 

O filho pródigo também representa uma pessoa casada, que mesmo tendo um cônjuge dedicado, amoroso, carinhoso, que satisfaz sexualmente, e em tudo o mais, acha que o casamento é uma espécie de prisão. Busca a liberdade e, no uso dela, dá preferência a programas que o cônjuge não pode ou não gosta de participar, diversões impróprias para pessoas casadas e para filhos de Deus. 


3.3. Um extraviado responsável por seu próprio extravio 

O filho que se perdeu não pode ser enquadrado no mesmo molde da ovelha perdida que, por ser irracional, poderia ter sido treinada a agir do modo como o pastor esperava, mas não poderia ser responsabilizada por suas ações. O pastor é o único responsável por seu extravio. Também não se encaixa na forma da dracma que a mulher perdeu dentro de casa, pois a moeda é um objeto inanimado, e como tal jamais poderia fazer coisa alguma, voluntária ou involuntariamente. Seu proprietário é responsável por qualquer coisa que lhe aconteça. Entretanto, o filho pródigo é um ser racional e volitivo. Ninguém, a não ser ele mesmo, é responsável por seu extravio. Assim, os pais, ou o cônjuge (quando é o marido ou a mulher que se afasta sem motivo justificável) não são culpados e nem devem cultivar nenhum sentimento de culpa pelo afastamento deles. Mas, precisam manter o coração aberto, ficar atentos ao menor sinal de retorno e criar no lar um ambiente mais acolhedor possível para receber “o pródigo” quando ele voltar. 


CONCLUSÃO

Para evitar perdas e regatar o que já se perdeu, lembremo-nos de que Deus coloca dentro das nossas relações pessoas para pastorear sobre nós e outras as quais devemos pastorear. Recebamos com gratidão a direção e o amor cuidadoso das primeiras e tratemos com zelo desvelado as últimas, sem jamais desistirmos delas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.