segunda-feira, 3 de setembro de 2018

ESCOLA DOMINICAL CPAD JOVENS - Conteúdo da Lição 11


A cura do homem que tinha uma das mãos mirrada
09 de Setembro de 2018


TEXTO DO DIA
“E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem ou fazer mal? Salvar a vida ou matar? E eles calaram-se” (Mc 3.4).

SÍNTESE
A cura do homem que tinha uma mão atrofiada foi uma restauração que contemplou não apenas o aspecto físico, mas também a dimensão social e emocional.

INTERAÇÃO
Quantas vezes já não nos sentimos tristes por sermos ignorados. É horrível a sensação de ser “invisível” — entrar e sair de um ambiente sem sequer ser cumprimentado. No entanto, será que não reproduzimos essa postura, mesmo sem perceber, e nos fechamos em nossos círculos de amizade, ignorando completamente as pessoas que não fazem parte do nosso grupo? Não é incomum acabarmos reproduzindo algo de que fomos vítimas em algum momento da vida. Quando isto se dá de forma inconsciente, tudo bem. No entanto, é urgente investigar se o comportamento reproduzido não ocorre como uma forma de “vingar-se” do que aconteceu no passado. O desejo de vingança é contrário ao que apregoa o Evangelho, portanto, é preciso libertar-se de tal sentimento. Que possamos ser verdadeiros integradores de pessoas invisíveis, promovendo sua inclusão nos locais onde o Senhor permitir que estejamos.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Que tal aproveitar a temática transversal — inclusão — e promover a integração de novos alunos à classe? Se a sua classe não for algo excepcional, certamente ela encontra-se dentro dos padrões de “normalidade” em termos de frequência, ou seja, cerca de setenta por cento dos matriculados encontra-se presente. Contudo, o número de matriculados está longe de ser o ideal pois certamente há muito mais jovens na igreja. Os jovens geralmente gostam de desafios e tarefas, por isso, aproveite a temática deste domingo para convidá-los à prática de engajar-se a fim de promover a Escola Dominical. Visando estimulá-los você pode oferecer um singelo prêmio (uma lição para o próximo trimestre a ser sorteada entre aqueles que trouxerem ao menos um visitante para a próxima aula, e uma revista garantida para os que trouxerem alguém que se torne efetivamente aluno). Quem sabe desse trabalho não surja até mesmo a necessidade de se criar uma nova classe de jovens?

TEXTO BÍBLICO

Marcos 3.1-6.
1 — E outra vez entrou na sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada.
2 — E estavam observando-o se curaria no sábado, para o acusarem.
3 — E disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e vem para o meio.
4 — E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem ou fazer mal? Salvar a vida ou matar? E eles calaram-se.
5 — E, olhando para eles em redor com indignação, condoendo-se da dureza do seu coração, disse ao homem: Estende a mão. E ele a estendeu, e foi-lhe restituída a mão, sã como a outra.
6 — E, tendo saído os fariseus, tomaram logo conselho com os herodianos contra ele, procurando ver como o matariam.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

INTRODUÇÃO
A lição de hoje fecha um ciclo de cinco episódios relatado por Marcos que envolvem controvérsias entre Jesus e os líderes religiosos, escribas e fariseus, de seu tempo (Mc 2.1-3.6). Tais controvérsias se davam pelo fato de que o Mestre não seguia a agenda religiosa e legalista deles. A primeira destas controvérsias foi abordada na lição anterior. As outras três dizem respeito ao fato de Jesus chamar um coletor de impostos para compor seu colégio apostólico e, por conseguinte, sentar-se na casa deste com muitos “publicanos e pecadores” (Mc 2.13-17); a não prática do jejum pelos discípulos do Senhor (Mc 2.18-22); e a quarta diz respeito ao ato de os seguidores do Mestre colherem espigas, e as comerem, em pleno sábado (Mc 2.23-28). Finalmente, a quinta controvérsia será estudada na presente lição.

I. OS FARISEUS À ESPREITA DE JESUS

1. A frequência do Senhor nas sinagogas.
Marcos, como os outros evangelistas, informa, uma vez mais, que Jesus foi a uma sinagoga (v.1). Na verdade, esta é a terceira vez, ainda no início de seu Evangelho, que Marcos diz que o Senhor esteve em uma sinagoga (Mc 1.21,29,39). Como centros de ensinamento da Lei, oração pública e onde a participação leiga era possível, a sinagoga tornou-se um dos locais preferidos por Jesus para proferir grandes ensinamentos (Mt 4.23; Lc 4.15-36).

2. Jesus destaca a presença de um homem “invisível”.
A observação do texto de que “estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada” (v.1), não é sem razão. Paradoxalmente, o homem que deveria passar completamente despercebido torna-se o centro da sinagoga naquele sábado e, consequentemente, da passagem bíblica.

3. Os fariseus acompanham os passos de Jesus.
No plano literário do texto de Marcos, é possível ver claramente o deslocamento dos adversários religiosos espreitando o Senhor e sondando-o a fim de julgar seus ensinamentos e atitudes (Mc 2.6,7,16,18,24). O versículo dois informa que, novamente, eles estavam ali observando se o Senhor curaria o homem no sábado, para o “acusarem”. O curioso é que enquanto muitos não confessavam acreditar no Mestre como Messias, ou Cristo, com medo de serem expulsos da sinagoga (Jo 9.22; 12.42,43), Jesus sequer se importava em desafiar os pretensos ensinadores de Israel (Mt 15.14).

Pense!
Será que diante da hostilidade pública temos coragem de sustentar nossa fé e nossas convicções?

Ponto Importante
O testemunho tem um custo para todos os que creem.

II. O QUE SE DEVE FAZER NO SÁBADO?

1. Jesus reintegra à sinagoga o homem dantes “invisível”.
Como local de ensinamento da Lei, textos como o de Levítico 21.17-24, por exemplo, certamente era conhecido na sinagoga. Portanto, sem dúvida alguma, este homem vivia à margem da sociedade e a sinagoga não era uma exceção. No entanto, ao ordenar que ele se “levante” e, não apenas isso, mas também venha para o centro do recinto (v.3), Jesus faz com que este homem seja novamente visto pelas pessoas. Ao levantar-se sua presença foi notada por todos. Ao vir para o centro da sinagoga, o Mestre então o reintegra ao local.

2. Perguntas sem respostas.
Diversamente das controvérsias anteriores quando quem indaga o Senhor são os adversários religiosos — escribas e fariseus — (Mc 2.7,16,18,24), nesta ocasião é o Mestre quem os questiona, inquirindo-os acerca do que deveria ser feito (v.4). Eles, porém, ficaram calados, pois até mesmo nisto havia divergência entre si, pois alguns rabinos concordavam que, no sábado, um médico cuidasse de alguém que estivesse correndo algum risco, enquanto outros achavam que tal ação era errada.

3. Um dia santo requer que se pratique coisas boas nele.
Não obstante o homem não estar sob nenhum risco, as perguntas de Jesus colocam a questão em um patamar que transcende tal discussão. Seu motivo para agir não é a emergência, ou o sufoco, mas o amor. Sendo o sábado um dia santo, certamente as poucas ações que podem ser realizadas nele devem ser boas. Tal discussão pode ser vista no texto paralelo (Mt 12.11,12). Se um animal, neste caso tido como um bem material, sem titubear era salvo no sábado, quanto mais uma pessoa cuja deficiência física necessitava de uma intervenção!

Pense!
Quando uma vida está em jogo e sua salvação depende da transgressão de uma regra religiosa, qual deve ser a nossa decisão?

Ponto Importante
Ao curar o homem em pleno sábado, Jesus demonstra que a restituição de uma vida é mais importante que a observância de regras religiosas.

III. O MILAGRE E A DECISÃO DOS ADVERSÁRIOS DO SENHOR

1. A indignação e a tristeza do Mestre.
O silêncio dos fariseus, isto é, sua omissão diante da dor daquele homem outrora “invisível” provoca, inicialmente, a indignação do Mestre (v.5a). O emudecimento tem um motivo muito claro, ou seja, eles não podem responder “não”, pois isso seria um absurdo, mas também não podem concordar com o Senhor, pois tal posição lhes seria constrangedora. Assim, tais motivações injustificáveis, e com certeza conhecidas por Jesus, provocam indignação no Mestre, mas ao mesmo tempo leva o Senhor a ter pena da “dureza” do coração deles, posto que deve ser muito difícil existir de forma tão desumana, sem sensibilizar-se com a dor das pessoas. É interessante notar que o evangelista pontua de forma bastante explícita os sentimentos do Senhor, evidenciando sua humanidade.

2. A cura física e emocional.
Falando da mesma narrativa, Lucas informa claramente que a mão atrofiada era a direita (6.6). Como se sabe, a mão destra era de suma importância na cultura judaica (Mc 16.19; Cl 3.1; 1Pe 3.22). Por isso, quando o Senhor, depois de mandar que ficasse em pé e viesse para o meio, também ordena ao homem que estenda a mão (v.5b), Ele não apenas lhe dá visibilidade e restituição social na sinagoga, mas também lhe proporciona, além da cura física, cura emocional, pois a mão que antes não podia ser mostrada nem estendida para cumprimentar alguém, agora está completamente sã. Na verdade, a cura emocional iniciou-se antes da física, pois a mão que certamente ficava escondida sob a roupa, desde o momento em que Jesus ordenou-lhe que fosse mostrada, quebrou uma grande barreira (v.5).

3. A “união” para fazer o mal.
Do emudecimento e paralisação, após constatar o milagre, os fariseus saíram imediatamente da sinagoga e “tomaram logo conselho com os herodianos” (v.6). Os herodianos eram um grupo político-partidário simpatizante de Herodes Antipas, que lutavam para que este governasse a Judeia (à época governada por Pilatos). Apesar de o foco de interesse de ambos os grupos ser completamente distinto, eles ocasionalmente poderiam unir-se havia um interesse comum (Mc 12.13). Neste caso, uma vez que Jesus era alguém cuja popularidade poderia converter-se em uma ameaça política pior que a de Pilatos para os interesses dos herodianos, os fariseus então os procuraram formando uma coalizão para “ver como o matariam” (v.6).

Pense!
O que é necessário quando, além da cura física, existe também a doença de ordem emocional?

Ponto Importante
Quando uma doença física vem acompanhada de trauma, a cura precisa ser bem mais profunda.

CONCLUSÃO
A grande ironia desta narrativa é que quando Jesus questiona os fariseus acerca de se fazer bem ou mal no sábado, Ele também acrescenta uma segunda pergunta: “Salvar a vida ou matar?” (v.4). A princípio tal indagação parece despropositada ou, no mínimo, fora de contexto. Porém, no versículo seis o evangelista revela que a questão faz todo o sentido. Os fariseus que ignoraram o Senhor ter curado o homem da mão atrofiada no sábado, não hesitaram em formar conselho com os herodianos para ver como poderiam matar Jesus. Havia uma indisposição para fazer o bem, mas uma grande disponibilidade para executar o mal.

ESTANTE DO PROFESSOR

PEARLMAN, Myer. Marcos. 4ª Edição. RJ: CPAD, 1999.

HORA DA REVISÃO

1. Enquanto muitos seguiam o Senhor para aprender, ou receber a bênção de Deus, os fariseus espreitavam Jesus com qual finalidade?
O versículo dois informa que, novamente, eles estavam ali observando se o Senhor curaria o homem no sábado, para o “acusarem”.

2. O que significou para aquele homem vir para o centro da sinagoga?
Jesus faz com que este homem seja novamente visto pelas pessoas. Ao levantar-se sua presença foi notada por todas. Ao vir para o centro da sinagoga, o Mestre então o reintegra ao local.

3. Qual o motivo de Jesus para curar aquele homem?
Seu motivo para agir não é a emergência, ou o sufoco, mas o amor.

4. Ao destacar os sentimentos de Jesus, o que Marcos evidencia?
É interessante notar que o evangelista pontue de forma bastante explícita os sentimentos do Senhor, evidenciando sua humanidade.

5. Além de curá-lo fisicamente, Jesus também lhe proporcionou outro tipo de cura. Qual foi ela?
Cura emocional, pois a mão que antes não podia ser mostrada nem estendida para cumprimentar alguém, agora está completamente sã. Na verdade, a cura emocional iniciou-se antes da física, pois a mão que certamente ficava escondida sob a roupa, desde o momento em que Jesus ordenou-lhe que fosse mostrada, quebrou uma grande barreira (v.5).

SUBSÍDIO I
“Jesus cura a mão de um homem no sábado / 3.1-6. Esse episódio completa uma série de cinco comparações crescentes entre Jesus e os líderes religiosos. Em conjunto, elas fazem um resumo dos pontos de atrito que levaram à rejeição de Jesus. Os fariseus tinham estado observando os atos de Jesus num sábado, esperando que Ele pudesse fazer alguma coisa que lhes permitisse condená-lo. Jesus frustrou seus planos envolvendo os fariseus na decisão de curar um homem. A reputação de Jesus de ser capaz de curar (mesmo no sábado, veja 1.21-26) já era conhecida, mas será que Ele ousaria curar no sábado, debaixo dos olhos dos fariseus? De acordo com a lei de Deus era proibido trabalhar no sétimo dia da semana (Êx 31.14-17), portanto os líderes religiosos não permitiam que fosse realizada qualquer cura nesse dia, a não ser que a vida da pessoa estivesse em perigo. A cura, afirmavam eles, representava a prática da medicina e a pessoa não podia exercer sua profissão num sábado.

3.3 Jesus não evitou uma confrontação com seus adversários, pois precisava estabelecer o importante ponto de que não estava disposto a ficar preso às opressivas leis dos fariseus e que, sendo Deus, iria realizar um ato de caridade e curar mesmo num sábado. Portanto, mandou que o homem com a mão mirrada viesse ao centro da multidão para que todos pudessem ver sua deficiência. Os fariseus não deixariam escapar qualquer coisa que Jesus fizesse” (Comentário do Novo Testamento.Aplicação Pessoal. Volume 1. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, pp.200,201).

SUBSÍDIO II
“3.4 Para Jesus não importava que a vida desse homem não estivesse ameaçada pelas condições da sua mão e nem o fato de poder esperar até o dia seguinte para praticar a cura legalmente. Se Jesus tivesse esperado até o dia seguinte, estaria se submetendo à autoridade dos fariseus e mostrando que suas regras mesquinhas eram iguais à lei de Deus. Deus é Deus de pessoas, não de regras. Portanto, Jesus fez uma pergunta retórica: ‘É lícito no sábado fazer bem ou fazer mal? Salvar a vida ou matar?’. Mas os fariseus não lhe responderam, pois a resposta iria privá-los da acusação que queriam lançar sobre Jesus. Suas próprias leis permitiam que o povo fizesse o bem e salvasse vidas no sábado — o fazendeiro que podia resgatar sua única ovelha de um poço num sábado sabia disso (veja Mt 12.11,12). Era, então, um absurdo proibir que uma pessoa fizesse o bem para outra num sábado.

3.5 Os líderes religiosos, os guardiães da fé judaica, os mestres do povo — aqueles homens de coração duro estavam tão moral e espiritualmente cegos e empedernidos que não conseguiam ver quem Jesus realmente era, nem reconhecer as necessidades de um homem e se rejubilar com a sua cura” (Comentário do Novo Testamento. Aplicação Pessoal. Volume 1. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2009, p.201).

Fonte: Revista Lições Bíblicas CPAD

Contatos Pr Marcos André: palestras, aulas e pregações: 21 969786830 (Tim e zap) 21 992791366 (Claro)

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.