quarta-feira, 31 de outubro de 2018

ESCOLA DOMINICAL CENTRAL GOSPEL - Conteúdo da Lição 5


Os Estudos e a Busca do Conhecimento
 ___/___/____

Lições Bíblicas nº 56

TEXTO BÍBLICO BÁSICO

Provérbios 3.13-20
13 - Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento.
14 - Porque melhor é a sua mercadoria do que a mercadoria de prata, e a sua renda do que o ouro mais fi no.
15 - Mais preciosa é do que os rubins; e tudo o que podes desejar não se pode comparar a ela.
16 - Aumento de dias há na sua mão direita; na sua esquerda, riquezas e honra.
17 - Os seus caminhos são caminhos de delícias, e todas as suas veredas, paz.
18 - É árvore da vida para os que a seguram, e bem-aventurados são todos os que a retêm.
19 - O SENHOR, com sabedoria, fundou a terra; preparou os céus com inteligência.
20 - Pelo seu conhecimento, se fenderam os abismos, e as nuvens destilam o orvalho.
TEXTO ÁUREO
 "Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá." 1 Tm 4.13
 
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS

Prezado professor,
A busca pelo conhecimento é um dos aspectos mais importantes na vida. É preciso ressaltar que adquirir o conhecimento, em várias esferas do saber, é algo valiosíssimo, inclusive para o cristão.
Conscientize o aluno de que ele pode fazer muito pelo Reino de Deus colocando o seu conhecimento, através dos estudos, na perspectiva de promover o Evangelho, com inteligência e sabedoria.
Esta lição oferece orientações sobre como agir, pessoalmente e como Igreja, nas mais diversas questões da sociedade. Além disso, mostra como é importante estar preparado para enfrentar as demandas da vida e que a ação de cada um é muito importante na promoção do Reino de Deus e na transformação de vidas.
Ótima aula!

Palavra introdutória
O professor José de Souza Marques, fundador do Colégio Souza Marques em Cascadura, RJ, declarou: “No começo do mundo venciam os mais fortes, depois, os mais audazes, hoje vencem os mais preparados”.
O preparo para a vida por meio da educação formal é um assunto de extrema importância para o cristão. O caminho da escolarização pode ser árduo; no entanto, é um meio muito eficaz para o autoconhecimento e a capacitação para servir ao Senhor e ao próximo.
Vale lembrar o conselho de Paulo a Timóteo sobre o estudo:
Persiste em ler, exortar e
ensinar, até que eu vá
(1 Tm 4.13).


1. A IMPORTÂNCIA DA VIDA ACADÊMICA
O ingresso na universidade é uma das decisões mais importantes da vida. É um tempo de crescimento e de profundas transformações, que deixam um legado extraordinário para o cristão, assim como para todo o seu ambiente de convivências.

1.1. Cristão e universidade — Definindo os termos
O termo cristão tem uma relação íntima com a pessoa e obra de Jesus Cristo. A palavra grega christianos significa seguidores de Cristo. Foi em Antioquia da Síria que os adeptos de Jesus foram, pela primeira vez, chamados de cristãos (At 11.26). Portanto, cristãos são os que observam — e praticam — os ensinamentos de Cristo (1 Co 11.1).
O vocábulo universidade tem origem no latim, universitas, que, no sentido original, diz respeito a seres ou objetos que constituem um todo. As primeiras instituições universitárias foram fundadas na Europa, no século 13, adotando o nome de universitas, com o conceito de conjunto de mestres e estudantes congregados na mesma escola e ligados pelos mesmos interesses culturais.

1.2. Fé e vida acadêmicaNem sempre os cristãos que se matriculam na universidade estão aptos a encarar as dúvidas que surgem nesse ambiente. Alguns, com o avanço nos estudos, colocam em dúvida a sua fé. Esse detalhe, porém, não deve tornar-se em impedimento para o ingresso na vida acadêmica ou justificativa para que a universidade seja evitada.
O caminho da universidade precisa ser visto como algo promissor, um tempo de grandes bênçãos, preparação para a vida, crescimento pessoal, capacitação e aperfeiçoamento dos talentos e dons que o Senhor concedeu aos Seus servos para servi-lo.
Ninguém precisa perder a sua fé por estar num lugar onde há maneiras diferentes de conceber as realidades humanas e espirituais. A fé pode crescer nos lugares mais áridos e a maturidade espiritual pode vicejar nos terrenos mais improváveis (Fl 4.13).

 __________________
 O cristão sem uma fé
bem fundamentada em
Cristo poderá abalar-se
em suas convicções nos
enfrentamentos intelectuais
do cotidiano universitário.
Neste caso, é fundamental
que ele invista em seu
conhecimento das Escrituras
e alimente a sua comunhão
com Deus, para não
ser derrotado.
__________________

1.3. A Bíblia valoriza a busca do conhecimento e da sabedoria
A Bíblia estimula a procura da instrução, como diz Provérbios 11.9.
O autor declara que feliz é o homem que encontra a sabedoria e o conhecimento (Pv 3.13).
Certos homens de Deus dos tempos bíblicos — mesmo sem universidades como hoje — alcançaram elevado grau de instrução. Na época, qualquer educação recebida colocava a pessoa numa situação privilegiada, uma vez que a maior parte do povo era constituída de iletrados e analfabetos.
Há um número enorme de personagens bíblicos de destacado saber. Seguem dois exemplos:

1.3.1. MoisésMoisés foi um hebreu criado no palácio de faraó (Êx 2.1-10). Segundo Lucas, Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios (At 7.22).
Segundo a tradição judaica, Moisés foi treinado para ser o sucessor ao trono. Para isto, Moisés precisava receber educação em toda a ciência e conhecimento dos egípcios. Porém, mais tarde, faraó teve um filho que se tornou seu sucessor e o projeto de Moisés suceder a faraó foi descartado.
Como Moisés havia sido preparado para assumir o trono, Deus o usoucomo instrumento para conduzir o povo de Israel do Egito para a Terra Prometida (Hb 11.27-29).
_________________
No judaísmo do NT, os
rabinos mestres criaram
escolas de discípulos.
Dentre muitos mestres,
três se sobressaíram:
Hillel; Shammai (da
geração anterior a Jesus)
e Gamaliel, mentor do
apóstolo Paulo (At 22.3).
__________________

1.3.2. Paulo 
Paulo teve uma esmerada educação na Lei de Moisés, a mais completa daquele tempo, algo comparável às instituições atuais de ensino superior. O apóstolo, além de teólogo e filósofo, era fluente em grego, latim e hebraico.
Após sua conversão na estrada de Damasco, tudo isso foi colocado a serviço da pregação do Evangelho (At 9.1-20).
 
2. O PAPEL HISTÓRICO DO PROTESTANTISMO EM APERFEIÇOAR O ENSINO E A ACADEMIA “A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. (Nelson Mandela) Desde o início, o protestantismo mostrou que era defensor dos estudos e da evolução intelectual. Percebe-se isto nos diversos países onde ele chegou e tem sido de inestimável apoio na procura do conhecimento. Nos dias atuais, diversas nações usufruem dessa colaboração dada pelos protestantes
no âmbito educacional.
 
2.1. Martinho LuteroNa Alemanha, o monge Martinho Lutero encorajou a busca do conhecimento e o crescimento intelectual. Ele colaborou para lançar os alicerces da educação pública. Ele mesmo sugeriu aos príncipes alemães que agissem como educadores.
Lutero escreveu dois textos sobre educação. Em 1524:
“Aos Conselhos de Todas as Cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs”. Com este, Lutero pôde impactar políticos de diversas cidades para edificarem escolas. Em 1530, publicou: “Lugar de criança é na Escola: Prédica para que se mandem os filhos à escola”. Neste texto, Lutero conclamava pastores e pregadores para que se esforçassem em persuadir os pais a conduzirem seus filhos à escola.

2.2. João CalvinoAssim como Lutero exerceu grande influência na educação da Alemanha, o reformador francês João Calvino a exerceu em Genebra, na Suíça.
Calvino foi para Genebra, em 1536, e expôs um projeto educacional gratuito perante o conselho municipal, dirigido às crianças, com expressivo apoio. Essa proposta deu origem à primeira escola primária, gratuita e obrigatória da Europa.
Em Genebra, havia um colégio que preparava jovens para o clero. Em 1559, Calvino e Teodoro de Beza, teólogo e discípulo de Calvino, mais tarde, seu sucessor, reformaram o colégio e o tornaram disponível ao público. O colégio passou a ser chamado de Academia, tornando-se amplamente conceituada em toda a Europa. A academia deu origem à universidade de Genebra, uma das melhores no mundo atual. 
 
2.3. John KnoxO reformador escocês do século 16, John Knox, ao estudar em Genebra, travou conhecimento com Calvino e recebeu influência de suas ideias. Knox retornou à Escócia e elaborou um projeto de educação que seria decisivo para o desenvolvimento do país, tanto no âmbito espiritual quanto material, tendo a Palavra de Deus como assunto principal de estudo.
Tendo esse plano educacional como ponto de partida, o Parlamento da Escócia autorizou, em 1646, a criação de uma unidade escolar em cada região, ficando a coordenação das escolas e docentes com a Igreja. Knox ajudou a elaborar a obra que regulamentou a educação na Escócia — o First Book of Discipline.
 
3.O COMPROMISSO DA IGREJA DE ESTIMULAR O ESTUDO E A CULTURA“Todas as artes procedem de Deus e devem ser consideradas criações divinas”. (João Calvino)
Estudar é direito de todos. Para os cristãos e para a Igreja, é um direito e um dever. De acordo com o teólogo holandês Abraham Kuyper, “as ciências humanas não podem ser entregues ao diabo e seus agentes, elas precisam ser usadas para demonstrar a glória de Deus ao mundo, bem como para gerar
melhorias à nação”.
O cristão deve inserir-se em todos os níveis da sociedade,
para que o mundo veja, por meio dele, a luz de Cristo, e Deus seja honrado.
Paulo declarou: fazei tudo para a glória de Deus (1Co 10.31).
 
3.1. Promoção da culturaPor muito tempo, houve resistência de um determinado segmento da Igreja brasileira em relação à educação. Isto acontecia, pois se acreditava que o desenvolvimento intelectual não era compatível com a fé em Cristo. Os seminários teológicos sofriam grande oposição, e as consequências não poderiam ser diferentes: ausência de incentivo aos estudos, inúmeros analfabetos, empobrecimento cultural, superficialidade da fé, limitação da igreja na evangelização etc.
Assim, durante bastante tempo, os cristãos eram considerados pessoas ignorantes, sem cultura. Atualmente, não existe mais espaço para esse tipo de concepção. A Bíblia e a história do protestantismo exaltam a importância da educação e da busca de conhecimento (Os 4.6).
Inúmeras igrejas estão envolvidas em projetos de promoção da cultura. Suas lideranças incentivam o povo a estudar.
Há diversos seminários teológicos, institutos bíblicos, faculda
des e universidades evangélicas em várias partes do Brasil.
__________________
Os cristãos podem
apresentar, no meio
acadêmico, a cultura
do Reino em oposição
à do mundo. É possível
transformar os diversos
meios de expressão artística
com um conteúdo sadio,
levando junto a mensagem
do evangelho.  
________________
 
3.2. O cristão e as artesOs cristãos também precisam ocupar as universidades, por conta da luta que precisa ser travada e vencida contra a influência de filosofias anticristãs nas artes. No mundo, as artes têm sido dominadas
por conceitos contrários à Bíblia, e isso tem causado problemas. O isolamento e a falta de participação dos cristãos pavimentam o caminho para as influências malignas nas mais variadas formas de manifestações artísticas. Para isso, o cristão deve estudar e preparar-se. Atualmente, existe no Brasil uma grande variedade de cursos universitários envolvendo diversas expressões artísticas, tais como: pintura, escultura, dança, teatro, televisão, música, cinema, literatura etc.
Daniel e seus amigos são exemplos de pessoas que tinham profunda intimidade com Deus, mas, também, eram de grande capacidade intelectual. A instrução humana andava junto ao profundo discernimento espiritual na vida desses jovens (Dn 1.17-20).
Os cristãos precisam tirar proveito da universidade, como fonte de conhecimentos, e associar esses conhecimentos com a sabedoria vinda da Palavra de Deus!
 
3.3. Promoção do progresso e do desenvolvimentoO desenvolvimento de uma nação, igreja ou de uma pessoa — no sentido mais estrito — só é possível mediante a educação. A pessoa é transformada, e transforma o meio onde vive, quando adquire os saberes que são valiosos tanto do ponto de vista individual como coletivo. O apóstolo aos gentios deixa uma orientação muito clara nesse sentido em Romanos 12.2a.
 
CONCLUSÃOA falta de conhecimento leva à estagnação e ao retrocesso.
O profeta Oseias declarou: O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento (Os 4.6a). Theodore Schultz adverte: “A civilização é uma corrida de vida ou morte entre a educação e a catástrofe”. O que escolheremos?
 
ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO
1. O que Calvino disse a respeito das produções artísticas?
R. Todas as artes procedem de Deus e devem ser consideradas criações divinas.
Fonte: Revista Lições da Palavra de Deus n° 56

Pr Marcos André - contatos palestras, aulas e pregações: 21 969786830 (Tim e zap) 21 992791366 (Claro)

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

2 comentários:

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.