INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

quinta-feira, 17 de abril de 2014

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdo da Lição 3 - Revista da Editora Betel


Como Vencer a Angústia
20 de abril de 2014

TEXTO AUREO
“Eu, porém, cantarei a tua força; pela manhã, louvarei com alegria a tua misericórdia, porquanto tu foste o meu alto refúgio e proteção no dia da minha angústia”. SI 59.16

VERDADE APLICADA
Em momentos de angústia, devemos ter fé para confiar no Senhor e na sua resposta.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
ISm 13.5 - E os filisteus se ajuntaram para pelejar contra Israel: trinta mil carros, e seis mil cavaleiros, e povo em multidão como a areia que está a borda do mar; e subiram e se acamparam em Micmás, ao oriente de Bete-Áven.
ISm 13.6 - Vendo, pois, os homens de Israel que estavam em angústia (porque o povo estava apertado), o povo se escondeu pelas cavernas, e pelos espinhais, e pelos penhascos, e pelas fortificações, e pelas covas,
ISm 13.7 - e os hebreus passaram o Jordão para a terra de Gade e Gileade; e, estando Saul ainda em Gilgal, todo o povo veio atrás dele, tremendo.
ISm 13.22 - E sucedeu que, no dia da peleja, se não achou nem espada, nem lança na mão de todo o povo que estava com Saul e com Jônatas; porém acharam-se com Saul é com Jônatas, seu filho.
ISm 14.6 - Disse, pois, Jônatas ao moço que lhe levava as armas: Vem, passemos à guarnição destes incircuncisos; porventura, operará o Senhor por nós, porque para com o Senhor nenhum impedimento há de livrar com muitos ou com poucos.
ISm 14.7 - Então, o seu pajem de armas lhe disse: Faze tudo o que tens no coração; volta, eis-me aqui
contigo, conforme o teu coração.

INTRODUÇÃO
Nesta lição, abordaremos a angústia: uma enfermidade da alma, caracterizada por uma busca desenfreada do homem por preencher algo que lhe corrói o interior. Um sentimento insaciável rasga o peito, gritando para ser alimentado e pôr fim à sua angústia, à sua dor interior e exterior, podendo causar doenças psicossomáticas.

1. O que é a angústia?
A angústia se caracteriza por um sentimento de sufocamento e sensação de aperto no peito, acompanhados da falta de humor, de ressentimento e até dor física; isso pode evoluir a outras enfermidades. Biblicamente ela ocorre pela primeira vez no episódio da queda do homem (Gn 3.7a). Quando Adão e Eva percebem que estão nus e nada mais podem fazer para retornar ao estado original, então são tomados por um estado de angústia seguido de medo (Gn 3.8-10). Assim, quando o ser humano enfrenta situações de confrontos, problemas ou cobranças, sem saber o que fazer a angústia pode se apoderar do seu coração.

1.1. Visão filosófica da angústia
Para o filósofo Arthur Schopenhauer, viver significa necessariamente sofrer. Quanto mais o homem busca a vitória, mais ele se desencanta por não conseguir conferir sentido algum à vida. Os pequenos momentos de prazer, por mais proveitosos que sejam, são insuficientes para produzir a verdadeira felicidade o que acaba por gerar a angústia. Dessa forma, para a Filosofia existencialista, o ser humano está condenado a passar pela vida como um sobrevivente, pois a angústia de viver com sofrimento, faz desse mal um problema eterno, uma doença incurável. Entretanto, para o Cristianismo, ao contrário da filosofia, nenhum ser humano está condenado a existir como sobrevivente, pois, ao encontrar-se com Cristo, uma fonte de alegria brota no seu interior (Jo 7.38).

1.2. Angústia, uma enfermidade perceptível
Embora a angústia seja uma enfermidade da alma, tal como uma doença do corpo, é possível percebê-la, como foi visto no primeiro tópico, seus sintomas são visíveis. Encontramos texto de prova em Gênesis 42.21 que nos relata, como exemplo, o caso dos irmãos de José quando chegaram ao Egito para comprar cereal e, diante da dramática exigência de trazer o irmão caçula (Gn 42.20), não sabendo que estavam diante de José, confessaram uns aos outros: “Na verdade, somos culpados, no tocante a nosso irmão, pois lhe vimos a angústia da alma, quando nos rogava, e não lhe acudimos...”. Assim a angústia e o sofrimento dos irmãos de José puderam ser externado e se tornaram visíveis. A angústia, segundo a Bíblia é um sentimento repressor, mas também pode ser verbalizada (Jó 7.11). Por isso, mesmo sendo cristãos, muitas vezes somos afetados por desabafos de angústias e imagens angustiantes. Para evitar ser contaminado por esta enfermidade, é preciso se refugiar na Palavra de Deus (S1119.143).

1.3. A angústia na realidade social
A angústia é uma das enfermidades da alma que mais oprime a humanidade (SI 31.10). É um sentimento desagradável que pode atingir qualquer pessoa, e infelizmente o homem não pode se desviar nem escapar dela. Lamentavelmente, como visto anteriormente, a angústia é uma consequência direta do pecado inoculado no Homem. Quando ocorre momentaneamente é apenas um reflexo natural das emoções, porém, quando se torna permanente, é sintomático de uma enfermidade da alma. Sendo assim, pessoas que apresentem o quadro de angústias podem desenvolver outros distúrbios emocionais tais como: cansaço físico e mentas, desânimo, baixa estima e depressão.

2. As diversas faces da angústia
Reconhecer um quadro de angústia é uma função que cabe a especialistas. Infelizmente, a maioria dos angustiados só procura ajuda especializada quando a sensação ruim beira o insuportável. As pessoas chegam ao pronto socorro, com dor e opressão no tórax, peso e desconforto no peito, de acordo com o cardiologista César Jardim, supervisor do pronto-socorro do Hospital do Coração, em São Paulo. Os sintomas se assemelham aos de problemas cardiológicos, como infarto. Mas aqueles com problemas realmente cardiovasculares somam 30% dos casos.

2.1. O que a Bíblia diz sobre a angústia?
É muito esclarecedor e elucidativo observar que Jesus nunca afirmou que, neste mundo, não haveria sofrimento. Na verdade, muitas vezes, prega-se que, ao se tornar cristão, a pessoa não terá mais tribulações ou tentações. Mas isso não é verdade. O próprio Senhor Jesus disse claramente: “No mundo passais por aflições...” (Jo 16.33). E, então, Ele acrescenta uma pequena palavra que faz toda diferença: “mas”. Em outras palavras, Jesus nos assegura que a Sua vitória sobre o mundo é a nossa vitória também, “mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”, isto é, por meio dEle, temos a possibilidade de vencer e superar a angústia.

2.2. Angústia é sinal de que há conflito
A pessoa angustiada precisa pensar e tentar discernir o que a perturba, identificar o problema. Quando existem vários problemas, é importante definir qual o pior. Definindo qual o pior problema, o passo seguinte é agir para resolvê-lo. Quando não há solução ou a solução depende de outros, a saída é aceitar a perda. Aceitar não é concordar com o fato. É olhar a realidade e concluir: “Isto ocorreu em minha vida e não posso fazer nada para mudar.” É preciso seguir em frente, pois submeter-se à vontade de Deus é libertador (Rm 12.2). Algumas pessoas parecem ter muita dificuldade em conciliar a iniciativa humana com a dependência de Deus. Elas pensam que ou se tem uma coisa ou outra. Na realidade. Ambas são inseparáveis. O senso de dependência do Senhor nos leva a uma ação corajosa, equilibrada e vitoriosa (Êx 14.15).

2.3. Angústia um sentimento comum na pós-modernidade
A angústia sem dúvida é inerente ao ser humano, mas certamente é fomentada e potencializada nas situações trágicas (Mc 13.7). O que se percebe no nosso cotidiano é uma grande angústia. Mas por que tanta angústia? Por que esse sentimento de vazio, de incompletude? Vivemos num mundo que nos diz, incessantemente, que precisamos ter satisfação logo, que a dor precisa ser evitada e/ou suprimida e que a felicidade é a melhor escolha. O medo de não fazer boas escolhas leva os indivíduos a experimentarem um sentimento de angústia que passa pela ideia de que algumas dessas escolhas podem ser definitivas e não possuem retorno. Os males pós-modernos nascem da liberdade, em vez da opressão.

3. Como lidar com a angústia
A situação na qual o povo de Israel se encontrava era extremamente difícil, quase desesperadora. Estava prestes a entrar em uma guerra com pouquíssimas chances de vencer. O adversário, o poderoso exército filisteu, somavam trinta mil carros, e seis mil cavaleiros (ISm 13.5), enquanto o exército israelita somava seiscentos homens (ISm 13.15). Enquanto os filisteus dirigiam-se à batalha armados até os dentes, entre o povo que estava com Saul e com Jônatas não se achou nem espada, nem lança. E como nenhum soldado tinha sequer uma arma, os olhares e atenções se dirigiram para Saul e Jônatas, que eram o rei e o príncipe herdeiro de Israel e os únicos a possuírem armas (ISm 13.22). Só que os líderes também não pareciam saber o que fazer.

3.1. Evitar se concentrar na dor
Diante das adversidades, temos, assim como os hebreus, a reação natural de fugir (ISm 13.6), pois elas se esconderam em todos os lugares possíveis, tentando evitar uma batalha da qual eles sabiam que não sairiam vencedores. Jônatas se encontrava em uma situação extremamente difícil. Ele estava em grande aperto, encurralado, colocado contra a parede. Humanamente, não havia saldo para aquela situação. Todavia ele foi capaz de reverter o quadro adverso de uma maneira tão inesperada e tão completa, que transformou aquela batalha em uma das maiores vitórias da história do povo de Deus.

3.2. Identificar como mudar a situação
Qual foi o segredo de Jônatas para superar sua própria angústia e conquistar uma vitória tão extraordinária? O fator determinante para o sucesso de Jônatas foi à convicção que ele tinha consciência a respeito de Deus, a compreensão do seu caráter, dos seus atributos e da sua vontade (SI 46.1). Através dele, o Senhor livrou Israel e infligiu uma pesada derrota aos seus inimigos. Os desertores saíram de seus esconderijos (ISm 14.22), os traidores voltaram a defender seu povo (ISm 14.21), e os adversários, desorientados, mataram-se uns aos outros, sofrendo uma grande derrota (ISm 14.20). O povo estava paralisado, mas Jônatas decidiu agir. Enquanto todos olhavam uns para os outros, na expectativa de que alguém tivesse uma ideia mirabolante, ele chamou para si a responsabilidade. Jônatas foi dominado pela profunda certeza de que o Senhor o chamava para a batalha.

3.3. Confiar em Deus é o segredo da vitória
Enquanto o rei Saul ficou dentro da tenda andando de um lado para o outro, imaginando quem o Senhor poderia enviar para deter os filisteus, Jônatas acreditou que esse enviado poderia ser ele próprio. Deus chamou para a batalha. Ele atendeu. Em momentos de angústia, devemos ter fé para confiar no Senhor e em sua providência. Precisamos crer no Deus que age em favor dos seus servos, que intervém na história dos homens, que é fiel às suas promessas, que socorre seus filhos que estão em grande aperto. Mas Ele também nos chama à ação, pois quer dividir conosco as experiências da batalha e os louros da vitória.

CONCLUSÃO
A consciência de que o Senhor nos chama à batalha nos deve levar ação, mas não a qualquer ação. Atirar-se afoitamente contra os obstáculos e conduzir-se de maneira impensada não é o que vai nos tirar da situação de angústia e levar-nos ao sucesso. A ação inconsequente pode ser tão ruim quanto à passividade.

4 comentários:

  1. Paz do Senhor amado pelo amor de Cristo pública logo o esboço revista Betel, kkkk fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RSRSRS Está no forno, igual padaria, já vai sair.
      Paz de Cristo!!!!!

      Excluir
  2. Profº André,

    boa tarde! Tudo na Paz?

    Passando aqui pra lhe desejar uma feliz páscoa!
    Que o verdadeiro sentido nunca se apague de nossos corações!

    Blog Cristianismo em Foco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado irmão, que bom que se lembrou desse humilde servo. Vou me lembrar de você em minhas orações. que nesse domingo o amor de Deus seja derramado ainda mais em tua casa.
      PAZ.

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.