sexta-feira, 7 de novembro de 2014

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 6 - Revista da Editora Betel




 
AULA EM 9 DE NOVEMBRO DE 2014 – LIÇÃO 6

(Revista: EDITORA BETEL)

Elias e a Batalha dos deuses
Texto Áureo: Jeremias 32.27
 _________________________________________
 INTRODUÇÃO
- Professor(a), nesta lição apresente a forma de Deus agir para reduzir a nada a idolatria.
- “prefigura a luta do bem contra o mal”, esse milagre não atinge um problema específico, mas vai contra um mal que afeta toda a nação.
- “pode ser considerado singular”, não pode ser comparado com os outros, é um tipo diferente pelo seu aspecto coletivo.
_______________________________________________
1.  A crise espiritual e o surgimento de Elias
- “sem genealogia”, não que Elias não tivesse pai e nem filhos, mas apenas quer dizer que não há registro de seus pais ou filhos.
- “que tornou inerte o “deus” da chuva”, assim era conhecido Baal. Era uma entidade dos cananeus. Quando Elias anunciou que não iria mais chover, para a nação era um homem de Deus se levantando contra um deus. 

1.1.  A crise espiritual e a união de Acabe e Jezabel
- “Israel passou por uma terrível sucessão”, após a divisão do Reino, Israel ficou com a capital em Samaria e Judá tinha a capital em Jerusalém. Os reis de Judá tinham seus altos e baixos, mas os reis de Israel nunca se apegaram a Deus.
- “filha de Etbaal, o rei dos sidônios”, Jezabel era filha de rei, isso quer dizer que o casamento deles era político. Isso mostra que Acabe não confiava em Deus.
- “parceiro dominante no casamento”, Jezabel praticamente mandava em Acabe, isso porque Acabe era limitado pela Lei de Moisés que ele ainda respeitava, mas Jezabel não respeitava lei nenhuma e Acabe não tinha força pra impedi-la de nada.
- “precursora da adoração a Baal”, antes dela não se adorava Baal em Israel, Jezabel oficializou o culto a Baal.

1.2. A necessidade de uma luz em dias de trevas
- “tornou legal a entrada demoníaca de Baal”, quer dizer que o inimigo teria o direito de atuar. A união com Jezabel representa a união do servo de Deus com o mundo, o que permite a idolatria de chegar até o homem ou mulher de Deus.
- “O teólogo F.B. Meyer”, Frederick Brotherton Meyer viveu de 1847 a 1929 na Inglaterra era pastor da igreja Batista, evangelista, teólogo e escritor.
- “fez muito mais para irritar ao senhor Deus”, embora Jezabel seja a enviada de Satanás, o texto bíblico faz referência a Acabe, pois ele era o responsável pelo reino. Assim não adianta os pais de família culparem os enviados de Satanás para tentar seus filhos, eles são os responsáveis e eles serão responsabilizados.

1.3. Elias, o perturbador de Israel
- “J. Oswald Sanders”, escritor teológico e conferencista do século XX.
- “Ninguém poderia ter lidado melhor”, tinha que ser um profeta rude e corajoso como Elias, conhecido como o profeta do fogo.
- “como se sente em relação a Elias”, Elias incomodava Acabe por ser homem de Deus, a simples presença de Elias perturbava Acabe.
- “fechou os céus com uma palavra”, Deus passou a trazer de volta a consciência nacional de que o Senhor é o Deus de Israel. Primeiro o povo ficou temendo o homem de Deus, como era conhecido Elias e depois faz a escolha por Deus no monte Carmelo. 

2.  Elias, uma luz em meio às trevas
- “eram os piores da turma”, os reis de Israel até Acabe foram: Jeroboão I, Nadabe, Baasa, Elá, Zinri e Onri (pai de Acabe).
- “não marca audiência”, não respeitava as instituições reais por permissão de Deus, pois Acabe havia aborrecido ao Senhor dos Exércitos.

 2.1. Elias um profeta declarado
- “perante cuja a face estou...”, era chancela de que ele era homem de Deus. Essa forma de se apresentar era para registrar quem era que estava agindo contra Acabe, a saber, o Todo Poderoso.
- “e todo o seu exército”, o texto não afirma que todo o exército de Acabe assistiu a cena, provavelmente apenas os generais de Acabe tenham visto.
- “senão segundo a minha palavra”, obviamente Elias tinha a permissão de Deus para proferir esse formato único na Bíblia “a minha Palavra”.
- “colheita e prosperidade eram atribuídas a ele”, foi a forma de culto que Jezabel trouxe para Israel.
- “anunciando publicamente a falência de Baal”, não era suficiente castigar Acabe, era necessário anunciar ao povo quem era o Senhor de verdade, quem realmente tinha o poder.



2.2. Quando a visão do rei prevalece
- “resolveu esconder seu servo para treiná-lo”, se refere à ordem de Deus para que Elias fosse para a fonte de Querite.
- “sai de diante das luzes dos holofotes”, podemos notar que alguns irmãos não aceitam o momento de sair dos holofotes, não se adaptam ao anonimato e assim tomam atitudes erradas na vida eclesiástica.
- “um dia no palácio, outro dia no ribeiro”, é um ministério de altos e baixos, o servo de Cristo deve se acostumar e aprender a servir a Deus em todas as circunstâncias.
- “Mas quando estivermos prontos”, no ribeiro Elias aprendeu sobre a fé, aprendeu a ter certeza de que Deus o sustentaria. E aprendeu também que a fonte pode secar, e que em algum momento teremos que ir buscar a benção em outro canto.

2.3.  O desafio e a resposta Divina
- “convoca seus inimigos para um duelo”, se refere aos profetas de Baal e Asera que somavam 850 profetas no total 1 Reis 18.19.
- “o Deus que respondesse por fogo”, geralmente Deus não promove esse tipo de prova, mas naquele momento foi necessário para que o povo tomasse uma decisão e agisse.
- “não fez um altar por conta própria”, ele restaurou um altar que já existia ali, mostrando que não precisa de grandes novidades para ser restaurado, basta voltar ao primeiro amor.
- “é somente ter intimidade”, é um alto grau de amizade, onde a pessoa conhece intimamente outra e é conhecida por ela. Os mais íntimos de Deus no Antigo Testamento falavam ao Senhor de maneira que muitos não ousariam.
______________________________________
3. A verdade por trás da batalha
- “não era no campo físico, mas sim, no espiritual”, geralmente as lutas que enfrentamos nessa vida acobertam um desequilíbrio na área espiritual, a rebeldia de um filho, ataque de ciúmes do conjugue, acessos de ira do patrão, podem estar escondendo uma opressão espiritual.

3.1. Uma aliança demoníaca
- “Seja qual for a união que venhamos nos associar”, pode se referir a muitos tipos de sociedades no mundo, com pessoas que não professam nossa fé. Pode ser uma parceria nos negócios, uma sociedade comercial, uma parceria nos trabalhos escolares ou até mesmo um casamento.
- “tornamos algo legal no mundo espiritual”, tornar algo legal, significa dar permissão para o adversário agir. O inimigo está ao nosso derredor 1 Pedro 5.8, pois ele não tem permissão de Deus para nos atingir, mas quando nos associamos com o erro, então a proteção de Deus é enfraquecida, pois o Senhor respeita o livre arbítrio, Deus quer nos ajudar, mas se nós mesmo não nos ajudarmos Deus não nos impedirá.
- “usou seu poder para amedrontar”, a Bíblia não mostra que Jezabel tinha qualquer poder a não ser sobre Acabe, ela apenas tinha o poder das palavras para amedrontar como fez com Elias e para armar ciladas como fez com Nabote 1 Reis 21.9,10.

3.2.  O duelo dos deuses
- “discernir quem era Deus e quem não era”, para o povo Baal estava em pé de igualdade com o Senhor.
- “o que mais valia nos dias de Elias era a água”, a nação tinha acabado de sair de um período de seca de três anos, não devia ser tão fácil assim conseguir um pouco de água para jogar no altar como Elias fez.
- “A água simbolizava Baal”, novo simbolismo para a água, antes ela representava o que temos de mais precioso, é um caso em que um elemento muda o simbolismo no contexto, é bom isso claro aos alunos.
- “o fogo é um símbolo do próprio Deus”, o nosso Deus é como um fogo consumidor Hebreus 12.29.

3.3. Deus precisa de um homem na brecha
- “em torno de uma vida dedicada”, Elias mesmo declara que ele era “extremamente zeloso” com as coisas de Deus 1 Reis 19.14, com certeza foi esse zelo que Deus viu nele quando o chamou.
- “por aquele único homem”, era só um homem, mas agia pelo poder de Deus, por isso fez tudo aquilo.
- “Nada intimida aqueles que sabem”, sabemos porém que Elias se intimidou pelas palavras de Jezabel após essa evento, mas ali existiam outros fatores envolvidos e nos dá outras lições importantes.

CONCLUSÃO
- “Esse fogo será uma resposta”, não devemos entender que Deus irá mandar fogo literalmente do céu, mesmo Ele tendo poder para isso. Esse tipo de milagre hoje banalizaria o poder de Deus e não produziria fé nas pessoas. A resposta de Jesus hoje poderá ser com algo que mostre a nós e a todos que o nosso Deus é poderoso e que somos seus servos.
- “para que temam e se convertam de seus pecados”, todo o poder de Deus administrado hoje aos servos do Senhor tem o objetivo de conduzir os homens à salvação, levá-los a Cristo.
- Faça o resumo e apresente à classe.

Boa aula!

Marcos André – editor
Luiz Evaldo Barbosa - colaborador

7 comentários:

  1. PONTO DE VISTA.
    Baal, em hebraico, significa ‘senhor’, ‘patrão’ ou ‘marido’. com espanação e propagação do culto a baal, o povo ficou em duvidas a quem servir, a Deus ou a baal, diate da dualidade do povo Elias exorta o povo a se decidir:- Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o, e se Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu.
    1 Reis 18:21 O próprio Deus então se responsabiliza de dar uma resposta convincente para a nação de quem realmente era o verdadeiro Senhor.O que vendo todo o povo, caíram sobre os seus rostos, e disseram: Só o Senhor é Deus! Só o Senhor é Deus!
    1 Reis 18:39
    Elias nada fez por si só. é muito comum em nossos dias ouvir pregadores exortando os crentes à profetizar para os outros,mas como profetizar se Deus não autorizar? para endossar esta ideia eles usam a figura do profeta Elias que profetizou e parou de chover, profetizou novamente e voltou a chover, mas será que Elias iria profetizar sem a devida ordem de Deus? é claro que não. como vemos na bíblia o próprio Elias dizendo que tudo que fez foi sob o ordem de Deus;-
    Ó Senhor Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, manifeste-se hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que conforme à tua palavra fiz todas estas coisas.
    1 Reis 18:36
    O mal pior de Jezabel. alguns "pastores" costumam rotular de Jezabel irmãs que extravaga um pouco na maquiagem, é lamentável esta visão míope de alguns obreiros que esquecem todo o passado negro dessa mulher que fez tanto mal para nação de Israel, ou seja: a idolatria os assassinatos de profetas e inocentes e a insubordinação ao seu marido tem perdão, mas quando ela se maquiou para atrair Jeú; não tem perdão.

    Um abraço forte, irmão Evaldo em Catalão-Go

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente irmão Evaldo, esse acréscimo é importante para dar algo a mais para o professor e também uma ideia aos alunos. Muito bom mesmo.
      Você viu o comentário da irmã Janaína aí abaixo. Eu cheguei a pensar nisso, mas esqueci de colocar no esboço. Ela foi feliz nas colocações, pois o tema da lição foi mal escolhido.

      Obrigadão irmão.
      Paz.

      Excluir
  2. Só gostaria de ratificar que a batalha e o duelo não era dos deuses, e sim de Elias e DEUS contra os deuses (baal e asera). Elias por estar na brecha, e Deus por capacita-lo e através da vida dele manifestar o seu PODER. Falar que a batalha era dos deuses, compara DEUS com deuses baal e asera, para provar quem era o melhor, e DEUS é unico e verdadeiro, o resto é pirataria, e das piores cópias!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã Janaina, assim como eu comentei com o irmão Evaldo esse tema foi mal escolhido para essa lição "Batalha dos deuses", às vezes os comentaristas tomam algumas atitudes que eu não entendo. Mas vamos tocar o barco.
      Muito bom esse comentário.
      Paz de Cristo.

      Excluir
  3. excelentes esboços, mais poderia se possível sair até quarta, mesmo assim parabens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu irmão, vou tentar melhorar, obrigado pelas palavras.

      Paz.
      Ore pela gente aí.

      Excluir
  4. Muito tem nos ajudado amado irmão,com excelente esboços que Deus continue te abençoando grandemente...

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.